Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

Compás y Arte oferece oficinas gratuitas de dança flamenca em Joinville

Oficinas começam neste fim de semana na Casa Iririú e depois vão para o Espaço Cultural AváRamin

Redação ND
Joinville
Jackson Nessler/Divulgação
Andanças. O estilo tem forte influência da cultura cigana

 

Os pés tocam o chão no ritmo flamenco, enquanto braços e o corpo se unem aos leques e mantóns para dar suavidade ao movimento, numa coreografia fortemente influenciada pela cultura cigana. Aos olhos do público, a dança flamenca parece inalcançável, talento de uns poucos privilegiados capazes de executar passos que trazem à tona sentimentos de alegria e tristeza. Mas a professora Adriana Alves Vieira, da Escola Compás y Arte quer mostrar como é sim possível fazer parte do espetáculo.

As oficinas gratuitas oferecidas pela Compás y Arte, contrapartida social do projeto aprovado no Edital de Apoio à Cultura 2012 do Simdec (Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura), começam neste fim de semana na Casa Iririú (já com vagas esgotadas) e depois vão para o Espaço Cultural AváRamin. Antes de assistirem a montagem de “Ida y Vuelta”, nova criação da escola para os palcos, os admiradores do flamenco poderão frequentar as aulas comandadas por Adriana, com duração de três horas divididas em dois dias.

A própria professora é exemplo de como a arte flamenca pode atingir mesmo quem conhece muito pouco dessa cultura: em 2003, por recomendação médica, Adriana teve o primeiro contato com dança folclórica, e, após se aperfeiçoar em Curitiba e Florianópolis, abriu a Compás y Arte e montou espetáculos com “El Viento” e “Fuerza Gitana”. “Não vou dizer que não é uma dança difícil, porque exige muitos anos de estudo. Mas para começar tem que começar, então a oficina vai desde o básico, como técnicas de mãos e pés, que no flamenco são bem características mesmo”, ressalta. “A gente aprende cada parte separada e depois junta tudo.”

Os participantes vão vivenciar técnicas de pés pelo sapateado flamenco; técnicas de braços e corpo; utilização de acessórios como leques e mantóns; ter noções básicas de ritmos flamencos e estrutura de baile com composição de coreografia. Não há nenhum pré-requisito para participar das aulas, nem de idade, nem de sexo. Homens e mulheres aprendem técnicas similares neste primeiro contato com a dança. “A única diferença, pequena mesmo, é mais na postura, não há tantos movimentos no quadril e a mão é um pouco mais firme. Mas a técnica é a mesma”, explica Adriana.

Outra vantagem, completa a professora, está no lado terapêutico do flamenco. Como uma das principais marcas dessa dança é o sapateado, há quem procure as aulas para tirar o estresse e “sapatear” em cima dos problemas. “A dança tem isso em geral. Quem faz uma aula de flamenco não consegue pensar em outra coisa porque exige muita concentração”, conclui. Os interessados em continuar com o aprendizado podem obter informações sobre a escola durante as oficinas.

Paralelamente as oficinas, a Compás y Arte segue com os trabalhos de “Ida y Vuelta”. O espetáculo tem estreia marcada para o dia 30 de novembro, no Teatro Juarez Machado. A peça referencia os poemas de João Cabral de Melo Neto, um dos grandes nomes da literatura brasileira do século passado e que teve um intenso trabalho como cônsul na Espanha, período com forte influência em seus escritos.

 

Programação

Sábado e domingo

17h às 18h30

Casa Iririú, rua Xaxim, ao lado do número 195.

Vagas esgotadas.

 

06 e 07 de outubro

15h às 16h30

Espaço Cultural AváRamin, rua Fernando Machado, 190.

Inscrições pelo e-mail compasyarte@gmail.com e no telefones 9911-9198 (Adriana)

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade