Publicidade
Quarta-Feira, 19 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 17º C

De geração a geração, família Rosa se firma no ramo da barbearia

O aprendizado passado pelo veterano José B. da Rosa, há 50 anos, e cultivado até hoje, é a principal fonte de sustento da família

Redação ND
Joinville
Fabrício Porto/ND
Alberi e Guilherme da Rosa dão sequência ao ofício de barbeiro, aliando a tradição à modernidade em conhecido ponto do bairro Vila Nova

 

 

Nos bairros mais antigos de Joinville é até comum o funcionamento de barbearias populares cujas portas foram abertas há décadas. Algumas delas ganham destaque por continuar nas mãos de profissionais pertencentes à família do fundador. É o caso do Salão Central, instalado na rua 15 de Novembro, 7.158, no bairro Vila Nova, onde trabalham Alberi da Rosa e Guilherme da Rosa, respectivamente neto e bisneto de José B. da Rosa, o pioneiro da família a fazer uso da tesoura para se sustentar e criar os filhos. “Hoje, nós dois representamos a terceira e quarta gerações dos Rosa dentro de uma barbearia genuinamente familiar”, assinala Alberi.

A história dos Rosa barbeiros teve início em 1964, no bairro Boa Vista, onde José abriu um salão na rua Albano Schmidt. No local, além de formar uma grande freguesia, ele ensinou o ofício ao filho Valdir. Já experiente na profissão aprendida com o pai, em 1968 Valdir deixou o Boa Vista para abrir seu próprio salão na rua Otto Boehm, pertinho do Centro.

Alberi, filho de Valdir, relata que após uma temporada na rua Otto Boehm o pai fechou a barbearia e trabalhou de empregado no bairro Floresta e posteriormente no Salão Verde, instalado na rua do Príncipe.

Corria o ano de 1978 quando Valdir botou a cadeira de barbeiro na carroceria de uma caminhonete, decidido a abrir novamente um salão próprio,  dessa vez no bairro Vila Nova, onde se estabeleceu nas proximidades do posto de combustíveis da família Baumer.

Das proximidades do posto de combustíveis, Valdir mudou duas vezes de endereço até se fixar definitivamente perto do terminal de ônibus. Passado alguns anos convidou Alberi para trabalhar com ele.

Recentemente, foi a vez de Guilherme se juntar à equipe do Salão Central. Valdir, já aposentado, no momento passa a maior parte dos dias em Balneário de Barra do Sul.  “Deixei o negócio para o filho e o sobrinho, mas continuo dando minhas tesouradas nos fins de semana, especialmente aos sábados, quando o movimento fica mais intenso”, informa o veterano barbeiro.

Alberi e Guilherme aprenderam o ofício fazendo cursos de especialização, mas enfatizam que Valdir é o maior responsável pelo sucesso da dupla.  “Ele nos acolheu de braços abertos para exercermos a profissão, que parece estar no sangue da família. Além de nos acolher, nos deixou um legado valioso, que é a numerosa e fiel freguesia”, fala Guilherme.

 

Em breve, será meio século de ofício que chega à quarta geração da família

 

Em 2014, a ramada da família Rosa completa meio século de cortes de cabelos. Pelo jeito, essa história vai se alongar por muitas outras décadas, pois tanto Alberi quanto Guilherme nem pensam abandonar a profissão pela qual se apaixonaram por influência de seu José (de saudosa memória) e de Valdir.  “Nossa barbearia continua funcionado dentro do estilo popular, mas foram incorporadas algumas melhorias, como ambiente climatizado, para dar mais conforto aos fregueses”, observa Alberi.  

 

 

 

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade