Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Pabllo Vittar pode virar personagem em HQ que busca dar visibilidade à causa LGBT

Objetivo é proporcionar maior diversidade e representatividade aos quadrinhos nacionais, dando visibilidade à causa LGBTI+ na Parada Gay

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
03/08/2018 às 22H16
Pabllo Vittar - Reprodução Facebook/Divulgação/ND
Pabllo Vittar - Reprodução Facebook/Divulgação/ND

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cantora Pabllo Vittar, 23, é a principal atração do show de encerramento dos Jogos Olímpicos, mas um atentado terrorista pode colocar tudo a perder. É assim que começa o primeiro número da revista em quadrinhos "Vélox - O Campeão da Liberdade". 

O projeto do ator e quadrinista Elyan Lopes, 35, mostra com muita ação e suspense a luta da cantora, ao lado do super-herói gay Vélox, contra o terrível Messias, um fanático terrorista com superpoderes. 

Para esse projeto, Lopes lançou uma campanha de financiamento coletivo no site  www.catarse.me/velox e precisa arrecadar R$ 20 mil até 15 de setembro. Se conseguir, a HQ será lançada em dezembro. 

Segundo Lopes, o objetivo é proporcionar maior diversidade e representatividade aos quadrinhos nacionais, dando visibilidade à causa LGBTI+ -na Parada Gay deste ano, a associação que realiza o evento incluiu o I e o sinal + na sigla LGBT para representar o intersexo e outras identidades.

A participação especial de Pabllo Vittar na história surge como símbolo dessa proposta. "Sou fã dela e da sua importância para o cenário LGBTI+". 

Em entrevista à revista Quem, a cantora disse que se sente muito orgulhosa em participar do projeto. "É muito legal porque, além de ser fã dos desenhos, quadrinhos e séries animadas, é um jeito legal de passar essa mensagem de igualdade e mostrar também o tamanho da nossa força." 

O quadrinista conta que a ideia da HQ surgiu em 2016, quando a Olimpíada foi realizada no Rio de Janeiro. "Fui inspirado pela determinação e força dos nossos ginastas, que, mesmo sem muitos recursos, deram tudo de si durante a disputa e fizeram um lindo trabalho", revela.

Somado a isso, Lopes conta que sempre quis fazer um super-herói assumidamente homossexual. 

Na história, o protagonista Eron Maya é considerado um dos melhores ginastas olímpicos do mundo. Mas, durante uma apresentação, ele sofre uma queda fatal e fica paraplégico. É nesse momento que ele vai receber poderes especiais de uma entidade misteriosa e se torna o herói Vélox. 

No entanto, apesar de correr e voar, o Maya vive um conflito interno: A dificuldade em aceitar a sua homossexualidade. 

Vélox é o quarto título lançado por Lopes, que já criou "Capitão R.E.D "(2012), "Protocolo: A Ordem" (2016) e "Alfa: A Primeira Ordem". "É a maior liga de super-heróis brasileiros que se uniram com heróis antigos, como Raio Negro e Capitão Gralha", diz.

O quadrinista lamenta a falta de apoio para fazer quadrinhos no Brasil. "Não existe um mecanismo empresarial ou incentivo do governo federal que dê suporte ao quadrinho nacional, como acontece com o cinema, por exemplo. Nem lei existe. O que nos resta é o financiamento coletivo", conclui. 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade