Publicidade
Terça-Feira, 21 de Agosto de 2018
Descrição do tempo
  • 16º C
  • 11º C

Moradores do José Mendes querem lombadas para conter excessos no trânsito de Florianópolis

Ao driblar os congestionamentos no túnel Antonieta de Barros, os motoristas abusam da velocidade na rua Jerônimo José Dias para compensar o aumento do percurso

Michael Gonçalves
Florianópolis
17/07/2018 às 21H08

Com a inauguração do túnel Antonieta de Barros em 2002, o bairro José Mendes, região central de Florianópolis, virou um deserto em relação ao movimento de veículos. Em compensação, a falta do fluxo intenso resultou em outro problema para os moradores da rua Jerônimo José Dias: o excesso de velocidade. Aos 68 anos, a pensionista Célia Machado não sabe mais a quem solicitar uma lombada, uma lombofaixa ou um redutor de velocidade. O último acidente com danos materiais aconteceu há três meses, quando um motociclista perdeu o controle da moto e colidiu contra o portão da casa de Célia.

Paulo (à esq.), José, Célia e Hilda pedem instalação de lombada ou redutor de velocidade na rua Jerônimo José Dias - Marco Santiago/ND
Paulo (à esq.), José, Célia e Hilda pedem instalação de lombada ou redutor de velocidade na rua Jerônimo José Dias - Marco Santiago/ND


Para driblar os congestionamento no túnel e cortar caminho em direção ao Centro ou ao Sul da Ilha, centenas de motoristas abusam da velocidade com o objetivo de compensar o caminho mais longo. “A rua faz um tipo de ‘s’ e os condutores imprudentes aceleram e invadem a pista contrária. Até os ônibus andam rápido demais por aqui. Já tive que reconstruir o muro por duas vezes e há três meses paguei R$ 3 mil para recuperar o meu portão, que foi destruído por um motoqueiro”, contou a pensionista, que reside no bairro há 40 anos.

Ao invés de uma lombada, os moradores ganharam uma faixa de pedestres, há mais de dois anos. A sinalização, que deveria ser respeitada pelos motoristas, acaba não surtindo o efeito esperado no dia a dia. Com dificuldade para atravessar a rua em função das limitações físicas, o aposentado José dos Santos Melo, 81, teme pelo pior.

Sem uma faixa exclusiva para as bicicletas no túnel, os ciclistas também são alvos da imprudência. “Durante os 15 anos que resido na rua Jerônimo José Dias, presenciei dezenas de acidentes pelo excesso de velocidade. Uma vez um homem teve parte da perna amputada pela violência do acidente. Precisamos de uma solução urgente, antes que alguém seja mais uma vítima do trânsito”, suplica a professora Hilda Rodrigues, 54, casada com o técnico de laboratório Paulo Roberto Cardoso, 59.

Prefeitura instalou cerca de 80 lombadas neste ano

Para colocar uma lombada ou lombofaixa em uma rua ou avenida alguns critérios devem ser observados, segundo o diretor da Diope (Diretoria de Operações do Sistema Viário), Fabrício Justino. Desde o início deste ano, a Prefeitura de Florianópolis instalou cerca de 80 lombadas e lombofaixas no sistema viário da Ilha e no Continente.

Justino prometeu visitar a região da rua Jerônimo José Dias e conversar com os moradores para ouvir as necessidades. “Recebemos inúmeros pedidos diariamente para a colocação de lombadas e lombofaixas, mas precisamos analisar a situação de cada localidade. O fluxo de pedestres e ciclistas, a largura e o comprimento da via, assim como a existência de calçada e pontos de ônibus, interferem na decisão. Independente disso, um funcionário vai ao local para estudar o local”, disse. Mesmo a distância, Justino comentou que existe a possibilidade de colocar uma lombofaixa, porque a faixa de segurança está muito distante do ponto de ônibus.

Publicidade

3 Comentários

Publicidade
Publicidade