Publicidade
Terça-Feira, 18 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Espetáculo “Só uma Palhaça Só” marca o lançamento do Coletivo Impar de Teatro

Peça é baseada na experiência da atriz Bia Alvarez e foi inspirada no mundo contemporâneo com um olhar feminino.

Redação ND
Joinville

Uma ideia, um projeto que começou dos sonhos de uma só pessoa. Assim nasceu o espetáculo Só Uma Palhaça Só, que no início de 2014 ganhou destaque na cena cultural joinvilense, ao ter o projeto inscrito no site de financiamento coletivo Catarse. A meta do patrocínio no Catarse não foi alcançada. Mesmo sem os recursos do Catarse, o projeto ganhou muitos incentivadores, que contribuíram de diversas formas para viabilizar a produção que estreia na sexta, às 20h, no Galpão de Teatro da Ajote (Associação Joinvilense de Teatro).

 

Chico Maurente/Divulgação/ND
Divã. Personagem Everline Flore conta a sua trajetória de vida

 

Só Uma Palhaça Só é um espetáculo solo, baseado na experiência cotidiana da atriz/palhaça e inspirada no mundo contemporâneo, tendo como referencial a arte do palhaço na visão feminina. Em seu mundo de pensamentos e temores, a palhaça-personagem Everline Flore se vê as voltas com questões profundas de sua existência.

Na sala de sua casa, numa tentativa constante de solucionar, definitivamente, a sensação de estar deslocada do mundo, Everline conta sua trajetória de vida. Se autointitula empreendedora artística (desempregada) e busca soluções inusitadas, deixando clara a sua inadequação. Diante dos diagnósticos terapêuticos e de se sentir definitivamente rotulada, Everline relembra histórias da sua infância, em meio a um emaranhado de sensações, questionamentos e brigas com cigarros, livros e bonecas. Sua busca está em encontrar a sua própria verdade.

A atriz e palhaça Bia Alvarez dividiu-se durante dez anos entre a carreira no serviço público e o teatro (nas horas vagas). Desenvolve pesquisas no universo da palhaçaria desde 2009 e em 2012, ao participar do Vértice 2012 (encontro e festival internacional de teatro feito por mulheres), fez uma oficina ministrada por Karla Concá e Vera Ribeiro, do grupo As Marias da Graça (RJ), criado em 1991 e considerado o precursor da palhaçaria feminina no Brasil.

Identificando-se imensamente com a metodologia de trabalho e linha de pesquisa de palhaçaria feminina das Marias surgiu o desejo de ter um trabalho dirigido por Karla Concá, que é atriz, palhaça (mais palhaça do que atriz, como ela sempre fala) e sócia fundadora do grupo de palhaçaria.

Em janeiro Bia Alvarez foi para o Rio de Janeiro e fez uma imersão artística de 30 dias, onde construiu o espetáculo.

A construção de cenários, figurinos, música, iluminação, produção e divulgação da PEC foram realizadas de forma coletiva. “Após muito ensaio, muito trabalho para a confecção do cenário e do figurino, debates sobre a função da arte, criações coletivas, choros (muitos!), sorrisos (muitos também!), brigas e reconciliações, enfim o projeto Só Uma Palhaça Só ganha vida. O trabalho todo foi concebido sem nenhum tipo de patrocínio, mas contou com alguns apoios muito especiais de parceiros artistas que emprestaram uma parte do seu talento para colorir um pouco mais o mundo de Everline Flore”, relata a atriz.

 

Criatividade de forma coletiva

 O espetáculo também marca o lançamento do Coletivo Impar de Teatro, um novo núcleo de trabalho do Impar (Instituto de Pesquisa da Arte pelo Movimento), que assume o lugar da Cia Joinville de Teatro, que depois de nove anos de atuação, encerrou suas atividades em 30 de março. Criado a partir do sentido mais amplo da palavra “coletividade”, o Coletivo Impar de Teatro reúne um grupo de pessoas dispostas a experimentar as possibilidades do pensamento e do trabalho coletivo, sustentado em processos de investigação no campo das artes cênicas, dentro de um viés contemporâneo e atento às questões antropológicas, políticas e sociais que permeiam a vida humana. O Coletivo é formado pela atriz e palhaça Bia Alvarez, pela jornalista e produtora Iraci Seefeldt, pela atriz e terapeuta ocupacional Nathielle Wougles e pelo ator e diretor Robson Benta.

Serviço:

O que: Espetáculo Só Uma Palhaça Só

Quando: 25, 26 e 27

Onde: Galpão de Teatro da Ajote, na Cidadela Cultural Antarctica, rua 15 de novembro, 1445

Horário: 20h

Ingressos: R$ 20,00, com 50% de desconto para idosos, estudantes e integrantes da Ajote.

Onde comprar: Livraria O Sebo, na rua Dr. João Colin, 572 (venda antecipada) e na bilheteria do Galpão da Ajote(nos dias de espetáculos, a partir das 19h)

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade