Publicidade
Segunda-Feira, 19 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 18º C

Motorista que matou procurador e engenheiro é preso sob acusação de duplo homicídio doloso

Felipe dirigia uma Mercedes C180 quando ocorreu o atropelamento que matou o procurador de Justiça Aor Steffens Miranda e o engenheiro João Carlos Schultz

Colombo de Souza, com informações da RIC TV
Florianópolis
02/09/2017 às 11H29

O motorista Felipe Silva Pereira, 35, foi preso nesta sexta-feira (1) sob acusação de duplo homicídio doloso e embriaguez ao volante e deve ficar na Central de Polícia de São José aguardando vaga no sistema penitenciário. Por volta das 22h, ele se apresentou na 2ª Delegacia de Polícia e prestou depoimento ao delegado, acompanhado da família e também do advogado Frederico Goedert.

Felipe dirigia uma Mercedes C180 quando ocorreu o atropelamento na avenida Beira-Mar de São José, que matou o procurador de Justiça Aor Steffens Miranda, 50, e o engenheiro João Carlos Schultz, 36. Antes de prestar esclarecimentos ao delegado Fabiano Ribeiro, o jovem estava sob custódia da Polícia Militar e preferiu não comentar o caso. Ele passou o dia no Hospital Regional por conta da fratura no ombro e no joelho provocados por conta do acidente.  

Felipe Silva Pereira, 33, dirigia o carro no momento do atropelamento - Reprodução
Felipe Silva Pereira, 35, dirigia o carro no momento do atropelamento - Reprodução


O advogado, declarou em entrevista ao repórter Sérgio Guimarães, da RICTV, que não concorda com a posição do delegado de indiciamento por duplo homicídio doloso. “Não concordamos. Existe sim, um acidente de trânsito com resultado trágico”, afirmou enquanto aguardava a chegada de Felipe para depor na delegacia. (Veja o vídeo)

>> Procurador de Justiça e amigo morrem atropelados na Beira-Mar de São José




Conforme o Copom (Centro de Operações da Polícia Militar), a ocorrência foi registrada por volta das 2h20. As vítimas estavam conversando na calçada após um jogo de futebol. Elas foram atingidas pelo veículo desgovernado em alta velocidade, e foram arrastadas por uma distância de 60 metros. As primeiras informações são de que Felipe, estava visivelmente embriagado. No entanto, o advogado afirma que “até o momento não há provas nos autos e que tudo será esclarecido oportunamente.”

O pai de Felipe, Wilton Braz Pereira, contou que o filho estava com o irmão, Ricardo, voltando para casa, e passaram para comprar um lanche.  Ele lamentou o acidente e disse se "tratar de uma fatalidade muito grande".

"O Felipe é um menino maravilhoso, é só ver o histórico dele desde o Exército até os dias de hoje, pelas empresas onde ele passou, pelo ciclo de amizade. Pode fazer uma enquete para ver o que é o Felipe [...] Em momento nenhum, eles iriam expor a vida dele e do irmão em risco. Então neste sentindo, a gente afirma que foi uma fatalidade, um acidente de trânsito e que tudo se esclareça o mais rápido possível”, disse. (Veja o vídeo)

Leia mais:
>> Procurador de Justiça e engenheiro mortos em atropelamento são velados em Florianópolis

>> Homem que atropelou procurador e engenheiro em São José responderá por homicídio doloso

Velocidade acima do permitido

A Mercedes C 180 estava em velocidade acima do permitido para a via. Os atropelamentos ocorreram às 2h16 dessa sexta-feira, conforme a câmera de vigilância do Beira Mar Gol, local de eventos onde as vítimas haviam participado de uma partida de futebol e de um churrasco enquanto assistiam ao jogo da Seleção.

De acordo com a Guarda Municipal de São José, a velocidade máxima permitida na avenida é de 60km/h, com redução nas curvas. Porém, tudo isto foi ignorado pelo condutor da Mercedes, Felipe Silva Pereira, 33, que perdeu o controle da direção do veículo e não conseguiu fazer o traçado. Ele subiu no meio fio em alta velocidade e atingiu em cheio Miranda e Schultz, que conversavam no passeio, em frente à quadra de futebol sintético. 

“A pancada foi tão forte que arrastou os dois por mais de 50 metros de distância. O veículo ainda continuou avançado pela grama de uma loja de departamento ali próximo e somente parou após bater na coluna e na porta de aço do estabelecimento comercial”, contou na polícia, Sérgio Ternes, um dos sócios do Beira Mar Gol.

Perícia realizada na sexta à tarde pelo IGP localizou garrafa com resto de cerveja dentro do carro - Flávio Tin/ ND
Perícia realizada na sexta à tarde pelo IGP localizou garrafa com resto de cerveja dentro do carro - Flávio Tin/ ND


Os dois air bags, da Mercedes, do motorista e do carona, abriram e amortizaram o impacto nos ocupantes. Além do condutor Felipe, também estava no carro o irmão Ricardo. Funcionários da quadra de futebol sintético e amigos das vítimas que estavam no churrasco correram para o local, mas nada puderam fazer.

Eles apenas acionaram a polícia e o Samu, pois os dois jovens da Mercedes estavam feridos. Agentes da Guarda Municipal de São José foram os primeiros a chegarem no acidente. Logo em seguida veio a Polícia Militar, uma viatura do Samu e o carro do Instituto Médico Legal.

Motorista recusou o bafômetro 

Os irmãos Pereira foram conduzidos ao Hospital Regional de São José. Felipe se negou a fazer teste de alcoolemia. Ambos passaram por baterias de raio-x e ultrassonografia. Os exames não acusaram nenhuma fratura. Felipe se negou a fazer testes de alcoolemia. Ambos passaram por baterias de exames. 

Enquanto o delegado da Central de Plantão Regional de São José, Alexandre Carvalho de Oliveira, aguardava o médico liberar o paciente, ouvia testemunhas e policiais militares que prestaram socorro. Antes de interrogar Felipe, o delegado adiantou que, pelas circunstâncias em que ocorreu o acidente, o motorista iria ser autuado em flagrante por duplo homicídio doloso e embriaguez ao volante. “Temos informações que eles teriam vindo de um bar”.

Durante a inspeção na Mercedes C 180, em frente a Central de Plantão Regional de São José, já à tarde, técnicos do Instituto Geral de Perícia recolheram uma térmica de um litro, onde havia resto de cerveja.

Reforço na segurança 

A violência do duplo atropelamento assustou a secretária municipal de Segurança Pública de São José, Andrea Pacheco. Ela informou que na reunião mensal do GGI (Gabinete de Gestão Integrada) da prefeitura, prevista para a semana que vem, vai levar como sugestão a implantação de redutores de velocidade, intensificação de blitz da Lei Seca ou outros mecanismos de segurança para a avenida.

Desde que a Beira-mar de São José foi inaugurada, há cerca de 17 anos, estes foram o segundo e o terceiro acidentes fatais. O primeiro teria ocorrido após a inauguração, num evento de motocicleta.

Aor e João Carlos foram atingidos pelo carro na frente da quadra de futebol onde jogaram - Flávio Tin/ ND
Aor e João Carlos foram atingidos pelo carro na frente da quadra de futebol onde jogaram - Flávio Tin/ ND




Publicidade

8 Comentários

Publicidade
Publicidade