Publicidade
Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 22º C

Servidores da Justiça do Trabalho de Joinville se juntam à greve estadual da categoria

Trabalhadores exigem aprovação de lei que garante reajuste salarial

João Batista (JB)
Joinville
Divulgação/ND
Servidores em Joinville aderiram à paralisação nesta segunda 

 

Os servidores da Justiça do Trabalho e da Justiça Federal em Joinville também estão mobilizados na greve da categoria, iniciada no último dia 8 em todo o Estado. O movimento pede a aprovação do Projeto de Lei 28/2015, que altera o plano de carreira dos servidores do Judiciário, garantindo o reajuste salarial. O Sintrajusc (Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário no Estado de Santa Catarina) não tem um levantamento de quantos servidores estão parados na cidade, mas destacou que 80% dos funcionários aderiram ao movimento no Estado.

Em Joinville, a paralisação não afeta todas as varas mas prejudica o atendimento, que está sendo feito em regime de plantão e por prioridade nos setores onde houve adesão dos servidores. Segundo o coordenador regional do Sintrajusc, Pedro Antônio de Oliveira, Itajaí e Blumenau também se juntaram ao movimento. “Os prazos estão suspenso em todas as varas. A greve só tem aumentado a adesão”, comentou, frisando que Santa Catarina tem a maior greve do Judiciário no país. Há mobilizações em 22 estados.

“O salário está defasado desde 2009. Nós não temos mais condições. A categoria já se sente na última gota. Queremos um Judiciário reconhecido”, disse Oliveira, avaliando as motivações dos servidores pelo movimento. A reivindicação salarial varia de 50% a 70%, conforme as funções. Conforme Oliveira, o reajuste cobre perdas históricas e nem leva em conta a necessidade de ganho real. “Não é aumento. É apenas reposição salarial”, argumentou.

A greve deve seguir por prazo indeterminado. Enquanto tenta mais apoios, o sindicato vai aguardar uma decisão sobre o futuro do projeto de reajuste, previsto para ser votado no Senado na próxima terça (30). Até lá, não há reuniões de negociação marcadas com o Governo Federal.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade