Publicidade
Quinta-Feira, 20 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 23º C
  • 18º C

Três projetos catarinenses são selecionados em edital nacional do Itaú Cultural

Edital Rumos distribuirá mais de R$ 15 milhões para trabalhos de todo o Brasil

Karin Barros
São Paulo* A repórter viajou a convite do Itaú Cultural
28/05/2018 às 23H53

Três projetos catarinenses estão entre os selecionados do edital nacional Rumos Itaú Cultural 2017-2018. O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira (28), no instituto Itaú Cultural, em São Paulo. Dos 12.616 inscritos, 109 fazem com que todos os estados brasileiros sejam representados nesta edição. O edital, que está em sua 18ª edição em 20 anos de existência está entre os mais antigos do país.

La Vaca Produtora de Arte, com “Homens pink”, foi uma das escolhidas - Daniel Queiroz/ND
La Vaca Produtora de Arte, com “Homens pink”, foi uma das escolhidas - Daniel Queiroz/ND


Em Santa Catarina, o edital é um dos mais guardados, visto que a política de editais públicos não vem sendo cumprida de maneira devida. Só no Estado 425 grupos inscreveram seus trabalhos. Os selecionados deste ano foram a La Vaca Produtora de Arte, de Milena Moraes e Renato Turnes, com “Homens pink”; Natália Schlender Rigo, com “Coleção sobre Tradução e interpretação em Libras na esfera artítica”; e Lina Alves Arruda, com o HQ “Monstrans: experimentando horrormônios”.

Turnes recebeu a notícia com muita alegria, já que o projeto era algo que vinha sendo pensado e elaborado há pouco mais de dois anos. “Ele surgiu de uma inquietação em relação sobre essa temática e essa certa invisibilidade que homens gays idosos possuem. É uma coisa que sempre me chamava atenção, angustiava, porque gradativamente eles vão se tornando invisíveis para os outros e dentro da própria comunidade”, afirmou.

O projeto dele dentro da La Vaca terá como regiões impactadas Santa Catarina e São Paulo, e fará um diálogo entre o cinema documental, teatro e performance. “Sabemos o quanto este edital é disputado, a importância de uma instituição como o Itaú Cultural para a existência de projetos assim, que não são comerciais, de fácil captaçao de recursos, porque falam de coisas muito invisíveis para a sociedade. Este projeto é algo muito especial, que surge de um lugar muito sincero e verdadeiro”, diz o diretor teatral.

Natália, que é tradutora/intérprete de Libras na Esfera Artística em Florianópolis e também professora de artes e libras na Udesc, afirma que ficou surpresa com a seleção. Seu projeto já existia e vinha sendo trabalhado desde 2016, porém, ele compreendia a publicação de apenas um livro, e com o apoio do Rumos serão três. Ela afirma que por trabalhar dentro do contexto artístico-cultural, sentia necessidade de, não apenas compartilhar experiências, mas de um pensar mais teórico e técnico sobre esse tipo de prática.

Lina não foi encontrada pela reportagem para falar sobre a seleção, porém, seu trabalho foi citado várias vezes durante a coletiva de imprensa por conta de sua relevância na questão de gênero. O HQ autobiográfico que ela irá fazer tratará da transição de gênero do autor, que desenvolve histórias muitas vezes humoradas que exploram a constante negociação entre a autoidentificação e a submissão ao imaginário alheio.

Novidades e destaques da edição 

O valor destinado aos 109 trabalhos foi de R$ 15,5 milhões, porém, cada projeto passará por um reajuste orçamentário com a ajuda do Itaú Cultural, por isso, os valores individuais ainda não foram liberados. Este ano houve também uma inversão nas prioridades de seleção da comissão julgadora, dando mais ênfase a trabalhos de regiões que antes pouco apareciam entre os selecionados, como o Norte e Nordeste do país.

Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural  - Karin Barros/ND
Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural - Karin Barros/ND

Em 2018 o Rumos inicia uma pesquisa envolvendo 40 mil inscri­tos dos últimos três anos como ob­jeto de estudo. Por meio dele, segun­do o diretor Eduardo Saron, podem surgir outros projetos não ligados ao Rumos, como chamamentos pú­blicos e cartas sobre as impressões da comissão para o governo deste ou daquele Estado. “Este processo também é importante para termos elementos de melhorias para ofe­recer nos próximos editais”, diz ele.

Um destaque, segundo Aninha de Fátima Sousa, gerente de co­municação, é dado aos 86 inscritos para os recursos de acessibilidade do Rumos, uma novidade desta edição, sendo cinco selecionados – dentre eles um catarinense. Outro destaque é o número de projetos dirigidos ou roteirizados por mu­lheres, que subiu para 51.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade