Publicidade
Quinta-Feira, 20 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 23º C
  • 18º C

Joinville vai sediar evento voltado para negócios inovadores

Empreendedores da Startup Weekend terão 54 horas para compartilhar ideias e aprender sobre modelo de negócio

Suellen Dos Santos Venturini
Joinville

Negócios inovadores, propostas criativas e empreendimentos não raramente feitos com pouco investimento financeiro. Esse é o conceito das startups. O termo (“start” e “up” “começar”e “acima” em inglês) é usado para classificar novas empresas com essa cultura, que vêm se popularizando no mundo todo desde 1990. Em tempos de crise econômica, é também uma pedida para quem quer começar um negócio e não tem como investir no modelo de empresas tradicionais ou competir com quem já está consolidado no mercado.

Para quem quer conhecer mais sobre startups ou testar suas ideias de empreendimentos, Joinville sedia no fim de semana, pela primeira vez, o Startup Weekend. No evento, que começa na sexta (26), equipes vão criar modelos de novas empresas, que vão ser avaliadas por empreendedores e designers. Serão 54 horas para compartilhar ideias e aprender sobre esse modelo de negócio.

Em Santa Catarina, o Startup Weekend já foi realizado quatro vezes em Florianópolis e uma vez em Jaraguá do Sul. As inscrições para a edição de Joinville estão abertas e os ingressos são vendidos a partir de R$ 100.

A cidade não foi escolhida para sediar o Startup Weekend por acaso. Segundo Alexandre de Souza, gerente do programa StartupSC, do Sebrae SC, um dos organizadores do evento, Joinville é um dos locais do Estado que tem se destacado em empreendedorismo.

“Santa Catarina já tem um papel privilegiado nacionalmente no setor de tecnologia, com empresas de diferentes portes, incluindo aí startups. Hoje, são cerca de 350 startups identificadas. Em termos meramente econômicos, elas podem não ter o peso de um empreendimento grande, como a WEG, mas as startups representam uma aposta no futuro. O que hoje é uma boa ideia, amanhã poderá se tornar a próxima grande empresa catarinense”, disse Souza.

 

Fabrício Porto/ND
Fábio Schubert Gelbcke (esquerda), Daniel Tutida e Felipe Callado criaram uma plataforma digital para a contratação de artistas

 

O joinvilense Fábio Schubert Gelbcke, 22 anos, mora na França, onde se especializa em informática. Felipe Callado, 30, mora em Joinville e trabalha no ramo imobiliário. Tem também uma empresa de eventos e é DJ. Daniel Tutida, 28, também trabalha no ramo da música. Tem uma agência de artistas e é designer,  mora em Curitiba, no Paraná. Os três amigos têm interesses em comum, mas seria possível, com a distância e a rotina de cada um, montar uma empresa que demandaria horas de trabalho todos os dias? Sim.

Em dezembro do ano passado, os empreendedores colocaram no ar o Gigloop, uma plataforma digital para a contratação de artistas no mundo todo. O site funciona como um banco de dados inédito, que facilita a conexão entre contratantes, artistas da cena musical e agências.

Normalmente, para contratar um DJ ou uma banda, o realizador do evento enfrenta uma busca de informações junto à agência do artista. Datas disponíveis para shows, formas de pagamento e assim por diante. Com o Gigloop, o processo que durava dias, com troca de emails ou telefonemas, é feito em alguns cliques. É como procurar hospedagem ou voos em sites especializados.

“A ideia do Gigloop surgiu justamente pela dificuldade que a gente sempre tinha em trazer os artistas para os eventos. Surgiu com o Daniel me ligando e dizendo que teve uma ideia e queria conversar comigo”, contou Felipe Callado. Em cerca de um ano e meio, junto com Fábio, os amigos montaram a Startup sozinhos. “Cada um tem uma habilidade específica que se completa. A gente busca algumas pessoas fora, amigos que investiram outras empresas ou que já foram conselheiros de outras empresas, que são nossos mentores, mas que não trabalham diretamente na empresa. Só dão algumas dicas”, comenta Fábio Schubert Gelbcke.

Sem escritório, os amigos usam a internet para resolver os assuntos pendentes. “Lá (na França) a gente está três horas na frente agora, mas no verão são cinco, então a gente fica conversando até de madrugada, eles vão dormir às 2h, 3h, eu vou dormir às 5h”, contou Gelbcke. No futuro, eles pretendem trabalhar próximos, mas desde já o modelo de negócio está dando certo. Ainda na versão experimental, a plataforma já tem 80 usuários cadastrados e cerca de 880 na fila de espera, que deve começar a ser liberada dentro de um mês depois de aperfeiçoamentos.

Criada para a realizações de eventos no mundo todo, em março, um DJ alemão vem para o Brasil por meio da plataforma que reverte uma parcela das contratações para os criadores. Para Fábio, que estuda e acompanha a tecnologia no exterior, startups como essa no Brasil estão no caminho certo. “Eu vejo que mundialmente é um negócio que está se desenvolvendo. Nos países europeus agora estão aparecendo as aceleradoras de startups. E o Brasil, onde às vezes muitas coisas chegam depois, está criando seu próprio caminho”, disse Gelbcke.

Na visão dos criadores do Gigloop, para criar uma startup a necessidade do empreendimento precisa ser grande, a ideia deve ser dividia com outras pessoas e a dedicação tem que ser total. “Nunca acredite quando alguém fala que o cara montou o sitezinho e ficou rico. Porque não é assim. Ninguém vê o quanto do trabalho que tem atrás disso”, pontuou Callado. “O certo é não se preparar para uma corrida de velocidade, mais para uma de resistência”, comparou Daniel Tutida.

 

Como será o evento

O primeiro dia é reservado para os discursos dos projetos. Cada empreendedor tem um minuto para fazer seu discurso e assim cativar o interesse dos participantes. Todos os presentes votam e são escolhidas as melhores ideias, que serão implementadas durante o Startup Weekend.

Formam-se equipes que têm 54 horas para criar seus modelos de negócios, desenvolver as ideias escolhidas, envolvendo programação, design e validação de mercado. Há, durante o evento, duas sessões de mentoria, uma no sábado e uma no domingo, com mentores qualificados dispostos a auxiliar as equipes nas dificuldades de implementação e validação dos projetos.

Depois das 54 horas, no último dia do evento, todas as equipes têm oportunidade de apresentar seus projetos e os produtos criados. Os juízes designados, então, votam e escolhem as equipes vencedoras, com maior potencial de negócio e escalabilidade.

 

Serviço

O quê: Startup Weekend Joinville

Onde: auditório da Acij (Associação Empresarial de Joinville), na  avenida. Aluísio Pires Condeixa, 2550, bairro Saguaçu

Quando: começa na sexta-feira, 26 de fevereiro às 18h e vai até domingo (28) às 19h

Informações: site oficial,  http://bit.ly/SWJoinville e Facebook, https://www.facebook.com/swjoinville

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade