Sobe para dez o número de mortos no massacre em escola de Suzano

Atualizado

Subiu para dez o número de mortos na escola estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, a 50 km de distância de São Paulo, após dois adolescentes invadirem o estabelecimento de ensino e dispararem contra estudantes e funcionários na manhã desta quarta-feira (13). Há pelo menos 15 feridos. As informações foram confirmadas pela Polícia Militar e pelo Governo do Estado de São Paulo.

Movimento em frente ao portão da Escola Estadual Raul Brasil de Suzano após tiroteio  – Foto: WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO – ESTADÃO CONTEÚDO/ND

Segundo a PM, oito pessoas morreram no local e outras duas após serem levadas para o hospital. Os atiradores estavam encapuzados e invadiram a escola atirando. No loca, cinco jovens morreram, além de uma funcionária da escola. Os suspeitos se mataram na sequência.

O coronel Salles, da PM, disse que, antes de entrar na escola, os dois atiradores dispararam contra o proprietário de um lava rápido que fica em frente à unidade de ensino. Neste momento, o homem está passando por cirurgia na Santa Casa de Suzano.

‘Estou chocado com o que ocorreu’, diz Doria sobre ataque à escola em Suzano

PM dá detalhes sobre o ataque

No local, o coronel Salles falou à imprensa mais detalhes sobre o ataque. Ele disse que os dois atiradores entraram na escola, atiraram contra uma coordenadora pedagógica e uma supervisora.

Na sequência, eles se dirigiram ao pátio, atiraram em alunos do ensino médio e foram para o centro de línguas. Estudantes se trancaram na sala com uma professora e os atiradores se suicidaram em seguida, no corredor.

Na mochila dos atiradores havia três coquetéis molotov, duas bestas (lança-seta) e um revólver 38. Uma terceira mochila foi encontrada com uma espécie de bomba, de acordo com informações do Major Caruso, subcomandante do 32.º Batalhão com sede em Suzano.

A polícia está fazendo uma varredura na escola porque foram encontrados artefatos com aparência similar a de explosivos. “A preocupação neste momento é desmantelar os artefatos explosivos, prestar socorro às vítimas e atender às famílias”, disse o coronel Salles. A área no entorno da escola está isolada por risco de haver explosivos.

A PM informou, ainda, que as famílias dos alunos estão sendo atendidas por psicólogos da prefeitura. Os nomes das vítimas serão divulgados apenas depois que os familiares forem comunicados.

*Com informações do portal R7 e Estadão Conteúdo.

Mais conteúdo sobre

Polícia