Publicidade
Quarta-Feira, 19 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 17º C

Tomate, batata e feijão foram os vilões da cesta básica de novembro, em Florianópolis

Apesar da redução nos últimos 12 meses de 10,99% e de 0,34% em relação a outubro, a cesta na Capital ainda é a terceira mais cara do país, no valor de R$ 415

Redação ND
Florianópolis
06/12/2017 às 17H50

O tomate, a batata e o feijão foram os vilões da cesta básica de Florianópolis no mês de novembro de 2017. Apesar da redução nos últimos 12 meses de 10,99% e de 0,34% em relação a outubro, a cesta na Capital catarinense ainda é a terceira mais cara do país, no valor de R$ 415, segundo a pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) divulgada nesta quarta-feira (6). Porto Alegre foi a cidade com a cesta mais cara (R$ 444,16), seguida por São Paulo (R$ 423,23). Os menores valores médios foram observados em Salvador (R$ 315,98), João Pessoa (R$ 324,90) e Recife (R$ 327,85).   

Mesmo acumulando taxa negativa de 27,11% nos últimos 12 meses, o tomate subiu 5,13% em relação a outubro. O mesmo aconteceu com a batata, que subiu 3,78% no mês passado e o feijão, com reajuste de 0,16%. Os outros alimentos pesquisados registraram retração de preços: banana (-3,33%), leite integral (-2,93%), arroz (-2,82%), manteiga (-1,8%), açúcar refinado (-1,6%), óleo (-1,26%), farinha de trigo (-1,08%), café em pó (-0,63%), pão francês (-0,27%) e carne de primeira (- 0,08%).

O trabalhador de Florianópolis, que tem remuneração equivalente ao salário mínimo, necessitou cumprir jornada de trabalho, em novembro, de 97 horas e 26 minutos, para pagar os custos com a cesta básica. Tempo menor que a de outubro, de 97 horas e 46 minutos. Em novembro de 2016, a jornada ficou em 116 horas e 34 minutos.

No mês passado, o custo da cesta na capital catarinense comprometeu 48,14% do salário mínimo líquido (após os descontos previdenciários). Em outubro, o percentual exigido foi de 48,31%. Já em novembro de 2016, demandou 57,59% do salário mínimo.

Em novembro, o custo dos alimentos essenciais apresentou queda em 17 das 21 cidades

Cidade Valor   Variação mensal
Porto Alegre 444,16   -0,61
São Paulo  423,23   -1,14
Florianópolis415,00-0,34
Rio de Janeiro 407,37 -3,25
Vitória     387,93-1,47
Curitiba   381,26-1,75
Brasília  380,52-2,12
Cuiabá    375,60

-1,09

Campo Grande364,33-1,22
Fortaleza 363,92-1,00
Goiânia   361,96-0,17
Belo Horizonte359,71-1,69
Belém      358,74-2,26
Maceió    347,77 0,44
Manaus    345,66 -1,01
Aracaju 341,090,21
São Luís 333,14

-1,25

Natal      328,210,96
Recife    327,850,58
João Pessoa324,90-1,66
Salvador   315,98-0,73

Fonte: Dieese

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade