Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Julho de 2017
Descrição do tempo
  • 21º C
  • 14º C

Derrota por 7x1 na Copa influenciou no impeachment, dizem pesquisadores

Se de 2014 para cá todo dia foi um 7x1 para Dilma Rousseff na popularidade, economia e Congresso, isso tem a ver, sim, com o fracasso no Brasil na Copa, argumentam os economistas

Folha de São Paulo
São Paulo
20/03/2017 às 12H08

FERNANDA PERRIN

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - David Luiz só queria dar alegria pro seu povo, mas acabou dando um golpe (ou impeachment, a depender do lado da torcida) na presidente da República.

Se de 2014 para cá todo dia foi um 7x1 diferente para Dilma Rousseff na popularidade, na economia e no Congresso, isso tem a ver, sim, com o fracasso no Brasil na Copa, argumentam os economistas Eduardo Zilberman e Carlos Carvalho, este do Banco Central.

Economistas relacionam o 7x1 na Copa do Mundo com o impeachment de Dilma - Divulgação/ND
Economistas relacionam o 7x1 na Copa do Mundo com o impeachment de Dilma - Divulgação/ND

Ao cruzar a cronologia de eventos da última eleição presidencial com o movimento na Bolsa de Valores, os dois perceberam que o impacto sobre o mercado financeiro da derrota para a Alemanha foi semelhante sobre resultado apertado no primeiro turno.

Nos dois casos, os investidores anteciparam o enfraquecimento futuro da petista e o fortalecimento da oposição e precificaram isso nas ações. O vexame da seleção, portanto, foi também um choque político.

"A nossa hipótese é que já existia uma insatisfação latente com o governo que o 7 a 1 fez aflorar, e o mercado financeiro percebeu isso", diz Zilberman.

As manifestações de junho de 2013 e os efeitos da desaceleração econômica, que já começavam a ser sentidos, foram potencializados pelo mau desempenho no futebol -ainda que o governo não tenha nada a ver com esse campo.

De acordo com os professores da PUC-Rio, essa conexão entre esporte e política na cabeça do eleitor não é nova e nem exclusiva do Brasil. Pesquisadores nos Estados Unidos, por exemplo, já observaram que a vitória de times de futebol americano locais a poucos dias da eleição fortalece o atual incumbente nas urnas.

Do mesmo modo, em caso de derrota, os eleitores puniam o governante votando contra ele.

Dinâmica semelhante aconteceu com Dilma em 2014, defendem Carvalho e Zilberman. Ainda que a petista tenha vencido as eleições, a margem foi muito mais apertada do que mostravam pesquisas de opinião.

Isso porque o fracasso na Copa foi o golpe -ou impeachment- que faltava para amarrar as frustrações de quem já estava insatisfeito, de modo difuso, com a política e a economia.

Mas nada é mais concreto do que uma derrota por 7 a 1, na semifinal, jogando em casa, no país do futebol.

Por isso, a petista já entrou no segundo mandato com um cartão amarelo. Pouco depois, levou o segundo e foi expulsa do jogo.

1x7

E se Deus fosse top, como já disse Neymar em um celebrado tuíte antigo, e tivesse curado milagrosamente o jogador de sua lesão, liberando-o para jogar contra a Alemanha, invertendo o placar contra os europeus?

Nesse caso, é provável que o mercado financeiro teria antecipado um fortalecimento eleitoral da ex-presidente, diz Zilberman. Se a seleção tivesse levado a taça, a hipótese do pesquisador é que Dilma ganharia a eleição com uma vantagem maior.

Em um cenário mais realista, um placar menos humilhante -uma derrota por 2 a 1, por exemplo- teria diminuído em muito os efeitos da Copa sobre a disputa política, diz Zilberman. Não teria sido o choque que foi.

"Acho que a dramaticidade do fracasso, de alguma maneira, tirou o brasileiro da zona de conforto, o que pode ter desencadeado esses processos", afirma.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade