Publicidade
Segunda-Feira, 25 de Setembro de 2017
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 18º C

Homem acusado de matar a própria mãe diz que estava “possuído por entidade”, em São José

Gerente de banco Marcelo Antonio de Souza estava em tratamento psiquiátrico, licenciado do trabalho

Colombo de Souza
Florianópolis
17/05/2017 às 20H58

O gerente de banco Marcelo Antonio de Souza, 41 anos, capturado em Biguaçu pelo assassinato da mãe, Dulce Cléia de Souza, 60, disse à polícia que estava “possuído por uma entidade”. Em um depoimento desconexo ao delegado Rodolfo Serafim Cabral, da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso de São José, ele falou que via na sua mãe "uma bruxa, por isso teria que sacrificá-la para libertá-la deste feitiço". Na casa de praia do bancário, em Palmas, Governador Celso Ramos, o delegado encontrou um altar com imagens sacras, além de "vestígios de magia negra".

>> Polícia detém filho acusado de matar mulher no Dia das Mães, em São José

Conforme o delegado, Marcelo estava em tratamento psiquiátrico, licenciado pelo banco, e deveria retornar ao trabalho no dia 10 de maio. Ele passou a ter alteração de comportamento após o filho de 15 anos ser assassinado por motivo fútil, em 2015.

Ainda de acordo com o policial, o bancário estava “virado” pelo efeito da cocaína desde quinta-feira (11), três dias antes de praticar o crime. A mãe dava conselhos para ele largar o vício das drogas. “No domingo (14), Marcelo pegou o carro e foi à casa da mãe, em Barreiros, São José, com o primo Claudemir de Souza. Dulce estava na casa da vizinha, mas foi ao encontro do filho e pediu um abraço. Foi neste momento que ele a esfaqueou”, contou o delegado.

Um primo tentou contê-lo, mas ficou ferido nos punhos e nas costas. Apesar dos ferimentos, Claudemir conseguiu desarmar Marcelo. O agressor fugiu num Citroën C4 Pallas. Nesta quarta, ele foi localizado pela Polícia Militar quando caminhava na região de Três Riachos, uma área rural de Biguaçu, e foi conduzido à delegacia. Até o final desta tarde, o bancário continuava na especializada, na condição de detido. O delegado aguardava a manifestação da Justiça sobre o pedido de prisão temporária.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade