Publicidade
Quarta-Feira, 26 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

Homem que esquartejou jovem em Urubici assistiu a um filme de terror após o cometer o crime

Delegado Gustavo Murijo deu detalhes sobre a morte de Alice Rosa, 24 anos

Redação ND
Florianópolis
Reprodução/Facebook
Alice Rosa, de 24 anos, foi morta após um baile na cidade de Urubici

 

O delegado Gustavo Murijo, de Uribici, na serra catarinense, concedeu entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (6), para dar mais detalhes sobre o caso envolvendo a morte de Alice Rosa, 24 anos. A jovem foi morta com golpes de pedra e, posteriormente, esquartejada a golpes de facão na madrugada do último domingo (3). Os irmãos Cleiton das Chagas Muller e Henrique das Chagas Silva foram detidos e confessarem o crime, que teria sido motivado após Alice ter rejeitado ter relações sexuais com Cleiton.

No depoimento, o rapaz disse que estava bêbado naquela noite e, após um desentendimento, matou a jovem com golpes de pedra.

"Eles alegam estar arrependidos, mas não convencem, pois quem se arrepende de um crime brutal deste não vai dormir, como fez Cleiton, ou assistir a um filme de terror, como fez Henrique", disse o delegado.

O delegado aguarda o laudo do Instituto Médico Legal para verificar a suspeita de estupro ou tentativa antes da morte.

O crime

A investigação da Polícia Civil chegou aos irmãos Chagas após interrogatório com conhecidos da vítima, que estavam no mesmo baile, na região conhecida por Baiano, em Urubici. Pessoas que frequentavam o salão disseram terem visto Cleiton retirar Alice do local utilizando-se de força física, colocando a jovem no veículo. De acordo com Morijo, uma hora depois o rapaz teria voltado sozinho para buscar o irmão.

Ainda no domingo, quando peças femininas de roupa manchadas de sangue foram encontradas nas margens do Rio Urubici, a polícia deu início à investigação. Desaparecida desde sábado, a Polícia passou a suspeitar da morte de Alice. Um primo da jovem, que teria ido ao baile com ela, além de um ex-companheiro, foram interrogados e descartados como responsáveis pelo desaparecimento.

Depois de colher informações com pessoas que estavam na festa, o delegado pediu a prisão temporária de Cleiton e Henrique, que confessaram em detalhes o crime.

"Os envolvidos levaram Alice, já morta, até a casa deles, onde retiraram os membros superiores e inferiores, além dos seios. Dividiram as partes do corpo em dois sacos e depois rumaram até a Serra do Panelão, na SC-410, onde jogaram o corpo em um matagal", contou Murijo.

O delegado aguarda agora o laudo para finalizar o inquérito e adiantou que deve pedir pela prisão preventiva da dupla, que está detida na Unidade Prisional Avançada (UPA) de São Joaquim.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade