Publicidade
Quarta-Feira, 26 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

Na semana mundial da amamentação, a importância do leite materno

Conheça os eventos programados em Joinville para incentivar o aleitamento materno

Adrieli Evarini
Joinville
Carlos Junior/ND
Keuryn Victória Lourenço nasceu no último sábado, mas o poder de decisão sobre quando vai deixar de ser amamentada, já é dela

 

“Vou deixar ela decidir quando parar. Quando ela não quiser mais, aí sim eu paro de amamentar”. Foi assim que Keli Cristiane Gonçalves, 26 anos, decidiu pela amamentação. A pequena Keuryn Victória Lourenço nasceu no último sábado (30) e é a terceira filha da dona de casa que sabe da importância do leite materno para seus filhos.

A primeira filha foi amamentada até um ano e meio e o segundo estendeu as mamadas até o terceiro ano o que, para a mãe, além de trazer benefícios para a saúde, fortalece os laços entre a mãe e o filho. “Amamentação é tudo, não tem como explicar. É tão bom quando eles estão mamando, olhar o rostinho. É uma coisa que realmente não tem como explicar”, ressaltou.

O primeiro dia da Semana Mundial da Amamentação, que iniciou oficialmente nesta segunda-feira (1) foi também o último dia de mãe e filha na Maternidade Darcy Vargas. Nesta terça-feira, a pequena Keuryn irá conhecer sua casa e seus irmãos que, assim como ela, receberam muito mais do que leite materno, receberam, como disse Keli “algo que não tem como explicar”.

No quarto ao lado, a mamãe de primeira viagem, Geisiane de Jesus Souza, 22, era observada atentamente pelo papai, também iniciante, Leandro Müller, 22. As atenções de ambos eram para o pequeno Nicolas Souza Müller, que nasceu neste domingo, último dia do mês de julho. Com pressa, Nicolas nasceu de 37 semanas e, com apenas um dia de vida, estava aprendendo a mamar, rotina que deve durar um ano e meio. “Amamentar é cuidar da saúde, bem-estar e desenvolvimento dele. Quero amamentar pelo menos durante um ano e meio”, disse Geisiane. Além disso, a mãe já sente a ligação que a amamentação proporciona. “É só ele sentir o cheiro da mãe, sentir o peito, a batida do coração que fica calmo”, comentou.

Carlos Junior/ND
O pequeno Nicolas Souza Müller nasceu do domingo (31) e o parto foi assistido pelo pai, Leandro Müller. "É algo que todo pai deveria participar"

O pai, que esteve ao lado da mulher durante o parto, ressalta a importância da participação ativa durante toda a gestação e também na hora do nascimento. “Foi muito emocionante, algo que todo pai deveria participar e pretendo ser assim durante toda a vida dele. Quero participar de cada momento”, afirmou.

A Semana Mundial da Amamentação deste ano tem como tema “Amamentação: uma chave para o desenvolvimento sustentável” e várias ações fazem parte da programação em Joinville, a principal delas é a terceira edição da “Hora do Mamaço”, que ocorre no sábado (6), às 10h, no Parque Zoobotânico.

O movimento “Hora do Mamaço” ganhou força há quatro anos, quando, em São Paulo, uma mãe foi advertida sobre a impossibilidade de amamentar o filho em local público. A partir daí, o movimento foi desencadeado por todo o país como forma de protesto e ação pela liberdade de amamentação em qualquer espaço público. A última edição do Mamaço em Joinville reuniu cerca de 100 mamães.

Além do movimento, atividades sobre a amamentação serão intensificadas nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde). Coordenadas pela área técnica de alimentação, nutrição e saúde da criança e organizadas pelo grupo de tutores da Rede Amamenta e Alimenta Joinville, com o apoio da Secretaria da Saúde, as ações envolvem ainda a capacitação dos profissionais e unidades de saúde, a realização de oficinas, elaboração de material técnico e rotinas para aprimorar a rede de cuidados da gestante e da criança, além de aprimorar o registro e monitoramento dos indicadores em alimentação e nutrição.

A Semana Mundial da Amamentação segue até domingo (7).

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade