Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Julho de 2017
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 15º C

Eletricista baleado na cabeça, em Florianópolis, morre no Hospital Celso Ramos

Alexandre teria se desentendido com algumas pessoas no bar. Sobe para 106 o número de mortes violentas em Florianópolis este ano.

Colombo de Souza
Florianópolis
17/07/2017 às 15H38

O eletricista Rodrigo Alexandre Arbus, 28, atingido com um tiro na cabeça, em frente ao bar do Lageano, no bairro Tapera, Sul da Ilha, domingo à tarde (16) não resistiu os ferimentos e morreu na madrugada desta segunda (17) no Hospital Celso Ramos em Florianópolis. Com este crime sobe para 106 o número de mortes violentas em Florianópolis este ano em apenas sete meses incompletos, número superior ao de 2016. Durante todo o ano passado ocorreram 91 mortes violentas na Capital.

Nem todos os crimes contra a vida são motivados pela disputa de pontos de drogas entre facções criminosas estabelecidas na Capital. Algumas mortes ocorrem por motivos fúteis e brigas desnecessárias em bar, em meio a bebdeira. Como ocorreu no bar do Lageano, nesse domingo, onde o eletricista Alexandre foi morto com um tiro na cabeça.

De acordo com o delegado da Homicídios, Ênio de Oliveira Matos, Alexandre teria se desentendido com algumas pessoas, teria inclusive acertado um soco no rosto de uma mulher na frente do marido dela. Após a agressão, o eletricista teria apanhado e prometeu ir em casa buscar uma arma.

No retorno para o bar, o eletricista foi desarmado e atingido com um tiro na cabeça. Ele foi levado para o Hospital Celso Ramos, mas não resistiu os ferimentos. Morreu na madrugada.  

Parentes, inconformado, lamentaram a morte. Uma prima postou uma fotografia de ambos no Facebook, ressaltando a amizade: “A vida nos pôs em caminhos diferentes, mas eu nunca pude esquecer o quanto éramos amigos”.

De acordo com o delegado da Ênio de Oliveira, o autor do homicídio já foi identificado. O delegado agendou  uma data para ouví-lo na Delegacia de Homicídios da Capital.

Publicidade

3 Comentários

  • João
    O cidadão Jordão tá certo, esse guri era um mala morava no bairro carianos o pai dele Valmor Marcelino de Arbus e gente honesta ,Boa pessoa...se encomodava com esse traste,folgado não respeitava ninguém......o rapaz defendeu a sua mãe, pouco tempo atrás perdeu o esposo com câncer......esse mala foi tarde,agora o pai vai viver em paz......
    Jordao
    Não sou de ficar contra a policia e sei que "laranjas podres" tem em todos os lugares, sem contar essa mídia esquerdopata que insiste em defender bandido. Mas vacilaram feio nessa, esse cara era traficante, moro aqui na Tapera e não tenho medo de dizer, eu vi os policiais entrarem na casa dele e pegar o que pegaram, e falaram alguma coisa para a mulher dele, dando a entender que ela não se preocupasse. Não sei se a informação de que ele era eletricista foi dada pelos policiais, familiares ou se o jornal inventou. E outra coisa, a motivação do crime foi que, ele estava bêbado arranjou rolo com a dona do bar, ameaçou e bateu nela, então o autor do crime(filho da dona) esmurrou ele(Rodrigo Alexandre) que saiu do bar prometendo voltar e matar todos, quando voltou o bar já estava fechado e mesmo assim ele tentou invadir, então o autor do crime num ato de legítima defesa conseguiu tomar a arma de Rodrigo e felizmente matá-lo.
    • Nativo
      Legítima defesa! Deve ser absolvido. E aproveitem pra dar uma medalha à ele por bravura!
Publicidade
Publicidade
Publicidade