Publicidade
Sábado, 17 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Gasto médio este ano com presente para o Dia dos Pais no Estado supera o registrado em 2015

Tíquete médio nas lojas catarinenses ficou em R$ 170,27, resultado 7,9% superior ao registrado no ano passado

Redação ND
Joinville

A primeira data comemorativa do varejo no segundo semestre foi de presentes mais caros e volume de vendas enxuto para os empresários em Santa Catarina. O tíquete médio nas lojas catarinenses ficou em R$ 170,27, resultado 7,9% maior do que 2015, embora o ganho real tenha sido menor do que a inflação do período (8,74%).

 

Divulgação/ND
"o alento é que os indicadores já apontam para um melhor desempenho e a recuperação da confiança dos consumidores e dos empresários para o fim deste ano”, explica o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt

 

De acordo com a pesquisa de resultado de vendas realizada pela Fecomércio SC (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina) e a Federação das CDLs (Câmaras de Dirigentes Lojistas) de Santa Catarina, o faturamento teve recuo de 10,9%, em relação à mesma data do ano anterior. Já na comparação com os demais meses do ano, o crescimento foi de 2,8%.

O resultado no volume de vendas já era esperado pelo setor, de acordo com o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt. “A queda do poder de compra dos catarinenses, dado o aumento do desemprego e a inflação elevada, atinge em cheio o comércio. Mas o alento é que os indicadores já apontam para um melhor desempenho e a recuperação da confiança dos consumidores e dos empresários para o fim deste ano”, pondera. “O segundo semestre terá resultados mais positivos para o varejo, e o dia dos pais já indica nesta direção”, confirma Ivan Tauffer, presidente da FCDL/SC.

Outro dado revelador da data é o impacto no mercado de trabalho: este ano, 5,3% dos empresários contrataram temporários para atender a demanda do período.

Entre as principais formas de pagamento, o cartão de crédito foi o mais usado: parcelado (45,58%) e à vista (21,63%), somando 67,21% das vendas. A pesquisa de preços - uma das principais estratégias para garantir a melhor relação entre custo e benefício - teve baixa adesão (48%), conforme informações dos empresários.

Os dados foram obtidos com empresários nas cidades de Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Joinville, Lages e Itajaí.

Avaliação do consumidor

Outro indicador apurado pela Fecomércio SC e a FCDL/SC é a Avaliação do Consumidor, que pondera a experiência de compra desde o atendimento até as características do produto escolhido.

De acordo com a pesquisa, 71,3% dos consumidores entrevistados na Intenção de Compras comprou o presente, mas o percentual de desistência aumentou- passando de 17,4% em 2015 para 28,7% em 2016 -, o que pode estar relacionado às atuais condições da renda, da inflação e do acesso ao crédito, que corroeram o poder de compra das famílias.

Os segmentos do vestuário (51,4%), seguido por calçados (15,5%) e perfumes/cosméticos (12,5%) lideraram a preferência, no entanto, o maior gasto médio foi com eletroeletrônicos (R$ 469,77). Os principais destinos das compras em Santa Catarina foram as lojas do comércio de rua (69,9%) e os shoppings (22%).

Levando em conta a agilidade no atendimento, cordialidade do atendente e clareza de informações fornecidas, os consumidores atribuíram a nota 8,7 para o atendimento.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade