Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Leandro Mazzini é jornalista, escritor e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. Iniciou carreira em 1994, e passou pelo Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Correio do Brasil, Agência Rio entre outros. O blog é editado por Mazzini com colaboração de Walmor Parente e equipe de Brasília, Recife e São Paulo.

  • FHC puxa PSDB para fechar com Haddad

    É o grão tucano Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República, quem puxa um discreto movimento interno para o PSDB fechar com o PT de Fernando Haddad – caso haja segundo turno e este passe à etapa eleitoral. João Dória Jr, que disputa o governo de São Paulo com chances e novo expoente do partido, e Geraldo Alckmin – que acredita ir para o 2º turno – são contra, assim como suas claques. O movimento por ora não passa de ideologia. A social democracia base das duas legendas nunca se afinou no Congresso Nacional, e por causa da disputa presidencial dos últimos anos. Mas nas hostes do tucanato, há quem aposte que o projeto de FHC pode dar certo.

    Justificativa

    FHC lembra a amigos que foi ele, em seu governo, que criou o Bolsa Gás e o Bolsa Escola, programa sociais que se fundiram no Bolsa Família de Lula da Silva.

    Na moita

    Trackings de grandes empresas e alguns partidos do Rio apontam que Jair Bolsonaro (PSL) tem praticamente 50% dos votos do Estado do[...]

    Leia mais
  • Frente suprapartidária atrai aliados de Alckmin para Bolsonaro

    Há um movimento curioso a menos de duas semanas da eleição que tem ajudado Jair Bolsonaro nas bases eleitorais no interior. A frente suprapartidária de 110 deputados que ele lançou há mais de dois meses está atraindo aliados de Geraldo Alckmin (PSDB). São deputados do DEM, do PP, PR e outros partidos do Centrão que estão com o adversário tucano. Em suma, a cúpula dos partidos ficam com Alckmin, mas o ‘baixo clero’ está puxando para o candidato do PSL mais deputados federais antes cabos eleitorais de Alckmin. Onyx Lorenzoni (DEM), cujo partido apoia Alckmin, é o coordenador da campanha do capitão no Congresso.

    Efeito no Rio

    Movimento similar no Rio. Com a ascensão de Flávio, filho de Bolsonaro, líder para o Senado, candidatos de outras coligações pedem material dele para divulgar.

    Tendências

    Para um eventual segundo turno, caciques de Brasília já apostam em DEM liberando a bancada – boa parte para Bolsonaro – e PSDB, Solidariedade, PR e PRB com[...]

    Leia mais
  • Brasil tomou calote bilionário em empréstimos para o exterior

    Nos últimos quatro meses, o Brasil contabilizou calote de mais de R$ 1 bilhão em parcelas de empréstimos concedidos pelo BNDES para Venezuela, Cuba e Moçambique. Ao criticar o calote e “irresponsabilidade” dos governos do PT na concessão dos empréstimos, o deputado Fábio Souza (PSDB-GO) afirma que, se o dinheiro tivesse ficado no Brasil e investido em empreendedorismo, “a crise econômica que enfrentamos, que foi a maior de todos os tempos, teria sido amenizada”. O tucano é autor do projeto (7375/17) que proíbe o BNDES de conceder empréstimos para bancar empreendimentos no exterior.

    Carteira assinada?

    Lembra do ministro do Trabalho, Helton Yomura, ligado ao PTB e afastado pela PF do cargo? Ganhou um afago do Comitê de Ética da Presidência. Poderá trabalhar na praça.

    Na reserva

    Já o general da reserva Franklinberg de Freitas, que fez boa e honesta gestão à frente da Funai, terá de cumprir quarentena antes de ingressar no[...]

    Leia mais
  • Pesquisas do PSDB também indicam baixa de Alckmin

    Assim como nas pesquisas oficiais, registradas no Tribunal Superior Eleitoral, o candidato tucano à Presidência, Geraldo Alckmin, está com as asas podadas também em sondagens realizadas diariamente pelo PSDB, os chamados tracking. O partido tem realizado, em média, 2 mil entrevistas por dia. Recente tracking – à qual Coluna teve acesso – mostra Jair Bolsonaro (PSL) com 30% das intenções de voto, seguido por Fernando Haddad (PT), 17%; Ciro Gomes (PDT), 13%; Alckmin, 10%; e Marina Silva (Rede), com 6%.

    Revoada

    Grão-tucanos atribuem o revés de Alckmin à falta de empenho de líderes das legendas do Centrão que, como citamos, já esboçam apoio a Bolsonaro ou Haddad.

    Voltando

    Jair Bolsonaro avisou à família que vai a todos os debates de TV de um eventual 2º turno. Pretende aparecer bem disposto na TV e nas ruas, para mostrar saúde perfeita.

    Não quero!

    Preso numa salinha da Sede da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente Lula diz aos visitantes que[...]

    Leia mais