Publicidade
Sexta-Feira, 16 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 19º C

Pela primeira vez em 100 anos, obras de Adolpho Mello serão executadas em concerto

Sarau no Palácio Cruz e Sousa irá resgatar sete peças do compositor josefense. Noite também terá lançamento de livro

Dariene Pasternak
Florianópolis
09/12/2016 às 16H15
Violinista Juan Carlos Rossi será o solista da noite no concerto. Ele tocará como  irmão, o pianista Pablo Rossi - Divulgação/ND
Violinista Juan Carlos Rossi será o solista da noite no concerto. Ele tocará como irmão, o pianista Pablo Rossi - Divulgação/ND



Estudioso dos grandes autores da música, o violinista Adolpho Mello apresentava suas composições em salões e clube da cidade e região, assim como gostava de tocar para acompanhar os filmes que passava no cinema, no tempo do cinema mudo. Da mesma época que Chiquinha Gonzaga, que o inspirava, e Patápio Silva, de quem foi amigo e que inclusive encaminhou o corpo do flautista, que morreu em Florianópolis, de volta ao Rio de Janeiro, Adolpho Mello também produziu uma obra exemplar. No entanto, nada conhecida da cidade, inclusive na vizinha São José, que ele nasceu e morreu e empresta nome ao mais antigo teatro do Estado, o Teatro Municipal Adolpho Mello.

Um pouco desse lapso começa a ser corrigido a partir deste domingo, quando o Palácio Cruz e Sousa abre as portas para relembrar o violinista e compositor catarinense, nascido em 1861. Nos 90 anos de morte do artista (1926), a Fundação Catarinense de Cultura apresenta um concerto com sete peças de Adolpho Mello interpretadas pelo violinista Juan Carlos Rossi, acompanhado do irmão, o pianista Pablo Rossi. 

Embora Adolpho Mello seja motivo de orgulho na região, há poucas informações sobre sua formação musical e seu percurso na arte. Quem o resgata é sua sobrinha-bisneta, Sandra Ferreira de Mello. Há 15 anos, Sandra vinha tentando editar a obra de seu tio-bisavô a partir de seus manuscritos musicais. “Achei que tudo estava perdido e quando descobri essas obras, eu não sosseguei. Por causa do tempo, ninguém conseguia ler as partituras. Sempre escutei a música, estudei também. Tenho certeza que nenhum compositor escreve para ficar engavetado”, diz Sandra.

A contribuição maior veio do professor André de Moura, da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), que então editou as partituras agora publicadas no livro “Adolpho Mello, legado catarinense”, de Mônica Cristina Corrêa, que também será lançado na noite do recital. Junto às melodias transcritas, foi resgatada também a biografia do violinista, que estudou no Conservatório de Música do Rio de Janeiro e, inclusive, chegou a ser convidado para ser primeiro violinista na Orquestra Sinfônica do Rio de Janeiro, mas não aceitou.

Adolpho escrevia para violino e piano, composições marcadas pelo romantismo da música erudita. Nos jornais da época, chegou a ser chamado de “Deus da Música”. Compôs peças inspiradas em “Sonata ao Luar”, de Beethoven, e também foi autor do livro “A Pequena Arte da Expressão do Violino”.

A noite também terá uma ambientação com a Sociedade Histórica Desterrense, que pesquisa e encena fatos históricos da cultura catarinense. O grupo fará a recepção do público, a caráter, como se estivesse num sarau do século 19.  “Faz quase cem anos que as músicas dele não são tocadas. Ele estava à frente do seu tempo nas técnicas”, pontua Sandra. Uma das composições terá também letra, que ele escreveu na época, que será interpretada pela soprano Kalinka Damiani. 

Adolpho Mello nasceu em São José em 20 de outubro de 1861 e morreu em Florianópolis em 10 de novembro de 1926. Era violinista, compositor e regente, escrevendo várias peças. Foi tesoureiro-geral do Estado e diretor do Conselho Municipal de Desterro

O sarau é uma promoção do Governo do Estado, Federação Catarinense de Cultura, Museu Histórico de Santa Catarina – Palácio Cruz e Sousa e Grupo RIC SC.

O quê: Recital de piano e violino de Pablo Rossi e Juan Rossi, com encenações da Sociedade Histórica Desterrense e lançamento com distribuição gratuita de exemplares do livro “Adolpho Mello, legado catarinense”.

Quando: 11/12, 19h.

Onde: Museu Histórico de Santa Catarina – Palácio Cruz e Sousa, Praça 15 de Novembro, 227, Fpolis, tel. 3028-8091.

Quanto: Gratuito.

Programa do sarau:

Fantasia

Legenda

Romance e Marzurca

Canção Nº 2

Rapsódia

Meditação

Capricho e Tarantela

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade