Publicidade
Quarta-Feira, 16 de Janeiro de 2019
Descrição do tempo
  • 32º C
  • 23º C

Leandro Mazzini é jornalista, escritor e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. Iniciou carreira em 1994, e passou pelo Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Correio do Brasil, Agência Rio entre outros. O blog é editado por Mazzini com colaboração de Walmor Parente e equipe de Brasília, Recife e São Paulo.

  • Levy será o curinga da Equipe Econômica no Governo

    Além de presidir o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o ex-ministro Joaquim Levy atuará como conselheiro da equipe econômica para temas como investimentos em logística e infraestrutura, privatizações e reestruturação financeira de Estados e municípios. Antes de ser empossado no comando do bancão, em cerimônia no Palácio do Planalto, Levy se reuniu com o núcleo duro do Governo do presidente Bolsonaro e reafirmou que a prioridade, à frente do BNDES, será a transparência na atuação da instituição. Bolsonaro soltou um “a caixa-preta do BNDES será aberta”.

     

    O ex-ministro da Fazenda de Dilma Rousseff é visto na Esplanada como nome que tranquiliza o mercado e pode ocupar outros postos em caso de baixas na equipe.

     

    Aumenta o som

     

    A amigos que foram visitá-lo na prisão, nos primeiros dias do ano, Lula pediu para que aumentem o som do microfone da vigília que representantes de movimentos sociais fazem em frente ao[...]

    Leia mais
  • PPS muda para Cidadania e deve ser oposição ao Governo

    O PPS vai mudar o nome para Cidadania e deve ser oposição oficial ao Governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O presidente do PPS, Roberto Freire, vai convocar um Congresso Extraordinário em Brasília para as próximas semanas, e colocar os temas em pauta. Hoje, o PPS é independente no Congresso e em relação ao novo Governo. E a oposição, por ora, é questão pessoal de Freire, reforça o comandante do partido. O ‘Cidadania’ foi escolhido após consulta a militantes.

     

    “Será uma oposição democrática, e com responsabilidade, como sempre foi”, diz Freire à Coluna, caso os partidários aprovem a tendência.

     

    Segredo de Estado

     

    Não se assustem os que apontam Sérgio Moro futuro ministro do STF e o virem candidato a presidente da República no pós-Bolsonaro, em 2022 ou 2026.

     

    Êpa, êpa

     

    Não se questiona o preparo de Wilson Witzel para o Governo do Rio. Mas pegou mal na família Bolsonaro sua intenção, no segundo dia no cargo (!), de[...]

    Leia mais
  • Governo vai revisar aluguéis milionários em Brasília

    O Governo leva a sério a revisão de aluguéis milionários de prédios – nem sempre totalmente ocupados por órgãos da União. A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o ministro-chefe da Casa Civil, Onix Lorenzoni, consultaram, durante a Transição, auditorias do Tribunal de Contas da União antes de decidirem passar um pente-fino nos contratos de locação.

    Levantamento do TCU revelou que certos órgãos pagariam, em menos de três anos de aluguel, o valor relativo ao imóvel construído.

    O TCU constatou que não há base de dados única em relação aos contratos de locação, e que foram detectadas omissões ou divergências entre valores no sistema do Tesouro.

    Adeus, Consea

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) extinguiu o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), órgão consultivo e composto por representantes da sociedade civil que era vinculado diretamente à Presidência da República. A extinção do Conselho se deu por[...]

    Leia mais
  • Governo proíbe Coaf de se manifestar sobre processos

    O novo Governo deu um cala-boca oficial nos integrantes do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), agora no bojo do linha dura ministro Sérgio Moro, da Justiça e Segurança Pública. Está no Decreto 9.663/2019, assinado por Bolsonaro.

    No artigo 7º, o decreto determina: “Ao Presidente, aos Conselheiros e aos servidores em exercício no Coaf é vedado: III - manifestar, em qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento no Plenário”.

    Além disso, proíbe os servidores de “fornecer ou divulgar as informações de caráter sigiloso, conhecidas ou obtidas em decorrência do exercício de suas funções, inclusive para os seus órgãos de origem”. Leia mais no < https://bit.ly/2Qpd2oV

    Guerra à vista

    Há uma expectativa entre senadores da base e oposição de que as 48 horas antecessoras à votação para presidente do Senado Federal vão ser de guerra de liminares no Supremo Tribunal Federal. Aliados do senador Renan[...]

    Leia mais