Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 17º C

Morre Anna Maria Bonatti, jardineira que cuidou dos jardins do quartel da PM durante 30 anos

Morando em uma casa de repouso, aos 80 anos ela contava os dias para voltar à atividade. Mas dias depois de ter a reportagem com seu perfil publicado, ela morreu nesta terça, 13 de maio

Redação ND
Joinville
Fotos Divulgação/ND
O comandante e o subcomandante do 8º BPM, tenente-coronel Adilson Moreira, e major Jofrey, visitaram Anna Maria Bonatti no dia 8 de abril, levando os parabéns do quartel pelo 80º aniversário dela

 

Durante 30 anos, Anna Maria Bonatti testemunhou o dia a dia, as mudanças e a expansão do quartel da Polícia Militar, na rua Aquidaban. Ela cuidava dos jardins e ajudava nos preparativos de solenidades, tornando-se uma pessoa querida no 8º Batalhão. “Vi uns 15 comandantes passar por lá, e o quartel era como minha segunda casa”, diz dona Anna Maria, hoje “aposentada” de suas funções e morando na Casa de Repouso Feliz Idade. Aos 80 anos, a saúde fragilizada já não lhe permite cuidar de jardins e se movimentar como antes.

A história dessa hispano-ítalo-brasileira começa no dia 8 de abril de 1934, quando ela nasceu, em Barcelona, na Espanha. “Meu pai era italiano e minha mãe, espanhola, e moravam na cidade de Lago di Como, perto de Milão. Quando eu ia nascer, mamãe quis ficar perto da mãe dela, por isso nasci em Barcelona. Mas me criei no Norte da Itália, pertinho da Suíça”, esclarece.

Logo após a Segunda Guerra, em 1946, a família Bonati foi uma das tantas a emigrar da Itália para o Brasil, estabelecendo-se em São Paulo. Em 1961, nova mudança, agora para Joinville, onde o pai de Anna Maria empregara-se na Malharia Arp. Ela, com curso de secretariado, foi para a Tupy. “Fui secretária da diretoria, quando o presidente era Dieter Schmidt. Sete anos depois, decidi trabalhar por conta própria, na área de jardinagem e paisagismo”, conta, sem esforço de memória – ainda que a voz saia com dificuldade, devido aos problemas de saúde, agravados em meados do ano passado.

 

Praça Anna Maria Bonatti, o símbolo de reconhecimento ao empenho da dona Anna

 

O quartel sempre foi sua segunda casa

 

“Não encontrei ninguém que me amarrasse”, diz, justificando o fato de nunca ter se casado – da família, moram em Joinville a irmã Liliana, 73, e seus dois filhos. Uma segunda família, porém, foi se formando no quartel do 8º BPM, desde que Anna Maria começou a trabalhar lá, em 1984, encarregada do paisagismo e do apoio em eventos. “Nunca fiz cursos de jardinagem, aprendi tudo na prática. Ali sempre fui feliz, me dei bem com todos os comandantes, desde o coronel Bruno até o atual, Adílson”, diz a jardineira, referindo-se ao coronel Bruno Kleis, comandante em 1984, e o atual, tenente-coronel Adílson Moreira.

“Dona Anna sempre foi uma pessoa prestativa e muito querida no batalhão. Todos lá sentem saudade dela”, diz o cabo Paulo César Vicente, que, junto com a mulher, Márcia, e o colega de PM Anderson Paiva de Andrade, assumiu há cerca de um ano a administração da Casa de Repouso Feliz Idade, localizada no Bom Retiro. “Depois que ela ficou doente, aqui era um local óbvio para abrigá-la. Quando chegou, mal conseguia andar, devido à erisipela. Agora já se movimenta e fez muitos amigos na casa”, completa Vicente.

Dona Anna confirma: “Aqui é muito bom, tem carinho, sou cuidada e todos são amigos”. Porém, ela deixa claro: “Já tenho saudade da minha família do batalhão. Quando ficar boa, quero voltar a trabalhar lá”. Mas, infelizmente, ela morreu nesta terça, 13 de maio.

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade