Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Orquestra Manancial da Alvorada faz trilha ao vivo do filme "Tempos modernos" no CIC

O grupo da Capital vai se apresentar no projeto Cinema ao Vivo

Karin Barros
Florianópolis
03/10/2017 às 09H51

O clássico do cinema de 1936, “Tempos modernos”, de Charles Chaplin, vai se revisitado pela Orquestra Manancial da Alvorada em três shows esta semana no projeto Cinema ao Vivo. As sessões acontecem nesta quarta (4), quinta e sábado no cinema do CIC, em Florianópolis.

Pianista Diogo de Haro - Marcos Espíndola/Divulgação/ND
O Pianista Diogo de Haro faz participação especial na orquestra - Marcos Espíndola/Divulgação/ND


O filme conta a história de um operário de uma linha de montagem que testou uma "máquina revolucionária" para evitar a hora do almoço. Ele é levado à loucura pela "monotonia frenética" do seu trabalho. Após um longo período em um sanatório, ele fica curado de sua crise nervosa, mas desempregado. Ele deixa o hospital para começar sua nova vida, mas encontra uma crise generalizada e equivocadamente é preso como um agitador comunista, que liderava uma marcha de operários em protesto. Simultaneamente uma jovem rouba comida para salvar suas irmãs famintas, que ainda são bem garotas. 

Pela primeira vez a orquestra faz parte do projeto e se apresenta ao vivo junto a exibição. Para a participação, a o grupo tem se preparado há quatro meses, com rearranjos das músicas “Preço bom nós tem” e “Cantiga da escravo liberto”, e criando outras três composições para o show. Para Julian Brzozowski, maestro da orquestra, a escolha pelo filme veio de encontro com o teor político que o grupo presa, além de ser um assunto extremamente atual, em que fala de leis trabalhistas e consequências do trabalho. 

Um dos métodos de composição que eles usaram foi explorar uma técnica temporal desenvolvida pelo compositor modernista Terry Riley, que distribuía temas (frases) auto-harmonizáveis sem hierarquia em partituras e coordenava através da regência apenas deixas para transições e mudanças, permitindo que os musicistas intérpretes explorassem com liberdade o que o tema lhes causava. 

A orquestra será também experimentada, contando com mais instrumentos de percussão, computadores e sintetizadores. Entre as novidades está a participação especial do pianista florianopolitano Diogo de Haro, que vai tocar os sintetizadores, deixando o som mais moderno. Este é o primeiro trabalho do grupo com o músico. 

Serviço 

O quê: Cinema ao Vivo 
Quando: 4 e 5/10, 20h; 7/10, 19h
Onde: Cinema do CIC, av. Governador Irineu Bornhausen, 5.600, Agronômica, Florianópolis
Quanto: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade