Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

Saiba como fazer para deixar parte do Imposto de Renda em Jonville

Projetos de instituições como o Bolshoi e o Fundo da Infância e Adolescência podem receber parte do seu imposto devido

Isabella Mayer de Moura
Joinville
Carlos Jr./ND
Somente 2,4% das doações captadas pelo Bolshoi, desde novembro, vieram de pessoas físicas 

 

“Para onde está indo o dinheiro que pago em impostos?” É o que muitos contribuintes brasileiros se perguntam devido à falta de transparência sobre o que é feito com o dinheiro arrecadado. Mas são poucos aqueles que lembram que, como pessoa física, podem destinar parte do Imposto de Renda a projetos que estão ocorrendo em sua própria cidade.

Para mudar esta realidade é preciso ter organização, boa vontade e seguir uma das opções que a Receita Federal apresenta. A primeira delas é a doação de 6% do imposto devido. Nesta modalidade, o contribuinte deve se programar e depositar o dinheiro na conta de um projeto que tenha a aprovação do poder público, do FIA (Fundo da Infância e Adolescência) ou do Fundo do Idoso. No ano seguinte, ele vai deduzir esse valor quando fizer a declaração completa do Imposto de Renda.

São poucos os cidadãos que optam por esta forma de incentivo e a explicação, segundo a diretora administrativa e financeira do Bolshoi, Célia Campos, é a falta de organização. “Geralmente elas não sabem o quanto terão de imposto devido no ano seguinte e preferem não doar a se arriscar a não conseguirem deduzir o valor integralmente.

Também existe o ônus de desembolsar o dinheiro no ano anterior e muitos não se programam”, conta. Para se ter uma ideia, das doações captadas pelo Bolshoi, de novembro do ano passado até agora, apenas 2,4% (R$ 28.300,00) foram obtidas por contribuição de pessoa física.

Outro caminho que o contribuinte pode seguir para garantir que parte do tributo continuará em sua cidade é destinar 3% do imposto devido ao FIA municipal no momento da declaração do IR. Por isso, quem não acertou as contas com o Leão neste ano ainda pode doar e abater este percentual. O prazo para envio das declarações é até quinta (30).

A contribuição é feita no próprio programa gerador da declaração do IR, que também já calcula o valor máximo que pode ser deduzido. Para isso, o delegado da Receita Federal em Joinville, Marcondes Witt, lembra que é preciso fazer a declaração completa.

Segundo ele, as doações podem ser feitas tanto por quem tem imposto a pagar quanto quem tem a restituir. “O cálculo é baseado no imposto devido, ou seja, antes das deduções de imposto retido na fonte. Mesmo quem vai receber a restituição pode doar e o valor será devolvido ao contribuinte no mesmo lote”, explica Witt.

 

Organização é palavra-chave

 

Um dos objetivos da Escola de Teatro Bolshoi neste ano é incentivar as pessoas a doarem parte de seu imposto de renda para o projeto da instituição. “Joinville tem um potencial muito grande. Seria possível arrecadar milhões se todos os contribuintes fizessem isso”, disse Célia Campos, diretora administrativa e financeira do Bolshoi.

Das doações que a escola recebeu de novembro até agora, R$ 1.156.060,00 são provenientes de empresas e somente R$ 28.300,00 de pessoas físicas. Para incentivar a captação de recursos por meio de doação dos cidadãos, Célia dá a dica: é preciso ter organização. “Com base no valor do imposto devido deste ano, o contribuinte terá uma base de como será o IR do ano seguinte e poderá calcular os 6%. Isso vai evitar que ele não consiga deduzir todo o valor na declaração do ano seguinte”, disse ela.

Outro conselho de Célia é dividir este valor para ir pagando ao longo do ano. “O contribuinte pode fazer um depósito por mês, a cada trimestre ou de uma vez só. Fica a critério dele a melhor maneira de fazer a doação sem pesar no bolso”, observa ela.

 

Manutenção do Bolshoi

A Escola de Teatro Bolshoi tem um projeto aprovado pelo Ministério da Cultura em novembro de 2014. Com ele, a instituição pode captar R$ 4.758.481,07 até 31 de dezembro deste ano. “Todo o ano fizemos um novo projeto de maneira que sempre possamos receber auxílio da população e das empresas”, observa Célia Campo, diretora administrativa e financeira do Bolshoi.

Este plano contempla todas as atividades que a escola desenvolve e é a segunda principal fonte de recurso da escola – a primeira é o apoio do governo estadual. Alimentos, salários dos funcionários, uniformes e outras despesas da instituição são pagas com o dinheiro das doações. “Se formos analisar, todo esse valor retorna para a sociedade de Joinville em forma de empregos, contratação de empresas daqui, compra de alimentos. Acaba gerando riquezas para a cidade”, afirma ela.

Para doar o IR ao Bolshoi, o cidadão deve fazer o depósito na conta corrente em nome do projeto “Escola do Teatro Bolshoi no Brasil: plano anual de atividades”. O contato com a escola pode ser feito pelo site da instituição, que vai passar o número da conta e agência bancária e depois emitir um recibo. Segundo Célia, não há valor mínimo para doação.

 

Semana Farroupilha

 

A criação da Associação Movimento Farroupilha de Joinville permitiu a criação de um projeto de captação de recursos para a realização da tradicional Semana Farroupilha na cidade. Segundo um dos colaboradores deste projeto, Francisco Schimiler Oliveira, o projeto foi aprovado pelo Ministério da Cultura e já está apto a receber doações de contribuintes. “O valor aprovado é de R$ 609.105,00 e temos até 29 de setembro para captar esse dinheiro”, conta ele.

A forma de doação é semelhante à da Escola de Teatro Bolshoi. O interessado em destinar até 6% do seu IR do ano que vem para este projeto pode entrar em contato com a associação pelo e-mail semanafarroupilha2015@gmail.com e um recibo também será emitido para a comprovação e abatimento na declaração de 2016.

“Foi difícil aprovar o plano, mas é ainda mais difícil fazer a captação do dinheiro. Até agora não conseguimos nada. Temos que alcançar pelo menos 50% do valor para que as doações sejam liberadas”, disse Oliveira. A Semana Farroupilha ocorrerá entre 13 e 20 de setembro, no Centro de Eventos Rancho Timbé, na Estrada Timbé, em Pirabeiraba.

 

Apoio à interação social

 

Roda Guia é o nome do projeto da Ajidevi (Associação Joinvilense para a Integração do deficiente Visual) que neste ano está recebendo R$ 29.144,00 em recursos do FIA (Fundo da Infância e Adolescência) municipal. A entidade é registrada no CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos das Crianças e Adolescentes) e por isso pode inscrever projetos para concorrer às verbas do FIA.

Com o recurso, a Ajidevi comprou sete bicicletas duplas e duas terapêuticas no início deste ano. Com o auxílio de ciclistas guias, os deficientes visuais podem experimentar pela primeira vez ou reviver a sensação de andar de bicicleta. “Além de ser uma atividade física, andar de bicicleta também é uma forma de interação social”, salienta Paulo Sérgio Suldovski, presidente da Ajidevi.

Neste ano, outros projetos foram contemplados com o FIA, como o “Terapia da Integração” do AMA (Associação dos Amigos dos Autistas) e “Fazendo eu Aprendo”, da IRPH (Instituto de Reabilitação do Potencial Humano). Cada projeto pode captar no máximo R$ 50.000,00. No ano passado, estavam disponíveis cerca de R$ 800.000,00 mas conforme o secretário executivo do CMDCA, Robson Duvoisin, os projetos aprovados somaram apenas R$ 550.000,00. “Todos os anos sobra dinheiro. Para o edital que deve ser lançado em junho deste ano a previsão é de R$ 1 milhão em recursos”, diz ele.

 

Para deduzir neste ano

 

É possível doar 3% do Imposto de Renda devido ao FIA (Fundo da Infância e Adolescência) municipal, estadual ou nacional e deduzir na declaração deste ano.

 

Para deduzir no ano que vem

É possível destinar 6% do imposto de renda devido ao FIA, Fundo do Idoso, incentivo à cultura, atividade audiovisual, projetos desportivos e paradesportivos, PRONON (Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica) e PRONAS (Programa Nacional de Apoio à Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência). A dedução será efetivada na declaração do ano seguinte. É preciso guardar os comprovantes de depósitos.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade