Publicidade
Terça-Feira, 18 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Projeto que reajusta salário dos vereadores de Joinville é aprovado em primeira votação

Com a correção, subsídio dos parlamentares passará para R$ 12.316,49. Proposta irá para segunda votação na segunda-feira

Shirlei Paterno
Joinville

Os vereadores de Joinville aprovaram na noite desta quarta-feira (8), em caráter de urgência em primeira votação, o projeto que prevê o reajuste anual do subsídio dos parlamentares em 9,83%. Se aprovado em segunda votação, na sessão de segunda-feira (13), o subsídio dos vereadores terá reajuste de R$ 1.102,35 e passará de R$ 11.214,14 para R$ 12.316,49. A presidência da Câmara recebe além do salário mais uma gratificação de 50% sobre o valor, neste caso, a remuneração do atual presidente, Rodrigo Fachini (PMDB) passa para R$ 18.474,73.

 

Daniel Tonet/CVJ/Divulgação/ND
No momento da votação, vereadores Fabio Dalonso, Sidney Sabel e Adilson Mariano, contrários ao reajuste

 

Com votos contrários dos vereadores Adilson Mariano (PSoL), Sidney Sabel (PP) e Fabio Dalonso (PSD), o projeto teve aprovação de outros 13 parlamentares. Zilnety Nunes (PSD), João Carlos Gonçalves (PMDB) e Roberto Bisoni (PR) não estavam no plenário no momento da votação.

O vereador Mariano apresentou emenda propondo que o reajuste fosse de 6% parcelado em três vezes, sendo 2% em agosto, 2% em outubro e 2% em novembro, a exemplo do que ocorrerá com os servidores públicos da Prefeitura de Joinville. O parlamentar destacou que o restante, 3,83% entraria na proposta para o reajuste salarial para o próximo mandato.  A emenda foi rejeitada.

Mariano destacou que não é contra a correção, mas defendeu que ele deve ser feito conforme proposta apresentada aos demais servidores do município, dessa forma ele justificou seu voto contrário a reposição anual dos vereadores. O vereador Dalonso disse respeitar a posição dos demais parlamentares, mas acredita que este não é o momento para aprovação de um projeto como este. “Diante da circunstância de crise que o Brasil vive tomei a posição que achei que tínhamos que fazer no momento.”

Antes da votação no plenário o projeto foi discutido em reunião conjunta das comissões de Legislação e Urbanismo, durante o debate, os vereadores defenderam que a correção é um direito constitucional. “A reposição é inflacionária e justa porque já perdemos devido à inflação. Somos um servidor, não vou ficar abrindo mão todo ano do que é direito meu”, frisou o vereador Manoel Bento (PT) durante o debate.

O reajuste dos vereadores recompõe perda com a inflação nos últimos 12 meses. A revisão anual está prevista no artigo 37, inciso 10, da Constituição Federal. O pagamento é retroativo a 1º de maio. 

 

Carlos Junior/ND
A publicitária Cristina garante que está atenta as decisões dos vereadores

 

Protesto solitário

Quem passou em frente à Câmara de Vereadores, por volta das 16h30 de ontem, pode observar uma manifestação solitária feita pela publicitária Maria Cristina Beck, com uma faixa e um cartaz a profissional pedia a redução do número de vereadores e a equiparação do salário com o dos professores. “Quero mostrar que as pessoas estão atentas. Muitas vezes o povo se acomoda e os vereadores se sentem livres para fazer qualquer coisa”, disse. Cristina prometeu voltar ao local para outro protesto na tarde de hoje.

Nas redes sociais a matéria sobre o possível reajuste de 9,83% dos vereadores gerou repercussão, até o fim da tarde de ontem, a postagem tinha aproximadamente 300 compartilhamentos e 250 comentários, a grande maioria criticando o projeto. Alguns comentários sugeriram que a comunidade fosse a Câmara para protestar e exigir que o subsídio dos vereadores fosse reduzido para R$ 980, a exemplo do que ocorreu em outras cidades do País. “Tem que fazer um protesto lá na frente da Câmara (...) Tem que reduzir pela metade se tiver ruim pede a conta”, escreveu um leitor.

Outro comentário critica o valor do reajuste, dizendo que a diferença é o que ganham diversos trabalhadores. “Chega a ser cômico um aumento de R$ 1.100,00, isto é o que milhares de trabalhadores ganham para trabalhar o mês inteiro”, indigna-se. Já outro leitor escreve que diante da atualmente crise este não é o momento para esse tipo de correção. “Este aumento para os vereadores não deveria acontecer devido à crise financeira do País”, declarou.

Saiba mais
Como fica o salário
Vereadores
Quanto é: R$ 11.214,14
Quanto ficará: R$ 12.316,49

Presidência:
Quanto é: R$ 16.820,29
Quanto ficará: 18.474,73

Resultado da votação
Como votaram os vereadores
Adilson Mariano (PT), contra
Cláudio Aragão (PMDB) , a favor
Dorval Pretti (PCdoB), a favor
Fábio Dalonso (PSD), contra
Jaime Evaristo (PSC), a favor
James Schroeder (PDT), a favor
João Carlos Gonçalves, (PMDB), ausente
Levi Rioschi (PPS), a favor
Lioilson Corrêa (PSC), a favor
Manoel Bento (PT), a favor
Mauricinho Soares (PMDB), a favor
Maurício Peixer (PR), a favor
Maycon César (PSDB), a favor
Odir Nunes (PSDB), a favor
Pastora Léia (PSD), a favor
Roberto Bisoni (PR), ausente
Rodrigo Fachini (PMDB), a favor
Sidney Sabel (PP), contra
Zilnety Nunes (PSD), ausente

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade