Publicidade
Domingo, 18 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Pai e filho fazem festa em agradecimento às equipes que realizaram transplante em Joinville

Nardi José Moraes, 64 anos, doou um rim para o filho Jair Fernandes Moraes

Shirlei Paterno
Joinville

A ligação entre Nardi José Moraes, 64 anos e o filho Jair Fernandes Moraes, 43 anos, tornou-se ainda maior há oito anos. Em 2008, o pai que ensinou a mesma profissão ao filho, deu educação, carinho e amor, também possibilitou uma nova vida a Jair. Pai e filho ficaram lado a lado em uma das salas de cirurgia do Hospital Municipal São José e, sob os cuidados da equipe médica da Fundação Pró-Rim e do São José, Nardi doou um de seus rins para o filho.

 

Carlos Junior/ND
Carinho e gratidão do filho Jair pelo pai Nardi são demonstrados diariamente

 

Jair Fernandes Moraes nasceu no município de Armazém, no Sul do Estado, no dia 24 de janeiro de 1973. Filho de suinocultores, aprendeu a profissão com o pai Nardi, casou-se com Carmelita e tiveram dois filhos: Cassiane e Darlan. Logo após completar 35 anos, em 2008, Jair começou a sentir-se mal e constatou que sua pressão estava muito alta. Após realizar diversos exames, descobriu que tinha um quadro de insuficiência renal avançada.

Com apoio da equipe médica do posto de saúde de Armazém, e por indicação de uma amiga, Jair marcou uma consulta na Fundação Pró-Rim em Joinville. Após o primeiro encontro com a médica, descobriu que sua vida dependia do transplante de rim e iniciou uma verdadeira corrida contra o tempo.

O pai Nardi e a mãe Valdete Fernandes Moraes fizeram o exame de compatibilidade, que deu positivo para Nardi. Sem pensar duas vezes, o pai tomou a decisão de doar um dos rins para o filho. “Filho é em primeiro lugar. Quando me perguntavam se eu estava mesmo disposto a doar o rim para o Jair eu dizia: se precisar tirar amanhã, tira hoje. Se eu precisar tirar um braço para dar para ele, eu tiro”, conta Nardi.

Como o tempo era pouco, a família resolveu pagar os exames necessários, após 24 dias e mais de R$ 4 mil gastos, estava tudo pronto para o transplante que foi realizado sem custo pela equipe dos dois hospitais de Joinville. Nardi relembra que, antes da operação, o filho estava inchado, não conseguia ficar em pé sozinho e precisava de ajuda para tomar banho.

 

Divulgação/ND
Equipes médicas da Fundação Pró-Rim e Hospital Municipal São José

 

Festa para comemorar e agradecer

No dia 30 de maio de 2008, Jair Fernandes Moraes considera que nasceu de novo. Depois da cirurgia bem sucedida, pai e filho ficaram novamente lado a lado na sala de recuperação. Vendo que o pai apresentava dores, Jair questionou: você não está arrependido de ter doado seu rim para mim? E veio a resposta: “Se eu tiver que doar o outro para salvar a sua vida, eu doo”, frisou o pai.

Após 70 dias sob os cuidados da mãe, Jair deixou o hospital e retomou a vida no Sul do Estado. Passados oitos anos, Jair comemora aniversário duas vezes no ano: em janeiro e maio. Neste ano, resolveu fazer uma festa diferente. Com o tema Gratidão e Gastronomia, o evento foi realizado na Sociedade Real, no bairro São Marcos, em Joinville, no dia 3 de junho. Entre os cerca 100 convidados, estavam médicos, enfermeiros, amigos e familiares. O objetivo era um só: agradecer todo o carinho, cuidado e dedicação recebidos durante a sua permanência em Joinville.

 

Carlos Junior/ND
Porco-pizza, tradicional prato da culinária do Sul do Estado foi servido durante jantar de agradecimento

 

O diferencial da festa foi o cardápio preparado por Jair, o tradicional prato típico de Armazém: porco-pizza. Uma iguaria criada pela Associação de Suinocultores da região Sul e que chama atenção pela criatividade com que é preparada.

Jair, que fez curso para aprender a preparar o prato, conta que a porco-pizza é feita com um leitão de cerca de 30 quilos, desossado e mergulhado no tempero por 10 horas. Em seguida, o suíno é assado na churrasqueira em forma de manta. “A carne do porco substitui a massa da pizza. Após assado é recheado com queijo, calabresa, milho, ervilha, ovos e muito orégano. Enfim, tudo o que vai numa pizza tradicional”, explica.

Esta é a segunda vez que Jair prepara o prato para a comemoração de seu “renascimento” neste ano. A primeira foi em sua cidade, dedicada aos funcionários do posto de saúde. “Esta é uma maneira singela, porém verdadeira, que encontrei para celebrar o meu renascimento com esses anjos que cruzaram o meu caminho, no momento mais crítico da minha vida”, emociona-se.

 

Divulgação/ND
Equipe Pró-Rim: da esquerda para direita: Rita Vieira, Marcos Vieira (presidente), José Aluisio Vieira (fundador), Sonia Vieira (presidente do voluntariado), Rosa Gasparino (psicologa), Luciane Deboni (coordenadora de transplantes), Bárbara Ferrari (médica), Andréia Jacopetti Baptista (coordenadora de comunicação)
Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade