Publicidade
Quinta-Feira, 14 de Dezembro de 2017
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Quadrilha foge após invadir casa para assalto e dono disparar 32 tiros, em Palhoça

Família estava reunida para o jantar quando assaltantes renderam a todos; criança de sete anos foi alvejada no braço

Colombo de Souza
Florianópolis
16/06/2017 às 22H40
Bandidos invadiram a casa enquanto família se preparava para o jantar - Reprodução/ND
Bandidos invadiram a casa enquanto família se preparava para o jantar - Reprodução/ND


O representante comercial Adair Raitz, 42, reagiu a um assalto em casa, efetuando vários disparos de pistola, e salvou a família e um amigo, na noite de quinta-feira (15). A ocorrência foi na Praia da Pinheira, em Palhoça. “Recarreguei a arma e atirei sem parar. Dei 32 tiros, descarreguei dois pentes. Graças à minha arma tirei minha mulher, meus filhos e um amigo das mãos dos bandidos”, contou. 

Adair usou uma pistola 380. No confronto, a filha mais nova, uma menina de sete anos, foi alvejada no braço. “A bala transfixou, mas ela está bem. Recupera-se em casa”, disse aliviado.

Raitz contou que todos estavam reunidos na cozinha se preparavam para o jantar, quando quatro homens com armas longas tentaram arrombar a porta a chutes e gritavam que matariam quem estivesse em casa.Ao pressentir que a porta não resistiria, o comerciante pegou a filha mais nova e correu para o quarto no piso superior. Os assaltantes entraram na casa e um deles também subiu, enquanto os outros permaneceram com a mulher, a filha de oito anos e o amigo, rendidos na cozinha. A filha mais velha, que estava estudando em outro cômodo, também foi dominada.

O comerciante relatou que os ladrões ameaçavam as vítimas com arma de fogo e faca e gritavam que queriam dinheiro. O bandido que foi ao piso superior atirava na porta do quarto onde Raitz estava com a filha. “Ele atirava de um lado e eu respondia do outro. Recarreguei a pistola e continuei efetuando disparos até acertá-lo”, disse.

O bandido ferido desceu correndo e falando alto para os comparsas saírem dali o mais rápido possível. “São todos ladrões pé de chinelo. Fui para a rua e continuei atirando. Eles pularam o muro, se estatelaram no chão e fugiram. Não roubaram nada”, contou.

Questionado se não teria medo caso eles retornassem, Raitz afirmou: “Vão levar chumbo outra vez. Detesto ladrão pé de chinelo e drogado”. Depois do susto, ele registrou ocorrência na Delegacia de Palhoça, que investigará o paradeiro da quadrilha.

Publicidade

34 Comentários

Publicidade
Publicidade