Publicidade
Sexta-Feira, 22 de Junho de 2018
Descrição do tempo
  • 22º C
  • 15º C
  • #TORCIDANDCOPA #Dia8: Croácia goleia Argentina pelo grupo D e se classifica às oitavasMais copa

Teatro de Quinta apresenta espetáculo solidário no CIC

Após mais de dois anos grupo se reúne em prol da ADEH em busca de arrecadação de fundos para a instituição

Ian Sell
Florianópolis
12/04/2017 às 13H52
André Silveira (Cleosvaldo), Milena Moraes (Heide), Malcon Bauer (Irmã Frida), Monica Siedler (Lorelei), Igor Lima (Malaco da Costeira), Selma Light (Tia Leca) - Flávio Tin/Divulgação/ND / Divulgação ND
Acima, da esq. para à dir. André Silveira (Cleosvaldo), Milena Moraes (Heide), Malcon Bauer (Irmã Frida), abaixo, Selma Light (Tia Leca), Igor Lima (Malaco da Costeira) e Monica Siedler (Lorelei) - Acima, Fotos Flávio Tin/ND, abaixo, Fotos Divulgação ND




O público vai poder matar as saudades, o espetáculo “O Teatro de Quinta” está de volta a Florianópolis. Os atores André Silveira (Cleosvaldo), Milena Moraes (Heide), Malcon Bauer (Irmã Frida), Monica Siedler (Lorelei) e Igor Lima (Malaco da Costeira) mostram seus irreverentes personagens na peça humorística, hoje, no Teatro Ademir Rosa no CIC (Centro Integrado de Cultura), às 20h. O espetáculo prepara uma participação especial, a atriz, comediante e apresentadora Selma Bastos Light, ativista e integrante da ADEH (Associação de Direitos Humanos com Enfoque na Sexualidade), mostra ao público sua personagem Tia Leca.

O Teatro de Quinta é um show de humor com artistas catarinenses que esteve em cartaz em Florianópolis entre 2004 e 2011. Um dos primeiros a trabalhar com o estilo de humor de esquetes, em que atores se revezam no palco apresentando suas personagens. “A gente vai ajustando o texto de acordo com o público, nós trabalhamos muito com improvisação, e dependemos bastante da resposta da platéia”, conta a atriz Milena Moraes.

O espetáculo vem em prol de uma causa beneficente, em favor da ADEH. Em 2017 a associação completa 25 anos de atuação em Florianópolis, visando a garantia de direitos, a promoção de saúde e a discussão dos Direitos Humanos e de políticas GLBTQI, e passa por dificuldades financeiras e estruturais. Desde o ano de estreia a peça recebeu sempre em grande número este público. Toda a renda do espetáculo será revertida para a instituição, além disso todos os cachês foram cedidos pelos atores.

“Sempre fui apaixonada pelo Teatro de Quinta, acompanhei muito toda a trajetória, era uma fã de carteirinha . O convite surgiu de uma conversa informal com o ator Igor lima que levantou a hipótese de se fazer um espetáculo em prol da instituição, levamos a ideia para a Milena e o diretor Renato turnes, que adoraram a ideia e então viabilizaram o reencontro dos atores. Poder juntar a minha arte com uma causa social, sempre foi um sonho”, afirma a atriz Selma Light.

O último encontro dos artistas foi há mais dois anos, sendo uma edição comemorativa aos 10 anos de estreia do humorístico, criado a partir da iniciativa do produtor Renato Cristofoletti, que morreu no ano passado. O show começou a ser apresentado no extinto Mecenas Bar, em Florianópolis, com um público de aproximadamente 30 pessoas. Tamanho o sucesso que fez, chegou ao CIC (Centro Integrado de Cultura), onde teve grande demanda popular. “Nós faziamos sempre a ‘Noite in Bar’, nos apresentamos no antigo Mix Café, no tardar da noite, tinhamos um público jovem, mais noturno, ficamos extremamente satisfeitos com a receptividade que tivemos quando passamos a apresentar o espetáculo em teatros, ampliando nosso alcance, e tendo grande receptividade pelo público”, conta Milena.

Show solidário

“A novidade principal, não diz respeito ao material do espetáculo, mas sim a motivação de estar reunindo as pessoas para um show solidário em prol da ADEH que faz um trabalho tão bonito com a classe aqui em Florianópolis”, afirma Milena. “Vimos a situação em que a associação se encontra, pois a gente vai até lá e vê várias atividades, como atendimentos psicológicos, clínicos, reuniões. Tivemos a ideia de ajudar essa instituição, além da oportunidade de trabalhar com a Selma Light que é uma grande profissional. Também para esta noite, temos como novidade a participação da cantora e atriz Bárbara Biscaro, que vai fazer um número especial”, completa.

A ADEH foi fundada por travestis e transsexuais na grande Florianópolis. “A primeira presidente foi a Clô, que infelizmente foi assassinada há alguns anos. Inicialmente  trabalhava com a classe trans,  depois passou a ser LGBTs, e agora atendemos a toda a população, com prioridades para mulheres travestis, transsexuais e vítimas de violência. A instituição atende uma demanda de pelo menos 70 casos por mês”, conta a coordenadora geral da ADEH, Lirous K’yo Fonseca Ávila.

Todos os serviços são gratuitos, abertos a população. O prédio onde a instituição funciona é cedido pelo governo do Estado, mas a ADEH teme perder sua sede por falta de apoio.

A ADEH tem parceria com a universidade Estácio de Sá, que recentemente lançou o programa “Flores da Clô”, como uma extensão da ADEH, em homenagem a primeira presidente da instituição, partindo dos alunos dos cursos de direito e psicologia da universidade.

“Na ADEH temos o atendimento jurídico, o social e psicológico, todos gratuitos, a pessoa chega no local, se inscreve e passa por uma de nossas triagens. Todos os trabalhos são voluntários, nenhum profissional ganha para estar lá na instituição, nem nós da diretoria. Nosso foco é sempre atender pessoa vítimas da violência, vamos até o lugar, vemos as condições em que se encontra, acompanhamos até a delegacia quando necessário, dando todo o apoio e acolhimento”, conta a coordenadora.

Serviço:

O quê: Edição especial “O Teatro de Quinta”

Quando: 12/4, 20h30

Onde: Teatro Ademir Rosa, no CIC (Centro Integrado de Cultura), av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600, Agronômica, Florianópolis

Quanto: R$ 20, R$ 10 (meia)

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade