Publicidade
Quarta-Feira, 19 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 17º C

Movimentação na beira do campo também chama atenção no futebol amador de Joinville

Copão Kurt Meinert dá início à terceira rodada com 25 jogos neste fim de semana

Redação ND
Joinville
Fabrício Porto/ND
Um bloquinho e uma prancheta são companheiros de Rodrigo Martins, técnico do 3 de março

 

Durante o jogo entre as duas equipes, não havia em campo quem gritasse mais do que o técnico Rodrigo Martins, comandante do 3 de Março. E o vocabulário utilizado não era para qualquer um entender. Entre as expressões utilizadas por ele estão “morde”, que significa não dar espaço para a jogada do adversário que está com a bola, e “vai rachando”, para o zagueiro mandar a bola para longe da área.

Ficar rouco após a partida já é normal, segundo Martins. “Como não temos tempo para treinar, já que todos trabalham durante a semana, eu passo as instruções na hora do jogo também e é uma maneira de deixar o time ligado em campo”, contou ele. Mesmo com os gritos, o técnico é querido pelos atletas do 3 de Março: no único gol marcado pelo time, todos os jogadores foram abraçar o comandante.

Além de gastar a voz passando orientações aos jogadores, Martins tem outra particularidade em campo: usa um bloquinho para anotar as características do time adversário e uma prancheta para preparar as estratégias de sua equipe. Mesmo adotando estas práticas, o time de Martins não conseguiu bater o Joinville United no jogo de sábado. “Já é nossa segunda derrota e a partir de agora não podemos mais perder”, afirmou.

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade