Publicidade
Segunda-Feira, 19 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 18º C

Arqueólogos brasileiros e argentinos estudam culturas antigas em Itá

Ao final das atividades de pesquisa, o município ficará com a guarda de uma coleção arqueológica para ser exposta no museu

Redação ND
Oeste

Um grupo de pesquisadores formado por arqueólogos brasileiros e argentinos iniciou neste mês, em Itá, atividades de reconhecimento de novos sítios arqueológicos e uma amostragem a partir da escavação do sítio Otto Aigner, localizado na Volta do Uvá.

Divulgação/Prefeitura de Itá/ND Oeste
Itá é a primeira cidade brasileira a receber a pesquisa

 

A pesquisa esta vinculada ao Projeto Binacional "Arqueologia da Floresta Atlântica Meridional Sul Americana", desenvolvido a partir de convênio estabelecido entre o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina – CEOM/Unochapecó e o Ministério da Cultura da Argentina, através do Instituto Nacional de Antropologia. O Departamento de Cultura de Itá também apóia a pesquisa.

O principal objetivo do projeto é estudar a pré-história do Oeste catarinense e da província de Misiones, na Argentina, e conhecer as culturas que habitavam essas regiões no passado. No país vizinho já foram realizadas duas escavações, a primeira na Gruta Índia Três de Mayo de Garuhapé e a outra no município de Corpus, às margens do rio Paraná.

No Brasil, a cidade de Itá foi a primeira a ser pesquisada por contar com sítios arqueológicos com mais de oito mil anos. "Datamos alguns sítios recentemente através do Carbono 14 e chegamos a ocupação bastante antiga de 8.100 anos, também são conhecidos vestígios de sociedades agrícolas que viveram por volta de 1.000 anos atrás. Queremos saber mais sobre os instrumentos que produziam, do que se alimentavam, onde moravam", destaca Mirian Carbonera, uma das coordenadoras do projeto.

Paralelo às atividades de pesquisa serão realizadas atividades de difusão, como palestras nas escolas para que crianças e jovens tenham presente a importância e valorizem o patrimônio arqueológico, que é protegido por lei federal. "É importantíssimo para nossa comunidade conhecer este universo, para que nossos jovens tenham a consciência da preservação da nossa história, através do estudo arqueológico temos condição de visualizar várias situações do passado e ajudar a protegê-las", explica a Diretora de Cultura de Itá, Vanessa Damo Curtarelli.

Ao final das atividades de pesquisa, o município ficará com a guarda de uma coleção arqueológica para ser exposta no museu.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade