Capitania dos Portos quer fim de disputa entre barqueiros e pilotos no rio da Madre

A Capitania dos Portos de Santa Catarina deve realizar reuniões com barqueiros e pilotos de motos aquáticas para tentar estabelecer o uso pacifico do rio da Madre, na Guarda do Embaú, em Palhoça. A informação foi dada nesta segunda-feira (4) pelo capitão dos portos, Alexandre Lopes Vianna de Souza.

No sábado (2), oito pilotos de motos aquáticas foram impedidos de deixar o canal. Os barqueiros alegam que o grupo fez algazarra no rio, colocando em risco os banhistas. Representantes da Associação de Barqueiros informaram que eles entraram no rio em alta velocidade. Os vídeos divulgados mostram que a discussão ocorreu na volta.

Segundo o Souza, atualmente não há nenhuma regra que impeça a navegação das motos aquáticas pelo rio da Madre, já que são consideradas pequenas embarcações. Segundo ele, cabe ao Governo do Estado e a Prefeitura de Palhoça estabelecerem áreas destinadas aos banhistas ou delimitar a prática de atividades náuticas.

A moradora Sandra Jovelina Laurindo relata que as solicitações de fiscalização, via e-mail, ocorrem desde 2017. A discussão do final de semana foi o auge de um problema recorrente a cada temporada de verão, principalmente aos finais de semana.
Em relação a fiscalização, Souza destaca que ocorre uma operação entre a Guarda do Embaú e Tijucas, desde 21 de dezembro. Diante da ocorrência, a Capitania informou que intensificará as ações para garantir a segurança na navegação e preservar os banhistas.

Região