Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

Justiça nega pedido de Tinho para voltar à prefeitura de Xaxim

Segundo a promotora, Tinho pode tentar agora um madado de segurança atráves do Superior Tribunal de Justiça de Brasília

Gabriela Gibikoski
Oeste
Reprodução RICTV Xanxerê/ND Oeste
Tinho tem o pedido de retornar a prefeitura negado
Tinho foi afastado do cargo em 22 de outubro

O desembargador do Tribunal de Justiça manteve a decisão do afastamento de Gilson Vicenzi do cargo de prefeito de Xaxim. A decisão foi publicada pelo Tribunal de Justiça na tarde desta terça-feira (6). Tinho havia entrado com uma ação no Tribunal de Justiça de Florianópolis, pedindo para voltar, mas teve o pedido negado.

Segundo a promotora Fabiana Mara Silva Wagner, Tinho pode tentar agora um madado de segurança atráves do Superior Tribunal de Justiça de Brasília.

Vicenzi foi afastado da prefeitura no dia 22 de outubro, por que segundo o Ministério Público, não manteve serviços básicos à comunidade na condição de gestor público. Agora, o vice-prefeito que assumiu o cargo, Adacir Araldi, está em definitivo na administração do município até 31 de dezembro.

Com a decisão do Tribunal de Justiça, a promotora acredita que houve a confirmação de que para manter a ordem pública diantes do casos que se estabeleceu com os cortes dos serviços, a melhor alternativa foi o afastamento do então prefeito. "Ele violou diversos princípios da administração pública, como a impessoalidade e a moralidade", frisou a representante do MP.

Divulgação/ND Oeste
O Vice prefeito Adacir Araldi assume os trabalhos definitivamente até 31 de dezembro
Araldi deve permanecer no cargo até dezembro

Afastamento

O documento expedido pela Justiça pediu o afastamento do atual prefeito do município, que após ser derrotado nas eleições, suspendeu vários serviços públicos. De acordo com as promotoras de Justiça da Comarca de Xaxim, Diana da Costa Chierighini e Fabiana Mara Silva Wagner, a Ação de Improbidade Administrativa foi proposta depois que foram cancelados “de forma repentina e desmotivada diversos serviços que vinham sendo prestados regularmente até o dia anterior às eleições”. Os principais cortes aconteceram na área de saúde e educação.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade