Publicidade
Domingo, 16 de Dezembro de 2018
Descrição do tempo
  • 31º C
  • 23º C

Novo modelo de carteira de identidade começa a ser confeccionado em Joinville

Novo formato e impressão digital de dados garante maior segurança contra fraudes e falsificações. Substituição não é obrigatória

João Batista (JB)
Joinville

Enquanto o prometido RIC (Registro de Identidade Civil) – uma carteira de identidade com chip em cartão magnético – não sai do papel, a Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina está modernizando o formato, a impressão e os itens de segurança do velho conhecido RG (Registro Geral). A nova carteira de identidade terá um formato semelhante ao das carteiras emitidas nos vizinhos Rio Grande do Sul e Paraná, que já confeccionam o modelo há algum tempo.

 

Rogério Souza Jr./ND
Novo documento dispensa uso de tintas e a foto é feita na hora

 

 

Em Joinville, a emissão da nova carteira começou em fase experimental há cerca de um mês pelo setor de identificação do IGP (Instituto Geral de Perícias). Primeiramente, o modelo passou a ser confeccionado para servidores do órgão, parentes e amigos dos funcionários. Nesta semana, o serviço foi aberto para toda a comunidade, com mais de 70 atendimentos feitos. De acordo com Rid Garcia dos Santos, coordenador do IGP, a substituição não é obrigatória. Os modelos antigos continuam valendo e sendo emitidos normalmente pela 2ª Delegacia Regional de Polícia Civil.

No novo modelo de RG, a emissão é totalmente digitalizada, sem uso de tinta para retirada de impressão digital e sem necessidade de levar fotos. O registro fotográfico é feito na hora e a impressão digital é feita através de um leitor biométrico. Os dados capturados são encaminhados pelo sistema do IGP para Florianópolis, onde a impressão do documento está sendo centralizada inicialmente. Em até 15 dias a carteira de identidade fica disponível para retirada pelo solicitante.

De acordo com Ângela Jurczyszyn, auxiliar criminalística do IGP de Joinville, com a nova forma de impressão os elementos de segurança como alto relevo e marca d’água, totalmente plastificados no modelo tradicional, agora ficam mais facilmente verificáveis. Foto, assinatura e as digitais do polegar ficam impressas no papel, cobertas por uma película protetora. O formato também muda, sendo aberto e com uma dobra no meio. “O novo modelo vem para facilitar a identificação dos elementos de segurança e diminuir as possibilidades de falsificações”, destacou Ângela.

Ampliação do serviço

Além de Joinville, cidades da região metropolitana de Florianópolis, como Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz e Biguaçú, também já recebem a nova carteira. Por meio de ações sociais, o governo está levando o novo documento para Jaraguá do Sul, Matos Costa e Timbó Grande. Segundo Rid Garcia, a proposta é levar gradativamente o novo serviço para outras cidades. “A modernização da carteira de identidade representa uma melhor qualidade no serviço para o cidadão”, avaliou.

A faixa etária para retirada da nova carteira fica entre sete e 60 anos. A emissão é gratuita na primeira vez, enquanto para 2ª via é cobrada uma taxa de R$ 22,20. Certidão de nascimento ou casamento, original ou em fotocópia autenticada, e CPF são os documentos obrigatórios para encaminhar o RG. O novo modelo ainda permite a inclusão do número do PIS/Pasep. A nova carteira está sendo emitida apenas pelo IGP, no bairro Boa Vista, das 13 às 17h. Posteriormente, a 2ª DP, junto ao Detran, na rua Blumenau, também deverá oferecer o serviço.

RIC ficou na gaveta

As melhorias na confecção da carteira de identidade ainda estão longe da praticidade do RIC (Registro de Identidade Civil), anunciado pelo governo federal em 2010. O novo documento, semelhante a um cartão de crédito, substituiria a carteira tradicional e unificaria dados do CPF, título de eleitor, carteira de habilitação e cartão do PIS/Pasep. As informações pessoais ficariam registradas num chip eletrônico e novos mecanismos de proteção garantiriam mais segurança.

A ideia era substituir gradativamente os modelos de papel em dez anos mas, após um período de testes em 2011 com pessoas selecionadas, o projeto esbarrou em problemas técnicos e não avançou. A mudança está sendo reformulada pelo governo, mas não há previsão de quando o modelo se tornará realidade. Com o RIC, cada cidadão passaria a ser identificado por um único número, válido em todo o país. Hoje, é possível obter números de identidade diferentes, conforme o estado em que é feito o registro.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade