Publicidade
Terça-Feira, 20 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Baleias-francas semi-albinas são avistadas no litoral de Santa Catarina

Ao todo, foram registrados 45 animais no primeiro voo de monitoramento realizado durante a temporada de reprodução

Redação ND
Florianópolis

Duas baleias-francas semi-albinas foram avistadas nessa quinta-feira (18) no primeiro voo de monitoramento realizado durante a temporada de reprodução no litoral catarinense. No total, 45 animais foram registrados por biólogos do projeto Baleia Franca entre Florianópolis e Torres (RS): 22 eram pares de mãe e filhote e 23 estavam sem companhia de filhotes.

Projeto Baleia Franca/Divulgação/ND
Coloração branca com pintas pretas das semi-albinas se torna acinzentada ao longo dos anos


Além das semi-albinas, cuja coloração branca com pintas pretas se torna acinzentada ao longo dos anos, chamou a atenção dos biólogos a quantidade de grupos sem filhotes com comportamento social e de acasalamento.

"No ano passado, ao longo de toda a temporada reprodutiva foram registrados predominantemente pares de mãe e filhote”, diz a bióloga Karina Groch, diretora de pesquisa do projeto Baleia Franca.

No caso das semi-albinas, uma delas estava em grupo interagindo com outras dois animais, enquanto a outra foi avistada sem companhia.

A maioria dos animais avistados nessa quinta-feira estava dentro da APA (Área de Proteção Ambiental) da Baleia Franca, que fica entre o Sul da Ilha de Santa Catarina e o Rincão, no sul do Estado. Segundo o chefe da APA, Cecil Barros, 17 baleias estavam concentradas na praia de Itapirubá Norte, em Imbituba, onde está localizada a sede do projeto, incluindo as duas semi-albinas.

As baleias-francas têm filhote a cada três anos. O tempo de gestação é de 12 meses. Eles partem da Antártica em busca de águas quentes e enseadas protegidas para o nascimento dos filhotes.

“Elas costumam retornar sempre ao mesmo local para terem os filhotes. Todos os animais que passam por aqui são catalogados por meio de fotografia das calosidades que têm em cima da cabeça, que são únicas para cada animal, como se fosse uma digital. Com isso, podemos saber se elas retornam”, explica Karina Groch.

Machos e animais juvenis também costumam ser vistos na região, geralmente sozinhos. Uma baleia-franca pode viver até 80 anos. Quase dizimadas pela caça até os anos 70, elas voltaram a ser vistas na costa brasileira a partir da década seguinte.

Hoje em dia, com as medidas de proteção em vigor no país, a estimativa é de crescimento populacional das baleias-francas a uma taxa de 12% ao ano.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade