Publicidade
Segunda-Feira, 12 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Alunos da Udesc fazem vaquinha para ajudar creche de São José

Creche Monte Moriat vive de doações e voluntários no loteamento Los Angeles, em Forquilhinhas

Felipe Alves
Florianópolis
19/04/2018 às 22H35

Com ajuda de voluntários e de boas ações da comunidade, a creche Monte Moriat atende há 16 anos crianças de zero a seis anos em São José. No loteamento Los Angeles, bairro Forquilhinhas, o trabalho começa às 6h e só para às 19h com as crianças alimentadas e bem cuidadas. Para ajudar a melhorar a estrutura do local e o atendimento às crianças, um grupo de 13 estudantes da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina) se uniu para criar o projeto Era Uma Vez. O objetivo é arrecadar dinheiro para adaptar o banheiro e a cozinha da creche e, assim, conseguir o alvará sanitário com a prefeitura.

Tuane, aluna da Udesc, com as crianças da creche que precisa de recursos para continuar aberta - Marco Santiago/ND
Tuane, aluna da Udesc, com as crianças da creche que precisa de recursos para continuar aberta - Marco Santiago/ND


Com o documento em mãos, Eva Geni dos Santos, uma das fundadoras da creche, conseguirá realizar um sonho de muito tempo. A partir do alvará sanitário, a creche poderá estar regularizada com o município e solicitar merenda e atendimento profissional público para as crianças.

Desde que foi fundada, em 2 de setembro de 2002, a creche Monte Moriat sobrevive de voluntários e de doações. As mães se revezam para cuidar das crianças todos os dias.

Do terreno aos móveis, tudo foi construído graças às doações. Eva, Barbina Ramos e Sadi Manoel Rodrigues foram os responsáveis por construir a creche há 16 anos, quando a região não tinha nenhuma escola pública. “Eu era agente de saúde, ia nas casas das pessoas e via muita criança com fome. As mães não podiam trabalhar por que não tinham onde deixar as crianças. Então nós resolvemos abrir a creche”, lembra Eva.

Sem dinheiro, cada um ajudou como pôde. Eles alugaram uma casa ao custo de R$ 150 mensais, pegaram um fogão doado e o berço do filho de Eva para começar a estruturar a creche. Cada um levava um pouco de comida todos os dias. O cobrador de ônibus Sadi usava seu vale-alimentação para comprar lanche para as crianças. “No primeiro dia a gente tinha 25 crianças, e no segundo já eram 50. Passamos por muitas dificuldades, mas é uma luta diária. É muito gratificante a gente ver as crianças indo para casa sem fome”, diz Eva.

Fundadores e voluntários

Depois de quatro anos na casa alugada, a creche contou com a ajuda de um advogado e empresário que comprou um terreno na mesma rua. Com apoio de construtoras, foi erguida uma casa com mais condições para atender às crianças. Ano após ano, com doações de toda a comunidade, a estrutura foi melhorando.

Barbina (à esq.) e Eva, fundadoras da creche, ajudam como podem - Marco Santiago/ND
Barbina (à esq.) e Eva, fundadoras da creche, ajudam como podem - Marco Santiago/ND


Os três fundadores da creche são voluntários até hoje. Barbina Ramos e Sadi Rodrigues são casados e também criaram o filho ali. Aposentada, ela faz artesanato todos os dias para reverter a verba para a creche. “Não consigo ficar longe da creche. O ser humano não está aqui só para estragar o mundo, temos que ter alguma utilidade”, afirma.

O objetivo da creche é ajudar os pais que não têm onde deixar as crianças na hora de trabalhar e dar apoio a quem precisa. Por isso, cada um ajuda como pode, com alimentos, com um pouco de dinheiro ou com voluntariado. “Fala-se muito em fome na África, mas temos aqui em São José famílias que estão passando necessidade”, diz Eva dos Santos.

Objetivo é alcançar R$ 30 mil

Com eventos, vaquinhas, rifas, parcerias e venda de camisetas, os alunos da Udesc se engajaram para ajudar a creche Monte Moriat. O projeto faz parte de uma matéria do curso de administração e a meta é arrecadar R$ 30 mil para as reformas necessárias nas creche. “Fomos na creche para entender a história, levamos pedreiro para fazer orçamento e agora vamos atrás do dinheiro para ajudá-los”, conta Tuane Osaida, uma das alunas.

As pessoas interessadas podem acompanhar o projeto pelas redes sociais, na página do Facebook Projeto Era Uma Vez, pelo Instagram @Projetoera1vez ou mandar mensagens pelo e-mail projetoera1vez@gmail.com. Há também o site para doar dinheiro.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade