TSE fará campanha publicitária de combate às fake news, afirma Fux

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luiz Fux, afirmou nesta sexta-feira (15) que o tribunal eleitoral fará uma campanha publicitária para conscientizar a população sobre as fake news (notícias falsas).

WhatsApp ainda é o pior local para controle das fake news - Marcos Santos/USP Imagens
WhatsApp ainda é o pior local para controle das fake news – Marcos Santos/USP Imagens

A campanha terá como objetivo ajudar a sociedade a identificar uma notícia falsa e orientar sobre cuidados no compartilhamento. 

“Não é possível a leitura apenas do título, é importante ler a matéria toda. Se for uma notícia muito dramática, emocionante, tem que ver com o pé atrás. E pensar várias vezes antes de fazer o compartilhamento”, disse a jornalistas após palestra sobre o tema no VI Congresso Brasileiro de Direito Eleitoral, em Curitiba (PR).

Segundo Fux, o TSE vai exercer “poder de polícia” no caso de notícias sabidamente inverídicas que causam dano irreparável a uma candidatura. Ele afirmou que plataformas como o Facebook e o Google já assinaram um compromisso de que, tão logo notificadas pelo TSE, removerão qualquer conteúdo sabidamente falso de suas páginas. O ministro também disse que os partidos políticos assinaram um tratado de não proliferação de fake news. 

“As fake news violam o voto consciente. Nada pior do que o eleitor votar desinformado ou informado por algo que não corresponde à realidade”, afirmou.

Decisão pioneira

Questionado pela reportagem sobre a validade da determinação do TSE que derrubou supostas notícias falsas contra a pré-candidata Marina Silva (Rede), Fux afirmou que a decisão foi liminar e que ainda será apreciada no colegiado.

“Foi uma decisão pioneira. O TSE revelou quão enérgico será com essa estratégia maliciosa de vencer uma eleição através da estratégia de denegrir a imagem alheia”, disse.

No último dia 7, o órgão decidiu pela primeira vez sobre fake news nas eleições deste ano. A determinação teve como base frases que tratavam suspeitas contra Marina Silva como fato.

Mais conteúdo sobre

Política

TSE fará campanha publicitária de combate às fake news, afirma Fux

ANA LUIZA ALBUQUERQUE

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) – O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luiz Fux, afirmou nesta sexta-feira (15) que o tribunal eleitoral fará uma campanha publicitária para conscientizar a população sobre as fake news (notícias falsas).

A campanha terá como objetivo ajudar a sociedade a identificar uma notícia falsa e orientar sobre cuidados no compartilhamento. 

“Não é possível a leitura apenas do título, é importante ler a matéria toda. Se for uma notícia muito dramática, emocionante, tem que ver com o pé atrás. E pensar várias vezes antes de fazer o compartilhamento”, disse a jornalistas após palestra sobre o tema no VI Congresso Brasileiro de Direito Eleitoral, em Curitiba (PR).

Segundo Fux, o TSE vai exercer “poder de polícia” no caso de notícias sabidamente inverídicas que causam dano irreparável a uma candidatura.

Ele afirmou que plataformas como o Facebook e o Google já assinaram um compromisso de que, tão logo notificadas pelo TSE, removerão qualquer conteúdo sabidamente falso de suas páginas. O ministro também disse que os partidos políticos assinaram um tratado de não proliferação de fake news. 

“As fake news violam o voto consciente. Nada pior do que o eleitor votar desinformado ou informado por algo que não corresponde à realidade”, afirmou.

‘DECISÃO PIONEIRA’

Questionado pela reportagem sobre a validade da determinação do TSE que derrubou supostas notícias falsas contra a pré-candidata Marina Silva (Rede), Fux afirmou que a decisão foi liminar e que ainda será apreciada no colegiado.

“Foi uma decisão pioneira. O TSE revelou quão enérgico será com essa estratégia maliciosa de vencer uma eleição através da estratégia de denegrir a imagem alheia”, disse.

No último dia 7, o órgão decidiu pela primeira vez sobre fake news nas eleições deste ano. A determinação teve como base frases que tratavam suspeitas contra Marina Silva como fato.

Mais conteúdo sobre

Jornalismo