Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Aplicativos que agregam tecnologia e utilidade pública são destaques de curso em Joinville

Alunos do programa Geração TEC desenvolveram projetos durante curso de qualificação na fundação Softville

João Batista (JB)
Joinville

Ideias originais, práticas e de utilidade pública. Os destaques entre os projetos dos alunos do curso de qualificação do Programa Geração TEC da fundação Softville juntaram tecnologia, inovação e interatividade em aplicativos que podem se transformar em serviços sociais, além de oportunidade de negócio para os idealizadores. Os projetos foram criados como trabalho final do curso, que é gratuito e visa atrair os jovens para o mercado de trabalho na área de tecnologia da informação.

Carlos Junior/ND
Estudantes desenvolvem trabalhos tecnológicos voltados para o benefício da comunidade

 

Conforme Jorge Augusto Klemm, professor do curso, os grupos ficaram livres para fazer aplicativos de qualquer natureza, mas predominou trabalhos com algum tipo de benefício para sociedade. “Três projetos se destacaram por serem projetos mais funcionais, mas conseguimos alcançar os objetivos do programa, com os alunos desenvolvendo ideias originais”, avaliou. Durante os quase quatro meses de capacitação, os participantes aprenderam linguagens de programação, levantaram um problema e criaram uma ferramenta para atender a necessidade.

O grupo formado por Kessis Jones, 18 anos, Rodrigo Ponick, 32, e Jean Carlos Antônio Pereira, 33, desenvolveu o projeto “Tapa Buracos de Rua”, um aplicativo integrado com o Google Maps que permite aos usuários registrarem a localização e enviarem fotos de buracos de rua. A proposta é fazer a catalogação e o mapeamento dos buracos, o que serve também para alertar os motoristas sobre as vias com mais ocorrências. “O usuário ainda pode adicionar seu nível de raiva e informar o valor do prejuízo que teve devido ao buraco”, explicou Jones.

Ainda em fase de testes, o programa deve ser lançado pelo grupo como um serviço na internet, integrado às redes sociais como o Facebook e o Twitter. A ideia é viabilizar o aplicativo como um negócio, gerando recursos com a exibição de anúncios e parcerias com serviços afins, como o de oficinas mecânicas. “O programa também vai estar disponível para smartphones”, adiantou Ponick, sobre a possibilidade de os usuários enviarem as informações no momento da ocorrência.

 

Registros de acidentes e facilitador de adoção de animais

Com uma lógica semelhante, o projeto “Trânsito Interativo” foi criado para centralizar dados sobre acidentes de trânsito. O aplicativo mapeia as ocorrências por rua e bairro, conforme as informações enviadas pelos usuários, que podem ainda classificar o tipo de ocorrência, informar gravidade e motivos do acidente e relatar sobre vítimas e veículos envolvidos. Segundo Caroline Dias, 20, uma das idealizadoras do projeto, o serviço servirá para denunciar problemas como a falta de sinalização em determinada rua e apontar os locais mais suscetíveis a acidentes. “As informações podem ser usadas pelos órgãos públicos para melhorar a segurança, enquanto o usuário pode fazer uma rota diferente com base nos registros do aplicativo”, observou.

Outro trabalho interessante feito pelos alunos foi o “Vira Lata”, um sistema para facilitar a adoção de cães e gatos e registrar os casos de animais achados ou perdidos. Duane Correa, 18, e Daniel Felipe Hogrefe, 22, desenvolveram o projeto para ser usado pela ONG (Organização Não-Governamental) Vira-Lata, que já atua na cidade em defesa dos animais. “A ideia surgiu basicamente para ajudar a entidade. Criamos uma ferramenta para facilitar e agilizar o processo de adoção”, contou Duane. No programa, as pessoas podem cadastrar dados sobre os bichos, como sexo, porte e idade, e ainda compartilhar notícias.

 

O Programa

Criado pela Secretaria Estadual do Desenvolvimento Sustentável, o programa Geração TEC é conduzido pela Fapesc (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina) em parceria com instituições do setor de tecnologia, como a Softville, de todo o Estado. A proposta é estimular novos empreendedores e formar novos profissionais para o mercado tecnológico, que sofre com a escassez de mão-de-obra. “Os projetos dos alunos já servem como um cartão de visita para quem está começando na área”, considerou Klemm.

O curso é voltado para jovens a partir dos 17 anos e que ainda não atuam na área de tecnologia da informação. O setor é um dos que mais cresce no Estado e tem uma carência de mais de 2,4 mil profissionais, de acordo com levantamento feito pelo governo. O Geração TEC foi lançado em 2011 e já formou 292 pessoas em 12 cidades. Em Joinville, entre os municípios com mais vagas disponíveis, 130 jovens foram capacitados no ano passado e outros 120 integraram as turmas neste ano na Softville.  

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade