Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Equipe do Ministério da Agricultura chega a São Francisco do Sul para fiscalizar estoques químicos

Alvos da operação são empresas que armazenam fertilizantes. Objetivo é evitar ocorrências de acidentes como o incêndio da semana passada

Thaís Moreira de Mira
Joinville

O Ministério da Agricultura, através da Superintendência Federal de Agricultura em Santa Catarina, iniciou na tarde desta quarta (2) a fiscalização de empresas que armazenam fertilizante em São Francisco do Sul. A chegada de técnicos do órgão era aguardada para até o início da tarde, uma vez que eles sairiam de Florianópolis. “Provavelmente iremos iniciar a fiscalização agora à tarde, provavelmente. Estamos aguardando a chegada dos técnicos para se reunir, compilar as informações e começar a traçar o direcionamento da fiscalização”, explica o Superintendente Federal de Agricultura, Luiz Gustavo Balena Pinto. 

 

Fabrício Porto/ND
Há 13 depósitos de fertilizantes em São Francisco do Sul registrados no ministério, explica Luiz Gustavo Balena Pinto

 

De acordo com ele, 13 depósitos de fertilizantes estão registrados no Ministério da Agricultura, na cidade. Ainda não foi definido se todos passarão por vistoria. Existe a possibilidade de que apenas alguns depósitos sejam submetidos à fiscalização. O objetivo principal, segundo Balena, é averiguar se as empresas, sejam aquelas que armazenam, manipulam ou fabricam fertilizantes, cumprem as normas determinadas pelo Ministério da Agricultura. 

O superintendente reforça que as empresas registradas já passam por fiscalização períodica. “Existe uma rotina de fiscalização, mas ela é feita por amostragem. Hoje, vamos com os técnicos visitar as empresas”. Será verificado se a empresa possui o registro em dia, ou seja, ele não está vencido, além das condições de armazenamento do produto. Balena garante que a empresa Global Logística e Transporte Ltda., onde no dia 24 de setembro parte de uma carga de 10 mil toneladas de fertilizante a base de nitrato de amônio reagiu, provocando um incêndio químico que cobriu o município de fumaça tóxica por quase 57 horas, tem registro no Ministério da Agricultura. O credenciamento foi realizado em meados de 2011 e garante à Global o direito de armazenar o produto. 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade