Publicidade
Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Procurador de Joinville tem cinco pré-indicações para o Grammy Latino

Mario Ghanna foi inscrito por um amigo e tem indicações em cinco categorias, incluindo Mãos ao Alto como melhor gravação e composição

Redação ND
Joinville

Ele está fora do grande circuito nacional. Toca um som que define como próprio, sem querer rotular a um estilo em particular. O sorocabense Mario Sérgio Ghannagé Barbosa, o Mario Ghanna, 33 anos, é procurador do Ministério Público Federal em Joinville e um dos artistas pré-selecionados em cinco categorias para o Grammy Latino 2013. Os nomes dos indicados aos prêmios serão divulgados no dia 25 de setembro e a 14ª cerimônia está marcada para 21 de novembro, no hotel cassino Mandalay Bay, em Las Vegas, no Estados Unidos.

A inscrição no Grammy foi feita por um amigo e, para a surpresa de Ghanna, ele está entre os selecionados. O CD Xadrez Urbano, lançado de forma independente em dezembro passado, concorre a melhor álbum, revelação do ano e música do ano. Já a canção “Mãos ao Alto” briga pelos prêmios de melhor gravação e composição. “Fiquei muito feliz com a pré-seleção. Agora, é torcer para ser indicado”, diz.

 

Fabrício Porto/ND
Mario Ghanna tem uma sólida carreira como procurador, mas está se descobrindo na música, que inicialmente era um hobby e agora se tornou uma de suas apostas para uma carreira de sucesso

 

 

A música “Mãos ao Alto” é carregada de crítica à impunidade de gente de “colarinho bem passado”. No single, Ghana conta uma história que aconteceu com ele, quando estava investigando um prefeito da região e viu a segurança do político dizer que nada aconteceria, “que a casa havia caído para os policiais e não para ele”. Indignado, o procurador foi para casa e escreveu a letra em primeira pessoa, como se fosse um desses políticos falando para a sociedade. “Acho que isso fez o pessoal do Grammy gostar, porque é bem atual, o momento me favoreceu bastante”, sugere.
Ghanna não esperava, mas agora quer a indicação. E, se for indicado, obviamente que vai querer o prêmio. “Agora que cheguei, vou querer sempre o melhor”, comenta. O álbum, composto por dez músicas, foi lançado no fim de 2012. O sucesso acabou atraindo a gravadora Miceli Records, que resolveu assinar um contrato com um músico e relançar o CD, o que deve acontecer em breve, ainda este ano.
Mesmo fora do dito circuito brasileiro, Ghanna acredita que aos poucos está se inserindo no meio, fazendo shows e conquistando o próprio espaço. “Todo mundo tem que começar um dia e eu estou começando”, afirma, argumentando que a categoria revelação, por exemplo, é propícia para artistas como ele.
Ghanna vai divulgando seu trabalho e fazendo shows. Recentemente esteve em Manaus, onde diz que suas músicas estão fazendo sucesso nas rádios. Além de Joinville e outras cidades de Santa Catarina, ele também está se apresentando no interior de São Paulo. Turnês internacionais ainda não apareceram, mas serão muito bem-vindas. “Ainda não sai do Brasil, mas se acontecer, vai ser muito bom”, diz.

Paixão por música clássica

Filho de pianista, Ghanna sempre foi ligado à música. Aos 12 anos começou a estudar violão e aos 15 iniciou as aulas de música. Apaixonado por música clássica, integrou bandas de rock, samba e participou de um trio de blues. Com covers de Stevie Ray Vaughan, Buddy Guy e Eric Clapton e outros, estreou nos palcos entre 2010 e 2011.
Em seguida, Ghanna voltou a compor, com referências no rock, MPB, jazz e blues. Sobre o futuro na carreira musical, prefere deixar seguir e ver no que vai dar, sem fazer muitos planos. Hoje, ele ainda passa maior parte do tempo se dedicando ao trabalho de procurador.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade