Publicidade
Quinta-Feira, 18 de Janeiro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 25º C

Traduções de "O Pequeno Príncipe" e "Piloto de Guerra" são lançadas pela Companhia das Letras

Representantes dos herdeiros de Saint-Exupéry no Brasil, Mônica Corrêa é responsável pelas traduções

Marciano Diogo
Florianópolis
Marco Santiago/Arquivo/ND
Mônica Corrêa, durante a exposição sobre os pilotos da Aéropostale na Capital. Obras chegam nesta sexta-feira (21) nas livrarias


O clássico “O Pequeno Príncipe” ganha nesta semana uma nova tradução que se propõe ser fidedigna à obra original até então. A editora Companhia das Letras lança nacionalmente nesta sexta-feira duas traduções de “O Pequeno Príncipe” e também do livro autobiográfico de Exupéry, “Piloto de Guerra”, ambas de Mônica Cristina Corrêa, 49 – representante dos herdeiros do autor Antonie de Saint-Exupéry (1900-1944) em ações culturais no Brasil. “Quis apresentar um trabalho atido à gênese da obra e levei em consideração a história do autor”, afirma a paulista Mônica Corrêa, radicada em Florianópolis há oito anos, PhD em literatura francesa pela USP (Universidade de São Paulo).

Escrito em 1942 pelo também piloto francês Saint-Exupéry, “O Pequeno Príncipe” traz algumas das passagens mais difundidas pela literatura na contemporaneidade e continua como um dos livros mais vendidos em diferentes lugares do mundo. A estudiosa e biógrafa explica que a baseou sua tradução num estudo aprofundado da obra de Saint-Exupéry como um todo. “Trabalhei nas traduções durante um ano e meio, fiz primeiro ‘Piloto de Guerra’ e depois o  Pequeno Príncipe’. Ao  comentar a tradução que foi a única durante muitos anos no Brasil, antes que o livro caísse em domínio público, Mônica notou a frequência de algumas palavras que não correspondiam em francês, como por exemplo, a figura de um “bode” que em português substitui um “carneiro adulto” (bélier), “abelha”(abeille)  virou “vaga-lume” e “papoula” (cocquelicot) foi traduzido por “cravo”. 

A capa do livro do clássico que está sendo relançado hoje é outro diferencial: busca remeter às primeiras edições de “O Pequeno Príncipe”, com o fundo verde. “A escolha da cor foi intencional para remeter à identidade brasileira”, explica a tradutora.

No início de 2015, a obra tornou-se domínio público, o que resultou em um movimento de lançamentos de novas traduções e adaptações do livro – nesta semana também estreou nos cinemas de todo o país a adaptação cinematográfica da obra, uma animação dirigida por Mark Osborne. “Poucas pessoas se lembram do contexto em que o livro foi escrito. Saint-Exupéry escreveu ‘O Pequeno Príncipe’ em plena 2a Guerra Mundial. Ele testemunhou conflitos e morreu na guerra”, conta Mônica Corrêa. O piloto-escritor desapareceu em 31 de julho de 1944 em um conflito de guerra.

Divulgação/ND
"O Pequeno Príncipe" e "Piloto de Guerra" são lançados pela Companhia das Letras


Vivências de "Piloto de Guerra"

Antes de escrever “O Pequeno Príncipe”, sua última obra, Saint-Exupéry publicou outros livros, todos sobre a experiência de aviador. Não se tratava, porém, de livros técnicos, mas de histórias que buscavam provocar nos leitores o sonho com a profissão de piloto. Esse é o caso de “Piloto de Guerra”, cuja tradução da especialista Mônica Cristina Corrêa também está nas livrarias a partir de hoje. “No livro, Saint-Exupéry divide algumas experiências vivenciadas na 2a Guerra Mundial, principalmente no início, na invasão da Alemanha  na França”, explica. É este o grande relato compartilhado em “Piloto de Guerra”, escrito em 1941 e publicado pela primeira vez no ano seguinte. Em 1940, Exupéry fora designado para uma missão de alto risco em um sobrevoo na região de Arras, no Norte da França. No relato sobre esta missão, o escritor ressalta seus sentimentos diante da guerra. Como ele mesmo afirma no livro, o conflito não é uma aventura, mas uma doença. “Escolhi traduzir as duas obras juntas porque são extremamente ligadas, e poucos sabem disso”, conclui Mônica Corrêa.

“O Pequeno Príncipe”. De: Antonie de Saint-Exupéry. Tradução: Mônica Cristina Corrêa. Editora: Companhia das Letrinhas. 176 págs. R$ 34,90.

“Piloto de Guerra”. De: Antonie de Saint-Exupéry. Tradução: Mônica Cristina Corrêa. Editora Penguin Companhia das Letras. 192 págs. R$ 24,90. 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade