Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

O livro sete e meio de Amilcar Neves

Cronista e escritor lança a peça de teatro “Se Te Castigo É Só Porque Eu Te Amo”, que nasceu em meados da década de 1990

Dariene Pasternak
Florianópolis
Rosane Lima/ND
Amilcar lançará o livro na Barca dos Livros, no dia 29

 

O cronista e escritor Amilcar Neves, 64, se prepara para lançar seu oitavo livro neste final do mês, ou o sete e meio, como ele brinca, fazendo alusão ao filme “Oito e Meio”,  de Federico Fellini. “Se Te Castigo É Só Porque Eu Te Amo”, publicado pela Letras Contemporâneas, é uma peça de teatro, que nasceu anos antes, em meados da década de 1990, quando escreveu alguns contos juvenis.


Na época, a editora Scipione pediu um conto a Amilcar, ele escreveu e remeteu, mas a editora achou muito pesado. Chegou a produziu mais um e ainda um terceiro, mas nenhum foi publicado. “Tinha bastante diálogo, porque a intenção era um livro juvenil, então fundi dois deles e tirei o problema, de ser adulto demais. Mas ao longo do tempo foi muito mexido”, explica. A obra, contemplada no edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura, fala de uma relação em família, com pais rígidos, autoritários. Volta ao tema da ditadura, recorrente no seu trabalho. 


Amilcar começou na escrita como cronista e ainda quando era estudante do ensino médio em Tubarão nos anos 60. A União Estudantil Tubaronense, a qual era membro, tinha um programa duas vezes por semana nas rádios Tubarão e Tabajara. No “Jornal Debate”, sempre havia uma crônica local, mas não era fácil conseguir com colegas duas por semana. “Comecei a escrever sem objetivo, com o sonho oculto de um dia publicar um livro”, lembra.

Porém essa vontade só se realizou em 1979, depois de mudanças na vida, entre elas, a vinda a Florianópolis, a conclusão do curso de engenharia mecânica na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), onde também fez pós-graduação na área e foi professor. Ainda nessas transformações, entrou na IBM, mudou novamente de cidade. “Na volta para Florianópolis decidi retornar o objetivo de escrever um livro de ficção”, conta.

A obra em questão “O Insidioso Fato – Algumas Historinhas Cínicas e Moralistas”, de contos, foi publicada em 1979 pela Editora da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), hoje extinta. “Nos 21 de IBM fiquei lendo e escrevendo”, diz. Os livros foram sendo publicados, sempre reduzindo o espaçamento entre eles, 1979, 84, 88, 91 e assim por diante.

Nesse período, ganhou muitos prêmios e publicações importantes, como a novela “Movimentos Automativos”, finalista em um concurso da revista “Status”, uma concorrente da “Playboy”.

Em 1991, ganhou o concurso nacional de contos da Nestlé com “Relatos de Sonhos e Lutas” – agora na sexta edição, pela Record, integra a lista do vestibular da UFSC e Udesc. De texto maduro, fala sobre o período do fim da ditadura militar no Brasil e na América Latina. “A minha literatura tem muito de crítica política e social”, pontua o autor. O prefácio, é de Ignácio Loyola Brandão: “Do que gosto neste livro? Da liberdade da narrativa. Cada conto tem a sua forma de expressão, esteja o personagem num bar, ou no túnel do tempo...”, abre a obra o famoso escritor.

Ponto de virada

O autor escreve há sete anos crônicas semanais no “Diário Catarinense”. “Tenho uma preocupação com o ser humano, com os desafios, relações e sonhos. Minha escrita não prega boas maneiras, nem é conformista, acho que a literatura não está aqui para isso”, enfatiza.


Porém, nessa visão mais dura, sabe que ser escritor não é tão simples. “Me lembro de um falso ponto de virada da minha vida no final dos anos 90, quando em 40 dias ganhei quatro prêmios de literatura (o da Nestle, um em Minas Gerais, outro no Paraná e um em Cuba). Pensei que ia acontecer algo comigo, que ia estourar. Foi uma frustração porque acabou não acontecendo nada”, lembra.

Para a sorte da literatura catarinense e nacional Amilcar persiste. Atualmente escreve a mão todos os dias em uma agenda escolar, como fosse um diário de um garoto, ou seja, já tem outra obra a caminho.
 
Serviço:
O quê: Lançamento de “Se Te Castigo É Só Porque Eu Te Amo”, de Amilcar Neves
Quando: 29/4/2011, 20h30
Onde: Barca dos Livros, rua Senador Ivo D’Aquino, 103, Lagoa da Conceição, tel. 3879-3208
Quanto: R$ 20
 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade