Publicidade
Quarta-Feira, 26 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

A história do estabelecimento de ensino que fica na Estrada Dona Francisca, em Joinville

Primeiros registros da Escola Municipal Germano Lenschow remontam a 1949

R. Szabunia, especial para o ND
Joinville
07/10/2016 às 19H07

Os raros registros da história da Escola Municipal Germano Lenschow remontam a 1949, quando a professora Lúcia Haritsch utilizava uma sala na propriedade dos Lenschow. Ali, alfabetizava os filhos dos moradores da região, na altura do km 21 da atual SC-418. Alguns testemunhos citam também a professora Elsa Schönfelder, cujo nome não consta dos registros oficiais. Em 1952, Maria das Neves Correa assumiu a então chamada Escola Isolada Estadual da Estrada Dona Francisca, ficando até 1968.

Escola Municipal Germano Lenschow fica localizada, na altura do km 21 da SC-418, em Pirabeiraba - Fabrício Porto/ND
Escola Municipal Germano Lenschow fica localizada, na altura do km 21 da SC-418, em Pirabeiraba - Fabrício Porto/ND


Aluna da primeira turma, Geni Lopes Pereira conta que, no início, em 1949, as turmas de 1ª a 4ª série – o antigo curso primário – compartilhavam uma mesma sala, onde a professora Lúcia se desdobrava para atender a todos. Em 1957, quando tinha apenas 10 anos de idade, a própria Geni deu aulas para os colegas, pois a professora Maria das Neves estava em licença-maternidade.

Era uma estrutura simples, de madeira, compartilhando o terreno com um galpão onde eram servidas as refeições e a casa da professora. Já na época existia o “Pelotão da Saúde”, um trio de alunas responsável por prestar os primeiros socorros a quem se machucava na escola. Estas “brigadistas” usavam uniforme de enfermeira. A cada final de ano letivo, a diretora do colégio Olavo Bilac, de Pirabeiraba, ia até a escola isolada para aplicar as provas finais.

Entre as recomendações da época, “não era permitido aos alunos falar outro idioma que não fosse o português”. Em 1961, foi formalizada a denominação Escola Isolada Estadual da Estrada Dona Francisca, alterada para Escola Municipal Germano Lenschow em 1991. O novo nome homenageava o doador das terras onde o colégio foi construído. Ali as gerações da família se sucederam, sendo representadas hoje pela bisneta Anna Júlia, 11 anos, aluna da 5ª série, e pelo trineto Lucas, 6, do 1º ano.

Lembranças da escolinha

No dia da reportagem, como acontece desde o início da série, um café com cuca aguardava alguns visitantes que fizeram ou ainda fazem parte da história do Germano Lenschow. Uma das mais empolgadas era a professora aposentada Edith Schramm, diretora da escola de 1995 a 2005. “Quando cheguei aqui – conta – a situação era crítica, tinha até morcegos morando na escola.

Graças à ajuda da comunidade e ao apoio da APP (Associação de Pais e Professores), colocamos tudo em ordem.” De sua gestão, Edith destaca – além da expulsão dos mamíferos alados – a ativação da pré-escola e do ginásio (5ª a 8ª série) e ensino médio à noite. “Com exceção do pré, que era no pátio, tudo o mais funcionava numa única sala”, complementa a ex-diretora.

Entre os então integrantes da APP elogiados por Edith, estava no encontro o ex-aluno Raulino Roesler. Hoje com 75 anos, ele relembra: “Fiquei cinco anos aqui, depois meus filhos e netos passaram pela escola. A comunidade, de fato, sempre pegava junto”.

Brandindo seu boletim do 1º ano com média final 95, Adélia Norma Knüppel era aluna da primeira turma, em 1949 - Fabrício Porto/ND
Brandindo seu boletim do 1º ano com média final 95, Adélia Norma Knüppel era aluna da primeira turma, em 1949 - Fabrício Porto/ND

Brandindo seu boletim do 1º ano com média final 95, Adélia Norma Knüppel era aluna da primeira turma, em 1949. “Minha professora era Elsa Schönfelder”, destaca. Ao seu lado, o colega de primeira turma Láudio Malon, 77, reforçava a lembrança dos mutirões dos quais as famílias participavam aos domingos, para consertar, reformar, ampliar e construir. Completava a chamada dos ex-alunos Velone Viesebeck, 59, aluna da professora Maria das Neves e atual vizinha de portão do colégio. “Aqui é um lugar importante na vida de muita gente da comunidade”, resume Velone.

 Ainda uma pequena escola

 A biblioteca onde os convidados confraternizavam e contavam histórias resume a E. M. Germano Lenschow: a moderna e confortável estrutura, ainda numa escola pequena, encravada em meio à natureza exuberante do início da serra. “Temos uma equipe enxuta, mas muito envolvida e competente, atenta às necessidades e peculiaridades da comunidade”, elogia a atual diretora, Aline Fernanda Zastrow. Professora no Germano Lenschow desde 2009, só saiu em 2012 para assumir a direção do colégio 7 de Setembro, no Rio Bonito, retornando nesta função no ano seguinte.

“Um dos nossos diferenciais – detalha a diretora – é o ensino em período integral para vinte alunos, o projeto Mais Educação. Nele são oferecidas oficinas de acompanhamento pedagógico, etnojogos, esporte, capoeira e sustentabilidade.”

 Gaiteiro dos bons

 “Germano Lenschow era uma pessoa simples, dedicada ao trabalho e à comunidade. Tanto que nem pensou duas vezes quando decidiu doar o terreno para a construção da escola e ainda participou dos mutirões.” O testemunho é de Nívea Detroz Lenschow, 81 anos, nora do patrono do colégio (casada com Roberto, um dos seis filhos de Germano e Cecília). No encontro, estava com a filha Denise, que garantia: “Meu avô era um gaiteiro e bandoneonista dos bons!”.

Hermann (Germano em português) Otto Emil Martin Lenschow nasceu no dia 1º de fevereiro de 1899, no mesmo lugar onde hoje fica a escola batizada em sua homenagem. Foi batizado no dia 17 de dezembro de 1899 na igreja luterana da localidade e confirmado no dia 7 de abril de 1912. Era casado com Cecília Joana, com quem teve seis filhos: Íris, Doris, Paulo, Thereza, Roberto e Loni.

Foi carroceiro, transportando mercadorias de Joinville serra acima, e lavrador, dedicado à fabricação de melado. Nas horas de lazer, além de empunhar a sanfona, fabricava cestos de cipó. Era participante ativo da Associação de Pais e Professores, e todas as festas realizadas na escola eram abrilhantadas pela sua gaita.

Faleceu no dia 15 de março de 1982.

O colégio hoje

 Escola Municipal Germano Lenschow

Estrada Dona Francisca, km 21, Pirabeiraba, telefone 3428-0121, blog emgermanolenschow.blogspot.com.

- Funcionários: uma servente, uma cozinheira e um agente operacional.

- Corpo docente: quatro professores regentes e cinco de docência (Educação Física, Artes, Inglês, Informática e atividades complementares).

- Turmas: 4 (duas multisseriadas)

- Estrutura: 3 salas de aula, sala de informática, cozinha, biblioteca, parque, quadra de esportes, horta e pomar.

- Projetos: neste ano a escola desenvolveu o Projeto Olimpíadas e Paralimpíadas, culminando no desfile da Festa da Colheita, evento tradicional da comunidade. Também são desenvolvidos projetos de leitura, horta pedagógica, Caráter Conta e Café com Memória.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade