Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Todas as novidades do Carnaval de Floripa: as festas programadas, bastidores e o aquecimento dos tamborins até o grande dia da festa!

Modelo do Carnaval de Florianópolis deverá ser revisto para 2019

De acordo com a Liesf e a prefeitura, a cidade não tem condições de ter 16 escolas desfilando na passarela Nego Quirido

Felipe Alves
12/02/2018 19h53

O modelo dos grupos de escolas de samba do Carnaval da Grande Florianópolis deve ser reavaliado pela Liesf (Liga das Escolas de Samba) e prefeitura da Capital. Pelo segundo ano, somente as seis escolas do grupo Especial desfilaram na passarela Nego Quirido. Outras 10 agremiações, que compõem os grupos de Acesso e Acesso A, não saíram na avenida por falta de verbas.

Para o presidente da Liesf, Fábio Botelho, Florianópolis não tem condições de ter 16 escolas de samba hoje. “Em março vamos fazer o planejamento para 2019. Vamos fazer uma avaliação e corrigir o que precisar. Vamos ter que repensar o modelo de Carnaval e trazer mais iniciativa privada”, afirma. O grupo de Acesso foi criado em 2011 e o de Acesso A, em 2015. O ano de 2016 foi o único em que os três grupos desfilaram.

Carnaval 2018 em Florianópolis  - Daniel Queiroz/ND
Carnaval 2018 em Florianópolis - Daniel Queiroz/ND



Segundo o superintendente de cultura e turismo de Florianópolis, Vinicius de Luca, a prefeitura vai se reunir internamente e com a comunidade do samba para avaliar um modelo sustentável para o próximo ano. “Temos que rever a questão de termos três grupos. Acho que isso já é uma realidade quando se discute que não temos condições de atender às 16h escolas de samba. Mas essa decisão vai vir de relatórios gerados a partir deste Carnaval”, afirma.

Vinicius fez uma avaliação positiva do Carnaval deste ano tanto do ponto de vista de estrutura quanto de organização. “Para 2019 queremos elevar novamente o patamar dos desfiles das escolas de samba de Florianópolis para aquele patamar de outros tempos, em que a cidade era reconhecida como o maior Carnaval do Sul do Brasil”, destaca ele. Entre os pontos a serem revistos, estão o esquema de ingressos, que teve problemas pontuais de leitura na hora dos desfiles, e a própria estrutura da Nego Quirido, que precisa de manutenção contínua.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade