Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Especialista em Costa Rica, analista de desempenho do Avaí destaca seleção mais homogênea

Na opinião do observador, o técnico Óscar Ramirez surpreendeu ao colocar o zagueiro Calvo na vaga de Oviedo na lateral-esquerda e, por isso, acertou o sistema defensivo

Michael Gonçalves
Florianópolis
21/06/2018 às 22H00

Ninguém conhece melhor a seleção da Costa Rica no Brasil do que o analista de desempenho do Avaí, Ricardo Henry, que passou a acompanhar o time da América Central desde o ano passado a pedido da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Na opinião do observador, o técnico Óscar Ramirez surpreendeu ao colocar o zagueiro Calvo na vaga de Oviedo na lateral-esquerda e, por isso também, acertou o sistema defensivo, apesar da derrota para a Sérvia por 1 a 0, em lance de bola parada. A seleção brasileira encara a Costa Rica nesta sexta-feira (22), às 9h, pela 2ª rodada do Grupo E da Copa do Mundo. Lembrando que as duas equipes ainda não venceram na competição.

 Analistas de desempenho do Avaí  - Marco Santigo/ND
Analistas de desempenho do Avaí - Marco Santigo/ND


Com o goleiro Keylor Navas, do Real Madrid, a Costa Rica tem um forte sistema defensivo. Na partida contra a Sérvia, o zagueiro González, sozinho na pequena área, desperdiçou a primeira chance clara de gol no cabeceio para fora. “Em comparação aos amistosos, a Costa Rica jogou de maneira mais inteligente contra a Sérvia. Os volantes não saíram tanto, mas o time foi mais ao ataque do que os amistosos contra a Tunísia e a Escócia. Ficou um time mais homogêneo”, observou.

A Costa Rica foi a seleção sensação da Copa do Mundo no Brasil, quando terminou entre as oito melhores, e na Copa da Rússia manteve 80% do elenco. Segundo o analista de desempenho, dos 11 titulares em 2014, nove continuam na equipe. Ricardo destacou o potencial ofensivo dos alas Gamboa e Calvo.

Com os volantes mais enterrados, no esquema 5-4-1, os laterais têm mais liberdade de chegar ao ataque. Um dos destaques da equipe do técnico Óscar Ramirez é a bola parada. “O zagueiro Kendall Waston, de 1,96 metro de altura, é uma opção na defesa e no ataque, como o próprio técnico já utilizou. Como é o atleta mais alto do elenco, ele usa o zagueiro como atacante, como ocorreu na classificação da Costa Rica para a Copa do Mundo, quando Waston fez o gol de empate contra Honduras aos 49 do 2º tempo”, lembrou.

Nos últimos 10 jogos, a Costa Rica perdeu cinco e empatou dois. Venceu apenas a Irlanda do Norte, a Escócia e o EUA. 

Atenção para a ligação direta entre a defesa e o ataque

Para enfrentar o Brasil, Ricardo Henry acredita que a Costa Rica não deve alterar a formação inicial. Como existe a necessidade de vencer, ele não descarta a possibilidade do técnico Óscar Ramirez tirar um volante para colocar mais um atacante. Durante a partida contra a Sérvia, as substituições não surtiram o efeito esperado, segundo o analista de desempenho. O observador chama a atenção para a ligação direta entre a defesa e o ataque.

O técnico colocou dois atacantes e um meia. “O atacante Campbell entrou mal, o meia Bolaños não deu a movimentação que se esperava e o atacante Colindres também não acrescentou à equipe. Na minha visão, ele pode retirar o Gusmán e colocar o Campbell ou o Colindres no ataque, em função da necessidade de vencer”, afirmou.

Ricardo lembrou que o gênio da Costa Rica é o meia Bryan Ruiz. O analista de desempenho observou que quando a jogada é pelo lado esquerdo, o camisa 10 da Costa Rica encosta ao lado do centroavante Ureña, assim deixa o time no esquema 5-3-2. Situação que não ocorre quando a jogada é pela direita com o meia Venegas. “Como a Costa Rica tem dificuldade em sair jogando, eles devem usar e abusar da ligação direta com o atacante Ureña e, por isso, o Brasil precisa ficar esperto com a segunda bola em seu campo defensivo”, ressaltou.

Na partida contra a Sérvia, a Costa Rica teve 51% de posse de bola, também de acordo com o analista de desempenho.

Distribuição tática das equipes do Brasil e da Costa Rica em campo - Infografia: Cristiane Severino
Distribuição tática das equipes do Brasil e da Costa Rica em campo - Infografia: Cristiane Severino

Os últimos 10 jogos

Costa Rica 0 x 1 Sérvia (Copa do Mundo)

Bélgica 4 x 1 Costa Rica (Amistoso)

Inglaterra 2 x 0 Costa Rica (Amistoso)

Costa Rica 3 x 0 Irlanda do Norte (Amistoso)

Tunísia 1 x 0 Costa Rica (Amistoso)

Escócia 0 x 1 Costa Rica (Amistoso)

Panamá 2 x 1 Costa Rica (Eliminatórias)

Costa Rica 1 x 1 Honduras (Eliminatórias)

Costa Rica 1 x 1 México (Eliminatórias)

Estados Unidos 0 x 2 Costa Rica (Eliminatórias)

Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade