Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 17º C

Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis completa 15 anos dedicados à exibição e produção

A 15ª edição do evento ocorre até 10 de julho na Capital e neste ano exibe mais de 60 curtas-metragens e sete longas direcionados ao público infantojuvenil

Marciano Diogo
Florianópolis
Marco Santiago/ND
Ao centro, a idealizadora da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis, Luiza Lins. Em torno, as crianças do júri infantil e apresentadores do evento: Fabiana Alflen, Guilherme Alves, Helena de Lara, Davi Machado, Davi Tandredi, Marina Pereira, Camilla Araújo e João Otavio da Costa

 

A formação de público é fundamental para dar continuidade à cadeia produtiva do audiovisual brasileiro. É tão verdade que há 15 anos a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis projeta filmes nacionais direcionados para as crianças. A 15a edição, que ocorre até o dia 10 de julho e neste ano exibe mais de 60 curtas-metragens e sete longas, tem como objetivo estimular a realização de filmes e o debate sobre as políticas públicas voltadas para as produções cinematográficas destinadas ao público infantojuvenil. “A mostra é a maior janela de exibição de filmes nacionais infantis do Brasil. Já exibimos praticamente tudo de cinema direcionado para as crianças que foi produzido em nosso país. Além de democratizar o acesso ao levar o cinema para os pequenos, trazemos o foco para infância com oficinas e debates. Evoluímos muito nesses 15 anos”, afirma Luiza Lins, 50, idealizadora e organizadora da Mostra de Cinema Infantil.

A mostra internacional também auxiliou para que houvesse a sanção e regulamentação da Lei 13.006, que estabelece a exibição obrigatória de no mínimo duas horas mensais de filmes nacionais para turmas de escolas de educação básica, que abrange até o 9º ano do ensino fundamental. Na edição do evento do ano passado foi criada uma comissão que estudou a regulamentação da lei e desde então foi produzido um estudo que foi entregue ao Conselho Nacional do MEC (Ministério da Educação) em janeiro de 2016. Além da Lei 13.006, o evento também auxiliou para criação de um edital nacional exclusivo para produção de filmes para crianças, que foi lançado ainda neste ano. O Edital de Longa BO Infantojuvenil da SAv (Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura) apoia projetos de filmes inéditos de ficção destinado ao público infantil ou infantojuvenil. “É a primeira vez na história de nosso país que isso aconteceu, o edital está em fase de seleção e escolherá nove produções. É mais uma conquista”, observa a produtora e diretora Luiza Lins.

Assim como nas edições anteriores, a 15ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis também tem um júri integrado somente por crianças – este ano o júri é formado por cinco integrantes que vão assistir aos 57 curtas nacionais e estrangeiros da mostra competitiva para escolher o melhor filme, que receberá o Prêmio Especial das Crianças. Integram o júri infantil Marina Pereira Koehler, 11 anos, Fabiana Martins Alflen, 11, Guilherme Alves de Souza, 12, Davi Trancredi Lopes, 10, e Helena de Lara Dutra, 11. “Para um filme ser bom a história tem que emocionar e ser engraçada. Um pouco de mistério também é legal. Vai ser um desafio escolher o melhor, mas será divertido”, opina Helena de Lara Dutra.

Divulgação/ND
"As Aventuras do Pequeno Colombo", um dos filmes que estreia na Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis 2016


Para Camilla Araújo, 12, atriz que será apresentadora do evento deste ano e também estrela no filme catarinense que será lançado na mostra “No Fim da Trama”, o evento também promove a representatividade do cinema catarinense. “É uma sensação única se ver na tela. Eu frequento o festival a algumas edições e sempre assisto algo que me toca. É especial”, conta a menina. Além de Camilla, também apresentam a 15ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis o ator-mirim Davi Machado Sheidt, 10, e as juradas Marina e Fabiana. O evento também terá o júri adulto técnico que vai escolher a Melhor Ficção e a Melhor Animação, e o público da mostra, crianças e adultos, também vai escolher também o Melhor Filme, segundo o júri popular.

A vez dos pequenos
Em sua 15ª edição a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis exibe oito filmes catarinenses, as animações “Bubble”, “Fora da Caixa” e “Klaus e Asteróide”, as ficções “Meu Tio Que Me Disse”, “No Fim da Trama” e “Quem Não Tem Cão”, e os documentários “Entre Gerações” e “A Saudade Que Terei”. “Atualmente o Brasil também produz mais e melhor para este segmento e o reflexo pode ser observado em Santa Catarina, com o aumento da produção. Anualmente, o Estado tem realizado mais de cinco curtas dedicados à infância”, ressalta Luiza Lins.

Divulgação/ND
"No Fim Da Trama" é um dos filmes catarinenses exibidos no evento deste ano


A diretora Patricia Monegatto, 31, que lança o curta “No Fim da Trama”, reforça que o cinema catarinense tem se voltado cada vez mais para o público infantil. “E esse crescimento também é reflexo da mostra, que é pioneira ao tratar desse tema. Ver o cinema infantil de maneira diferente, trabalhar o olhar das crianças para que estejam voltadas para o cinema nacional e incentivar a formação de platéia infantil, tudo isso é mérito de um trabalho coletivo”, observa a diretora do filme que foi um dos premiados pelo Edital Catarinense de Cinema em 2015.

Além da exibição de filmes catarinenses, neste ano acontece no sábado (2) pela primeira vez na história do evento o lançamento de três longas-metragens nacionais, “As Aventuras do Pequeno Colombo”, “O Que Queremos Para o Mundo?” e “A Família Dionti”, que terão a presença dos realizadores das produções para conversar com o público sobre os filmes. “É sensacional ter essa oportunidade de dialogar com as crianças para termos uma compreensão maior das nossas produções. Já exibi no evento outros curtas que dirigi, mas essa será a primeira vez que poderei comparecer fisicamente.  A mostra é o melhor contexto para investigação e pesquisa do que as crianças querem no audiovisual”, conclui Igor Amin, 29, diretor do filme “O Que Queremos Para o Mundo?”.

A programação da Mostra Infantil de Florianópolis 2016 também inclui o show da rapper MC Soffia, 12, reconhecida nacionalmente por trabalhar em suas canções temas como a inclusão racial e a valorização da escola pública, uma oficina de produção audiovisual voltada para crianças, e uma filmografia internacional extensa com exibição de filmes do Japão, Irlanda, França, México, Chile, Venezuela e Canadá. “Tudo isso para que a criança entenda como o mundo é diverso e feito de diferenças, e se habituar a essas diferenças desde o começo da vida”, conclui a produtora Luiza Lins.

Confira a programação completa da 15ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis.

O quê: 15ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
Quando: Até 10/7, diferentes horários
Onde: Teatro Governador Pedro Ivo, rod. SC 401, 4600, Saco Grande, Florianópolis, tel. 48 36651630
Quanto: Gratuito

Para assistir com os filhos – confira indicações da curadora e organizadora Luiza Lins de filmes que serão exibidos na 15ª Mostra de Cinema Infantil neste fim de semana:

“As Aventuras do Pequeno Colombo”, de Rodrigo Gava, animação, 88 min, exibição 2/7 às 14h

O filme é de uma produtora que tem uma vasta pesquisa com o público infantil e animação, é um longa que trabalha de forma muito criativa o roteiro trazendo personagens históricos que são retratados quando crianças: Cristovão Colombo, Leonardo Da Vinci e Mona Lisa. Leve e divertido”.

“O Que Queremos Para o Mundo?”, de Igor Amin, ficção, 70 min, exibição 2/7 às 16h30

Conta a história de uma menina que está na fase de transição da infância para adolescência e que sonha com um mundo melhor. É um longa sensível que provoca questionamentos pertinentes e trata de temas como autoconhecimento, livre expressão através da música, bullying, e s relação das crianças com o meio ambiente”.

“A Família Dionti”, de Alan Minas, ficção, 97 min, exibição 2/7 às 18h30

É um filme poético e emocionante, chorei ao assisti-lo. Direcionado para as crianças um pouco mais velhas. Conta a história de um pai que cria seus dois filhos e trata de temas como o primeiro amor”.

“O Conto da Princesa Kaguya”, de Isao Takahata, animação, 138 min, exibição 3/7 às 16h

Longa baseado em um conto do folclore japonês que conta a história de uma princesa que nasce do bambu. A animação traz traços únicos e delicados, é um filme que toca a alma, uma obra de arte”.

“No Fim da Trama”, de Patrícia Monegatto, ficção, 13 min, exibição 3/7 às 14h

Filme catarinense simples, porém com uma qualidade técnica perfeita. Conta uma história envolvendo a tradicional brincadeira pau de fita, que é feita dentro de uma escola, e trabalha com temas como amizade, ansiedade e liderança”.

“Meninos e Reis”, de Gabriel Romeu, documentário, 16 min, exibição 3/7 às 14h

 “Documentário sensível que retrata o Reizado, uma manifestação folclórica tradicional do Sertão. Foi rodado inteiramente no Sertão do Cariri, no Ceará”.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade