Publicidade
Domingo, 18 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

A sociedade da Grande Florianópolis, os eventos culturais e as tradições da região analisadas pelo experiente jornalista Marcos Cardoso.

  • Projeto candidatará samba de gafieira a Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

    Iniciativa do professor de dança de salão Alexandre Melo, de Florianópolis, e do dançarino carioca Carlinhos de Jesus, uma pesquisa está colhendo subsídios para o projeto que candidata o samba de gafieira a Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. O documento será apresentado ao Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e, se ele o chancelar, encaminhado à Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), que é quem aprova.

    Na lista representativa da Unesco no Brasil o samba já aparece, mas o de roda no Recôncavo Baiano. Segundo Alexandre, Santa Catarina – o Estado que se declara o mais branco do país – tem muito a colaborar, pois a manifestação cultural por aqui também é histórica, porém, com poucos registros. A coleta de assinaturas pleiteando o reconhecimento logo estará disponibilizada via online.

    Bruna Fernandes e Guillerme Lima - GABRIEL SCHMIDT/ELECTRO PHOTO/DIVULGAÇÃO/ND
    FOTO: GABRIEL SCHMIDT/ELECTRO PHOTO/DIVULGAÇÃO/ND



    Leia mais
  • Cartaz oficial do maior festival de dança do mundo foi produzido em Florianópolis

    Edson Busch Machado, artista plástico joinvilense radicado na Capital, apresenta em seu ateliê no bairro Saco Grande a obra que se tornou o cartaz oficial do 36° Festival de Dança de Joinville. O evento, agendado de 18 a 28 deste mês no Centreventos Cau Hansen, terá a participação de centenas de bailarinos da Grande Florianópolis no palco e na plateia, que inspirou o autor com as diferentes reações ao contemplar os espetáculos. A arte original foi produzida com tintas acrílicas.

    Edson Busch Machado - DIVULGAÇÃO/ND
    FOTO: DIVULGAÇÃO/ND



  • Espetáculo de dança arrecadará fundos para o projeto Onda Azul

    A coreógrafa e professora Ale Gutierrez está dirigindo a segunda edição do espetáculo “Quando o Autismo lhe Tira para Dançar”, iniciativa que apoia projetos voltados a crianças especiais. Este ano, a renda será destinada à manutenção do Onda Azul, que junto à escola de surfe do Costão do Santinho promove o acesso de crianças autistas a este esporte como forma de lazer e de tratamento para desenvolvimento das habilidades de comunicação e interação social.

    O evento, que conta com a colaboração de uma grande equipe de voluntários, será dia 20 de maio, às 20h, no Teatro Álvaro de Carvalho, com cerca de 75 minutos de duração e 50 dançarinos no palco mostrando o trabalho de 10 coreógrafos. Como atrações, estão confirmados Olho de Hórus, Domínio, Escola de Dança Aline Mombelli, Cazu, La Lune Noire, Shams Keifir, Anita Malcher, Rose Rabelo e Studio Arte Terapia.

    Quando o Autismo lhe Tira para Dançar - FOTO ARTE/DIVULGAÇÃO/ND
    FOTO: FOTO ARTE/DIVULGAÇÃO/ND

    Leia mais
  • Dois Pontos Cia. de DançaTeatro apresentará "1717" no Rio de Janeiro

    Produção manezinha da Dois Pontos Cia. de DançaTeatro apresentada integralmente ou em fragmentos por mais de 40 vezes no Estado, além de Aparecida do Norte (SP) e até em Roma, “1717” estará em cartaz no Rio de Janeiro, no antológico Teatro Cacilda Becker, de 14 a 17 de junho. Inspirado na aparição da imagem de Nossa Senhora há mais de 300 anos, o espetáculo dirigido por Alexandra Klen e Ricardo Tetzner segue viagem por meio do edital da Funarte de ocupação de espaços culturais.

    1717 - THIAGO LEON/DIVULGAÇÃO/ND
    FOTO: THIAGO LEON/DIVULGAÇÃO/ND



    1717 - THIAGO LEON/DIVULGAÇÃO/ND
    FOTO: THIAGO LEON/DIVULGAÇÃO/ND



    1717 - THIAGO LEON/DIVULGAÇÃO/ND
    FOTO: THIAGO LEON/DIVULGAÇÃO/ND