Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Polícia investiga morte do detento Edemilson Paulo Franz. Ele foi encontrado enforcado na cela

Depois do resultado da necropsia, caso deve ser assumido pela 2a Delegacia de Polícia de Joinville

Redação ND
Joinville

O caso do homem de 34 anos encontrado morto em uma cela da Delegacia Central de Polícia em Joinville na manhã de sábado, 12, será investigado pela 2a DP, do bairro Itaum. Edemilson Paulo Franz foi preso na madrugada de sábado e encontrado morto minutos depois na cela da CP (Central de Polícia).

Segundo o delegado coordenador da CP, a ocorrência será repassada à delegacia ainda nesta semana. “A gente vai investigar, sim. A lei prevê que toda morte deve ser investigada, independentemente de onde ela aconteça. As investigações devem ser comandadas pela 2a DP. Estamos esperando o resul- tado da necropsia. A investiga- ção vai apontar se houve falha de um dos agentes de plantão ou não”, declarou o delegado.

A família de Edemilson está indignada com o caso. “Ele entrou na cela com o cinto. Isso não podia acontecer”, ressalta Márcia Adriana Franz, irmã da vitima. Ela conta que após o irmão brigar com a mulher, Edemilson teria chamado a PM. “Quando a PM chegou ao apartamento, ele contou o que aconteceu e então foi algemado e levado para a viatura. Ele foi no porta-malas e a mulher com as crianças no banco de trás da viatura”, lembra Márcia Adriana.

A irmã de Edemilson comenta que, ao chegar à delegacia, a cunhada e os filhos do casal entraram pela porta da frente para prestar depoimento, enquanto ele foi levado para a cela. “Lá, a Polícia Militar entregou ele para a Polícia Civil. Quando minha cunhada era ouvida, todos foram surpreendidos por um forte estrondo e então perceberam que meu irmão havia se enforcado dentro da cela da delegacia com o cinto que não tiraram dele”, destaca.

 

Família inconformada
A família teria contado para a polícia que o irmão havia tentado o suicídio. “Mesmo assim, não tiraram o cinto dele. A gente querque o caso seja investigado e o responsável pela morte responsabilizado. Jamais poderiam ter deixado ele preso comuma cinta ou cadarço”, diz.

Edemilson foi enterrado no domingo, 13, no Cemitério Nossa Senhora de Fátima. Ele tinha cinco filhos, seno dois bebêscom a atual companheira.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade