Publicidade
Segunda-Feira, 12 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Mudanças no trânsito para implantação de anel viário geram transtornos na zona Leste de Joinville

Motoristas e usuários do transporte coletivo estão confusos com as alterações. Moradores reclamam do excesso de velocidade

Thaís Moreira de Mira
Joinville

As recentes mudanças no trânsito implementadas em algumas das principais ras da zona Leste de Joinville, por causa da implantação do anel viário na região, têm provocado dores de cabeça em moradores das vias secundárias para onde o tráfego sentido Centro, ou aos bairros Jardim Iririú e Aventureiro, acabou desviado.

 

Carlos Junior/ND
Aumento no fluxo de tráfego está provocando congestionamentos na rua Senador Rodrigo Lobo


No fim da tarde de segunda (14), por exemplo, incomodados com a situação, os moradores da rua Senador Rodrigo Lobo decidiram fechar por cerca de duas horas o acesso à via. Eles chegaram a atear fogo em pedaços de madeira para mostrar à Prefeitura que reprovaram as modificações realizadas no contorno.

Desde a última sexta (5), quando a rua Iririú passou a ser mão única em direção ao Centro, a partir da rua Tuiuti, praticamente todo tráfego que seguia para os bairros Iririú, Jardim Iririú e Aventureiro agora passa pela Senador Rodrigo Lobo. O congestionamento no local por volta das 18h, segundo moradores, ultrapassa os 500 metros. O problema se agrava quando o semáforo na rua Cegonhas está fechado.
Segundo a auxiliar de professora Cristina Sauerbeck, 53 anos, o problema maior não é o movimento intenso, mas a imprudência dos motoristas. Ela afirma que, como na rua não há lombadas, semáforos, ou redutor de velocidade, é comum os mais apressadinhos abusarem da velocidade.

“O problema não é o trânsito, isto tudo bem, todo mundo tem direito de ir e vir, mas ninguém respeita nada. A placa de velocidade máxima indica 40 km/h e eles passam a 80 km/h, virou uma pista de corrida”. Cristina também enfatiza que apenas nos últimos quatro dias já aconteceram três acidentes na Senador Rodrigo Lobo. Um deles, na noite de sábado (4), foi grave. Cristina lembra que duas funcionárias de um restaurante próximo à sua casa deixaram o serviço de carro e pararam no meio da pista para converter numa rua à esquerda. O Gol dirigido por Jonecir Pereira Claudino, 26, tentou ultrapassar pelo canto direito para seguir viagem, porém acabou colidindo na lateral do outro veículo.

“O rapaz bateu na lateral do carro delas e acabou capotando, foi parar no muro da vizinha. Eu escutei o barulho forte, meu filho é bombeiro e mandou eu nem ir ver porque o rapaz do carro já estava morto”, detalha.  Jonecir foi resgatado pelos Bombeiros Voluntários e levado ao Hospital Municipal São José. Ele, segundo assessoria de imprensa da unidade, sofreu um traumatismo craniano e segue sob observação da neurologia.

Transporte coletivo

Não são apenas os motoristas que trafegam pelas ruas Albano Schmidt e Iririú que estão desorientados com as mudanças no tráfego da região. Os usuários do transporte coletivo também têm problemas. Cristina Sauerbeck diz que antes das alterações feitas o ônibus da linha Portinho passava pela rua Senador Rodrigo Lobo, tanto sentido bairro, quanto Centro. Agora, o ônibus segue somente na direção do bairro. “Só está passando por aqui o Jardim Iririú, que vai para o bairro, mas não volta. Quem precisa pegar ônibus para o Centro tem que andar até a rua Frontin.”

Ela conta que é comum flagrar usuários desavisados sobre a mudança de itinerário esperando no ponto de ônibus do lado esquerdo da rua Senador Rodrigo Lobo. “Outro dia deu até pena, era 10h da noite e tinha uma pessoa esperando ali com as bolsas. Fui avisar”, recorda Cristina. O mesmo problema de falta de informação acontece com os usuários que aguardam ônibus nos pontos da rua Albano Schmidt, no perímetro do Hospital Regional.  Edite Schulz Gonçalves, 46, e a sogra Lídia, 71, demoraram mais de uma hora para descobrirem onde precisavam esperar o ônibus.

“A gente sempre pegava na rua Papa João 23 o linha direta para o Bom Retiro, onde moramos. Mas ficamos quase meia hora esperando lá e nada, até que alguém disse que agora precisa vir pegar aqui, na Albano Schmidt”, diz Lídia. Ela e a nora foram até a Albano Schmidt, porém ignoraram que a rua agora é mão única sentido ao bairro Iririú e estavam esperando o coletivo do lado errado da via.
Morador da rua Vesúvio, Jorge Luiz Machado, 55, revela que este tipo de situação tem sido bastante comum nos últimos dias. “Sempre tem alguém esperando naquele ponto, só que o ônibus não para mais ali. Quando a gente vê alguém vai avisar.”

Finalização

O trânsito na zona Leste de Joinville deve melhorar após a implantação do anel viário na região, é o que acredita o Ippuj (Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville). Além do tráfego, os usuários do transporte coletivo também serão beneficiados, conforme o engenheiro Gilson Perozin, gerente de Mobilidade e Acessibilidade do órgão.

No caso específico da rua Senador Rodrigo Lobo, ele explica que principalmente os moradores de bairros como o Iririú, acabaram ganhando linhas a mais de ônibus com a mudança.

“A linha que antes era do Portinho passou a ser do Iririú, ou seja, dobrou o número de linhas naquele bairro. A oferta melhorou, a frequência com que o coletivo passa por ali aumento 66%”.
Já para que os moradores da rua Senador Rodrigo Lobo não precisem andar mais de 500 metros até o ponto de ônibus, como ocorre no momento, a ideia do Ippuj é abrir um terreno na rua das Gaivotas para criar um atalho até a rua Coronel Vieira. Assim, os usuários do transporte coletivo não terão a necessidade de fazer o contorno pela rua Tuiuti.

Sobre a questão do trânsito, Perozin é ainda mais enfático. “O trânsito naquela região vivia congestionado e deixar como está não ia resolver a situação. Ali a única forma de dar fluidez para o tráfego e segurança é implantando o anel viário”, garante.

“Nos últimos anos analisamos várias possibilidades para melhorar o transporte, o tráfego e a segurança do pedestre. Algumas acabaram descartadas”, disse Perozin.

Previsão de término

A implantação do anel viário na zona Leste deve, caso não chova, ficar pronta até o fim de julho. O cronograma elaborado pelo Ittran (Instituto de Trânsito e Transporte) prevê que o processo seja realizado em três etapas. Na primeira, a rua Albano Schmidt foi transformada em mão única sentido bairro. Depois, na segunda etapa finalizada dia 6, a rua Iririú também passou a ser mão única, mas em direção ao Centro. O próximo passo será a colocação de um semáforo na esquina das ruas Presidente Heuse e Coronel Vieira, e outro na Guaíra com a Iririú.

Para Gilson Perozin, a instalação do semáforo naquele trecho irá garantir, além de fluidez do tráfego, segurança para travessia de pedestres e ciclistas. “Ali não tem uma malha viária homogênea, a mão única vai simplificar para os carros nas interseções, para os pedestres e ciclistas. Vamos implantar ciclofaixas, que hoje não existem”. Após a colocação dos semáforos, que deve ficar pronta até o próximo dia 20, a rua Papa João 23 passará a ser mão única sentido Centro.

Com o anel viário completo, o Ippuj começa então a estudar a situação das ruas periféricas. “Depois de instalar todo o anel viário começamos a atender as vias perimetrais. Vamos fazer a experiência de um mês e depois as mudanças pontuais”, adianta Perozin. Este é caso da rua Senador Rodrigo Lobo, que até a implantação do anel viário não receberá qualquer modificação. Porém o engenheiro acredita que só a instalação do semáforo na esquina das ruas Presidente Heuse e Coronel Vieira já irá provocar uma queda no fluxo de veículos.

Outra situação é a da rua Vesúvio, que recebeu todo o trânsito no sentido Centro- Hospital Regional. O fluxo da via, junto com os das ruas Egito e Miquerinos desemboca na rua Pasteur. “Não foi só o número de carros que aumentou, o de caminhões também. O trânsito que antes ia pra Papa, do hospital, vem tudo pra cá. Acumulou tudo aqui, está perigoso até para atravessar”, se queixa o morador Jorge Luiz Machado.

De acordo com Perozin, a Pasteur, que hoje é mão dupla, deve se tornar mão única em breve. Só não está decidido em qual sentindo.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade