Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Câmara de Vereadores de Araquari tem nova eleição da mesa diretora

Justiça suspendeu processo alegando falta de proporcionalidade partidária na formação da chapa

Josi Tromm Geisler
Joinville
Brüning/Artes/ND

A Araquari terá nova eleição da mesa diretora da Câmara de Vereadores. A decisão é do juiz Gustavo Schwingel e atende a um mandado de segurança assinado pelo PSDB e PPS. Segundo a decisão, a eleição não respeitou a proporcionalidade partidária, ao formar uma composição com apenas dois partidos. Em 15 de dezembro do ano passado Fabiano Garcia (PSD) foi eleito presidente do Legislativo.

Nos cargos de vice-presidente, primeiros e segundo secretários foram eleitos Maria Denise Estringari de Almeida, Cristiano Bertelli e José lir Medeiros Cardoso, todos do PMDB. A sessão da Câmara de Vereadores naquele dia foi bastante tumultuada. O plenário estava cheio e o clima muito tenso. Diante desta realidade e questionando a proporcionalidade dos votos, a outra chapa, que indicou Mario Paulini (PPS) como presidente, ingressou na Justiça com um mandado de segurança.

A decisão em liminar foi assinada pela juíza Nayana Scherer, no dia 26 de dezembro. Na época, Paulini também alegou “compra votos”. “Terminando a eleição, no mesmo dia entramos com o pedido de impugnação. A Justiça foi feita e agora sou novamente candidato a presidente”, disse Paulini. A ação também é assinada por Paulino Sérgio Travasso, presidente do PSDB. Até dezembro, o presidente da Câmara era Márcio Corrêa (PSDB). Ele pouco fala sobre a ação.

Para Corrêa, que faz parte da chapa de Paulini, só resta deixar a Justiça avaliar toda essa situação. Já o vereador eleito, Fabiano Garcia, critica a postura dos colegas edis. “Entendemos que a eleição foi legítima. Com relação à decisão [da Justiça], me deixou bastante triste, pois o PSDB de Araquari está provando que não respeita a democracia. Uma das chapas não aceitou a decisão do plenário, que no meu entendimento é soberano”, avalia.

Garcia vai agora recorrer mais uma vez da decisão. “Vamos buscar nossos direitos na Justiça e fazer valer o que ocorreu no dia 15 de dezembro. Pretendemos derrubar o mandado de segurança, se não conseguirmos em Araquari, vamos a Florianópolis”, avisa. Em 15 de dezembro, Garcia venceu a eleição por seis votos a cinco. A Câmara de Araquari é composta por 11 vereadores.

Diante desta realidade, Garcia disse que pretende reunir o grupo de vereadores que o aprovaram como presidente para definir a próxima chapa. “Não será uma decisão apenas minha. Mas se formos obrigados a fazer novas eleições, serei candidato a presidente e os outros integrantes da mesa serão definidos com o grupo”, finalizou. Já a outra champa, que indicou Paulini como presidente, deve ser mantida.

De acordo com a determinação judicial, a eleição da nova mesa diretora deve ocorrer na primeira sessão legislativa de 2015, que ocorre no dia 2 de fevereiro, às 18h.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade