Publicidade
Sexta-Feira, 14 de Dezembro de 2018
Descrição do tempo
  • 31º C
  • 22º C

Sérgio Medeiros, da EdUFSC, é indicado ao Prêmio Portugal Telecom de Literatura 2012

Poeta é finalista ao prêmio na categoria poesia pelo livro "Figurantes", seu livro mais catarinense

Carol Macário
Florianópolis

Divulgação / ND
Livro de Sérgio Medeiros tem Florianópolis descrita pelos figurantes da cidade

O poeta, tradutor e professor Sérgio Medeiros, diretor executivo da Editora da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), foi indicado ao prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa 2012 pelo livro de poemas "Figurantes" (Editora Iluminuras).  Os 60 finalistas foram anunciados na quarta-feira (30), no Rio de Janeiro, sendo 20 indicados em cada uma das três categorias: romance, conto/crônica e poesia. Em setembro, os 60 finalistas serão reduzidos a 12 e a premiação será realizada em novembro. O vencedor de cada categoria receberá R$ 50 mil.

É a segunda vez que Medeiros, 52, é finalista do concurso literário. Em 2009, “Sexo Vegetal” (Editora Iluminuras), terceiro livro publicado pelo poeta, foi finalista dos prêmios Jabuti e Portugal Telecom de Literatura. “Poesia é a área que gosto de atuar”, afirma ele, que começou a publicar poemas tarde. “Acho que queria ser um autor do século 21”, brinca. De fato, somente em 2001 Medeiros estreou como autor, com “Mais ou menos do que dois”.  

Figurantes da Ilha

A obra indicada na categoria poemas do prêmio Portugal Telecom, “Figurantes”, é a mais “manézinha” do professor Sérgio Medeiros - ele é natural de Mato Grosso do Sul. “Descrevo Florianópolis a partir dos seus figurantes – os insetos, as abelhas, os índios, todos os personagens dos mitos”, conta. São cenas descritas por moscas e abelhas, por exemplo, que passeiam pela cidade e contam suas impressões. É a cidade descrita a partir da perspectiva do outro. “Nessa ideia, crio um diálogo com outras ilhas pelo mundo afora, como o Japão e a Irlanda, mas sempre a partir dessas figurinhas”, diz.

Modesto, Medeiros diz que não tem pretensão de ganhar, “sou um figurante das letras”. Mas se sente lisonjeado com a indicação. “Espero colocar autores catarinenses nesses prêmios também”, diz, dessa vez como diretor da editora universitária. No mês passado, Medeiros recebeu o convite da reitoria da UFSC para permanecer à frente da EdUFSC, onde pretende dar continuidade aos projetos que vem executando desde 2010 pelos próximos quatro anos.

 Saiba mais

Apesar de novo, o prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa, criado em 2007, é considerado um dos mais importantes da literatura do Brasil, junto com o Prêmio Jabuti.

FIGURANTES (2011). De: Sérgio Medeiros. Editora: Iluminuras. 120 págs. R$ 26

Lista dos indicados

Romance

- "A Maldição de Ondina", de António Cabrita (Associação Cultural Letra Selvagem)
- "A Máquina de Fazer Espanhóis", de Valter Hugo Mãe (Cosac Naify)
- "A Vendedora de Fósforos", de Adriana Lunardi (Rocco)
- "Diário da Queda", de Michel Laub (Companhia das Letras)
- "Dois Rios", de Tatiana Salem Levy (Record)
- "Domingos sem Deus", de Luiz Ruffato (Record)
- "Don Solidon", de Hélio Pólvora (Casarão do verbo)
- "Habitante Irreal", de Paulo Scott (Alfaguara)
- "Infâmia", de Ana Maria Machado (Alfaguara)
- "K.", de Bernardo Kucinski (Expressão Popular)
- "Meu Pseudônimo e Eu", de Marco Guimarães (Octavo)
- "Minas do Ouro", de Frei Betto (Rocco)
- "O Passeador", de Luciana Hidalgo (Rocco)
- "O Senhor do Lado Esquerdo", de Alberto Mussa (Record)
- "Perdição", de Luiz Vilela (Record)
- "Poltrona 27", de Carlos Herculano Lopes (Record)
- "Procura do Romance", de Julián Fuks (Record)
- "Tapete do Silêncio", de Menalton Braff (Global)
- "Uma Duas", de Eliane Brum (Leya)
- "Vermelho Amargo", de Bartolomeu Campos de Queiróz (Cosac Naify)

Conto / Crônica

- "18 Crônicas e Mais Algumas", de Maria Rita Kehl (Boitempo Editorial)
- "A Morena da Estação", de Ignácio de Loyola Brandão (Editora Moderna)
- "A Palavra Ausente", de Marcelo Moutinho (Rocco)
- "Amores Mínimos", de João Anzanello Carrascoza (Record)
- "Axilas e Outras Histórias Indecorosas", de José Rubem Fonseca (Nova Fronteira)
- "Borralheiro - Minha Viagem pela Casa", de Fabricio Carpinejar (Bertrand Brasil)
- "Cantos do Mundo", de Evando Nascimento (Record)
- "Certos Homens", de Ivan Angelo (Arquipélago Editorial)
- "Crônicas do Mundo ao Revés", de Flávio Aguiar (Boitempo Editorial)
- "Em Algum Lugar do Paraíso", de Luis Fernando Verissimo (Objetiva)
- "Então Você Quer Ser Escritor?", de Miguel Sanches Neto (Record)
- "Esse Inferno vai Acabar", de Humberto Werneck (Arquipélago Editorial)
- "Histórias da Gravana", de Olinda Beja (Escrituras)
- "Insubmissas Lágrimas de Mulheres", de Conceição Evaristo (Nandyala)
- "Ler o Mundo", de Affonso Romano de Sant'Anna (Global)
- "O Anão e a Ninfeta", de Dalton Trevisan (Record)
- "O Escandinavo Deslumbrado", de Alberto Xavier (Gryphus)
- "O Livro de Praga", de Sérgio Sant'Anna (Companhia das Letras)
- "Passaporte para a China", de Lygia Fagundes Telles (Companhia das Letras)
- "Vento Sul", de Vilma Arêas (Companhia das Letras)

Poesia

- "A Fera Incompletude", de Fabrício Marques (Dobra Editorial)
- "Alumbramentos", de Maria Lúcia Dal Farra (Iluminuras)
- "Carpideiras", de Jussara Salazar (7Letras)
- "Ciclopico Olho", de Horácio Costa (Annablume)
- "Da Arte das Armadilhas", de Ana Martins Marques (Companhia das Letras)
- "Escarpas", de Gastão Cruz (Móbile)
- "Escritos em verbal de ave Manoel de Barros Leya
- "Figurantes", Sérgio Medeiros (Iluminuras)
- "Isto a que Falta um Nome", de Cláudio Neves (É Realizações)
- "Junco", de Nuno Ramos (Iluminuras)
- "O Metro Nenhum", de Francisco Alvim (Companhia das Letras)
- "O Sol nas Feridas", de Ronaldo Cagiano (Dobra Editorial)
- "Ofício de Sapateiro", de Carlos Newton Júnior (7Letras)
- "Palavra na Berlinda", de Astrid Cabral (Ibis Libris)
- "Roça Barroca", de Josely Vianna Baptista (Cosac Naify)
- "Sísifo Desce a Montanha", de Affonso Romano de Sant'Anna (Rocco)
- "Trans", de Age de Carvalho (Cosac Naify)
- "Tríptico da Súplica", de João Rasteiro (Escrituras)
- "Uma Cerveja no Dilúvio", de Afonso Henriques Neto (7Letras)
- "Vesuvio", de Zulmira Tavares (Companhia das Letras)

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade