Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 17º C

Festival de Dança de Joinville terá apresentação de conto de fadas nesta segunda-feira

Cinderela. Balé Teatro Guaíra apresenta releitura do clássico dos irmãos Grimm na Noite de Gala do Festival

Windson Prado
Joinville

A clássica história da gata borralheira que se apaixona pelo príncipe encantado e vive seu conto de fadas como Cinderela, foi atualizada, e ressurge em uma forma moderna, agora contada pelos pés dos bailarinos do Teatro Guaíra. A tradicional e premiada companhia de dança paranaense sobe nesta segunda (25) ao palco do Centreventos Cau Hansen, como convidada especial para a Noite de Gala do 34º Festival de Dança de Joinville. O espetáculo começa às 20h.

Divulgação/ND

 

A montagem de dança contemporânea do Guaíra é baseada no clássico conto dos Irmãos Grimm e recebeu coreografia do espanhol Gustavo Ramirez Sansano – ex-diretor artístico do Luna Negra Dance Theater, de Chicago. O espetáculo estreou em 2014, quando o Balé Teatro Guaíra completou 45 anos.

Com cenários de Luis Crespo e figurinos de Gelson Amaral, Cinderela foi transportada para as décadas de 50 e 60 do século 20, quando imperavam as saias rodadas e as mocinhas sonhavam com um milionário como seu príncipe encantado. A música é de Rossini, Strauss e Prokofiev, além de canções dos anos 50. O “príncipe encantado” vira playboy milionário, o castelo dá lugar a uma mansão, a carruagem-abóbora é um conversível e a busca pela amada é por anúncio na televisão. A apresentação tem duração de uma hora e conta com um elenco de 22 bailarinos.

Os ingressos para a apresentação do Balé Teatro Guaíra em Joinville estão esgotados. Mas a organização do evento diz que novos lugares podem ser disponibilizados na hora que antecede a apresentação. Isto porque alguns lugares foram distribuídos a parceiros do evento na modalidade de vales-ingressos. Estes tíquetes precisam ser trocados pelo ingresso original, na bilheteria do Centreventos, e sempre há desistências. Caso os vales-ingressos não forem trocados até 15 minutos antes do início do espetáculo, os lugares são vendidos ao público.

 

Apresentação pode ser a última

A apresentação que o Balé Guaíra faz em Joinville pode ser uma das últimas da companhia. Segundo informações publicadas no site e-dance.art.br, na semana passada, questões financeiras e administrativas estariam ameaçando o futuro da companhia. A publicação diz que na última quarta (20), durante ensaio aberto para mostrar os três novos trabalhos do grupo e anunciar a turnê que farão pela Alemanha os bailarinos leram uma carta de esclarecimento sobre o fato.

A questão envolve o Centro Cultura Teatro Guairá que abriga o Balé Teatro Guaíra, a Escola de Dança Teatro Guaíra e a Orquestra Sinfônica do Paraná. Ainda segundo o site “A companhia confirmou sua participação no 34º Festival de Dança de Joinville e na abertura da 13ª Mostra Brasileira de Dança em Recife e espera poder cumprir com toda sua agenda, como a participação no Festival de Dança de Toledo, apresentações em oito cidades com a turnê de “Romeu e Julieta”, de Luiz Fernando Bongiovanni e a recém-anunciada turnê na Alemanha”.

Durante todo o fim de semana, a equipe de reportagem do Jornal Notícias do Dia tentou conversar com integrantes da companhia para saber mais detalhes sobre o fato, mas ninguém foi localizado para comentar a situação.

“Primeiramente gostaríamos de agradecer a presença de todos vocês, público fiel que acompanha a trajetória do Balé Teatro Guaíra. Fundado em 1969, é hoje uma das mais importantes companhias de dança do Brasil. Por mais de 40 anos vem criando um repertorio de mais de 130 coreografias assinadas por artistas de renome internacional como Maurice Bèjart,Tatiana Leskowa, Rodrigo Pederneiras, Olga Roriz, Henrique Rodovalho, Gustavo Ramirez e tantos outros.

Atualmente a Cia apresenta um repertório focado na diversidade da dança contemporânea. Com a atual direção de Cintia Napoli (2012) o Balé Teatro Guaíra traz propostas ousadas e autênticas, porém sem perder de vista a sua história. Além de novas produções anuais, da manutenção de seu repertório e da difusão de espetáculos de qualidade, a Cia valoriza projetos de acessibilidade à dança, formação de plateia e projetos de incentivo ao bailarino criador. É neste sentido que o BTG contribui com o fortalecimento e perpetuação dos bens culturais paranaense e nacional.

Hoje o Balé Teatro Guaíra é composto por apenas 1% de cargos estatutários. No último dia 4, no Tribunal de Justiça os 99% de cargos restantes da companhia foram votados e considerados inconstitucionais. Foram extintos. Desde 2014 foi aprovado, junto ao Governo do Estado do Paraná, o projeto Palco Paraná, com sua implementação a situação desses funcionários será regularizada e estes passarão a ser contratados como celetistas através de Serviço Social Autônomo. Do projeto inicial houve um corte de 50% do valor que atenderia as necessidades básicas para o funcionamento da companhia. Essa redução acarretará em diminuição salarial e corte de cargos essenciais, tais como: Diretor, ensaiadores, professores, pianista e fisioterapeuta. O que coloca em risco o número de cargos dos bailarinos, já que estes terão que ser utilizados para suprir essas funções indispensáveis. Impossibilitando continuar com a qualidade do trabalho que vem sido desenvolvido.

Outra preocupação é que as atividades do Balé Teatro Guaíra sejam interrompidas sem data prevista para retorno, caso a implementação desse projeto não seja concretizada com urgência. Sendo assim temos duas preocupações que hoje se fazem muito urgentes: uma é o hiato que poderá ocorrer devido ao prazo indeterminado para a liberação da verba solicitada, implementação da SSA e o processo seletivo para contratação desses artistas. E a outra é a falta do repasse da verba total para que se possa manter as condições mínimas de funcionamento de uma Companhia de dança do Estado.

Estamos vivendo um momento onde a arte e cultura tem um papel desesperadamente necessário. Precisamos cuidar e fortalecer, nos manter unidos e abrir possibilidades para que esta via artística continue existindo, já que sabemos da força do poder público para essa manifestação cultural na sociedade. A dança precisa encontrar meios de produção, pesquisa, difusão, formação, memória e circulação para que tenha sua total expressividade garantida pelas políticas culturais do poder público. E ressaltando que temos confiança no Governo do nosso estado e que o mesmo já está sensibilizado e motivado com a situação que nos atinge, artistas estatutários e não estatutários, como consequência direta da inviabilização das atividades do Balé Teatro Guaíra, mas que criará profundas cicatrizes no povo, público que se vê cada vez mais carente de produções, tendo seus direitos culturais negados (conforme artigo 215 da constituição federal)”

 

Ficha técnica: Cinderela

Coreografia: Gustavo Ramirez Sansano

Músicas: Gioachino Rossini / Johann Strauss Junior / Sergei Prokofiev

Figurino: Gelson Amaral

Cenário: Luis Crespo

Iluminação: Alexandre Dartagnan e Diego Bertazzo

Projeto Gráfico e Ilustrações: Gabriel Rischbieter

Cenários - supervisão e produção: Irineu Salvador e Mario Trojan

Arte – final plotagens: José Vitor Cit e Lucinete Vieira

Vídeo: Happy End Cine Video Ltda

Adereços Cênicos: Alfredo Gomes

Operação de Luz: Valdevino Guerreiro

Ensaiadoras: Rosi Viol

Assistente de Ensaio: Márcia de Castro Crédito: Carlos Poly

 

Serviço: 34º Festival de Dança de Joinville – Noite de Gala

O quê: espetáculo Cinderela

Quando: 25 de julho, às 20h

Onde: Centreventos Cau Hanse

Informações: Festival de Dança de Joinville

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade